Como Portugal superou a crise econômica graças às fórmulas de “austeridade”

A BBC Brasil repercutiu uma reportagem da The Economist a respeito de Portugal. A chamada da matéria diz: “Portugal está superando crise econômica sem recorrer a fórmulas de austeridade, diz Economist”. Acompanhei o ajuste em Portugal o suficiente para ficar intrigado com a matéria e resolvi apresentar alguns dados ao leitor para mostrar o que aconteceu e está acontecendo em Portugal, e o que podemos tirar de lição da experiência da terrinha.

Utilizei os dados do FMI disponíveis na internet. A figura abaixo mostra a evolução do PIB per capita português. Repare que a trajetória de crescimento é interrompida durante a crise de 2008, depois ocorre uma queda e, em 2014, a trajetória de crescimento é retomada. Curioso é que, segundo a reportagem da BBC Brasil, “Portugal chegou a ensaiar um forte pacote de austeridade entre 2011 e 2014”, ou seja, o crescimento retornou durante o período da política de austeridade. De fato, a política de austeridade foi revertida com a chegada de António Costa, do Partido Socialista, ao poder, em novembro de 2015. Dessa forma, o candidato socialista pegou a economia já crescendo.

Evolução do PIB per capita de Portugal. Fonte: FMI

Deixemos para lá a reportagem e olhemos mais para os dados. A figura abaixo mostra o gasto do governo em Portugal. Em 2010, ano anterior ao início do ajuste, o governo português gastou €93,24 bilhões, enquanto em 2012 o gasto chegou a €81,72 bilhões, uma queda de mais de 10%. Em 2016, último ano da série que estou usando, o gasto foi de €85,92 bilhões, ainda menor que antes da crise. Não sei para os jornalistas que fizeram a reportagem, mas, para mim, uma queda de mais de 10% do nível de gasto governamental, relativamente mantido posteriormente, é uma política de austeridade.

Gastos governamentais em Portugal. Fonte: FMI

A figura abaixo mostra o gasto como proporção do PIB. Repare que o gasto caiu de 51,8% do PIB em 2010 para 48,5% do PIB em 2012, mesmo com a economia em recessão. Na sequência, o gasto volta a subir em relação ao PIB e retoma a trajetória de queda em relação ao PIB. Vale notar que, mesmo em 2014, o gasto como percentual do PIB ficou abaixo do observado em 2010.

Gastos governamentais em Portugal, em relação ao PIB. Fonte: FMI

O que o Brasil pode aprender com Portugal? Antes de responder, olhemos os dados e comparemos o dito “ajuste fiscal duríssimo” que aconteceu no Brasil com o que vimos de Portugal. Como estou preocupado com a trajetória e não com os níveis, preferi manter os dados nas moedas locais para não me preocupar com ajustes por câmbio ou paridade de compra. A figura abaixo mostra os gastos do governo brasileiro (em reais) entre 2002 e 2016. Repare que, ao contrário de Portugal, não tivemos queda nos gastos, pelo contrário.

Gasto do governo brasileiro. Fonte: FMI

Entretanto, por conta das diferenças entre a dinâmica do euro e do real, alguém pode reclamar da comparação de gastos em moeda local. Olhemos então para a comparação do gasto como proporção do PIB. Repare que, desde 2014, quando o governo brasileiro reconheceu que era necessário fazer um ajuste fiscal, o gasto como proporção do PIB está sempre subindo. O máximo que conseguimos fazer foi diminuir a velocidade de crescimento, e é isso que estamos chamando de “ajuste fiscal duríssimo”.

Gastos do governo brasileiro em relação ao PIB. Fonte: FMI

A comparação deixa claro que houve um ajuste fiscal em Portugal e que o crescimento de Portugal voltou durante o período do ajuste fiscal. Mesmo com a política expansionista do socialista António Costa, o governo português está gastando menos do que gastava antes do ajuste, tanto em euros como em proporção do PIB. Enquanto isso, no Brasil, não foi possível identificar nada parecido com o ajuste fiscal português. Aparentemente, há muito mais do que mar a nos separar.

Que o Brasil se inspire no exemplo português e faça um ajuste nos gastos do governo. De verdade.

Vaquinha O ILISP comprou o domínio "aborto.com.br" e lançará uma campanha pró-vida, mas isso exige recursos. Os interessados em ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

3 COMENTÁRIOS

  1. Quem está pagando a conta destes gastos do Governo são os trabalhadores do País enquanto que os governantes continuam usufruindo de benefícios que mais parecem benefícios da Realeza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here