Defender a guerra estatal às drogas é defender os bandidos e desvalorizar a vida dos policiais

Entre 1994 e 2016, passaram pela PM do Rio de Janeiro cerca de 90.000 policiais. Desses, 3.234 foram assassinados e 14.452 foram feridos. Outros 2.751 PMs foram afastados por problemas psiquiátricos. Os dados foram informados pela própria PM-RJ.

Só nesse ano, mais 100 PMs foram assassinados.

É um percentual de PMs mortos (3,59%) superior ao dos soldados americanos mortos na Primeira Guerra Mundial (2,46%), na Segunda Guerra Mundial (2,52%) e no Vietnã (0,98%).

Como bem disse o comandante da comissão de vítimas da PM-RJ: “A polícia não tem a função de guerrear. Essa é uma anomalia que estamos sendo submetidos no Rio de Janeiro. A função da polícia é proteger”.

Sim, GUERRA.

Uma guerra estúpida, criada por Nixon nos EUA, em 1971, que coloca policias para caçar derivados de plantas que foram usados por toda a história da humanidade, mas que, recentemente proibidas pelo estado, criaram cartéis formados justamente por aqueles que não respeitam as leis: os criminosos.

Enquanto diversos estados americanos aos poucos acabam com a guerra estatal às drogas, no Brasil, colocamos PMs com 38s para subir morros atrás de um cartel fortemente armado e que sujeita milhões de pessoas, a ampla maioria delas pobres, a tiroteios, mortes e medo constante.

Tudo isso enquanto temos 58.000 assassinatos por ano, 45.000 estupros e mais de 1.000.000 de assaltos, crimes com vítimas que são deixados de lado para que o “papai estado” impeça que as pessoas prejudiquem seus próprios corpos.

Se você apóia a guerra estatal às drogas, por qualquer motivo que seja, você não apenas defende que esse panorama continue acontecendo, como está ao lado dos cartéis de criminosos que dominam a venda das drogas.

Os liberais preferem que esses cartéis sejam extintos. E a única foram de fazer isso é retomarmos o que funcionou em toda a história humana: que as pessoas sejam livres para serem estúpidas a ponto de estragarem seus próprios corpos, e que a venda deixe de ser controlada por aqueles que não respeitam as leis, para que passe a ser descentralizada e feita por aqueles que respeitam.

Defender a guerra estatal às drogas é defender os bandidos e desvalorizar a vida dos policiais.

Vaquinha O ILISP comprou o domínio "aborto.com.br" e lançará uma campanha pró-vida, mas isso exige recursos. Os interessados em ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

47 COMENTÁRIOS

  1. Lendo os comentarios percebo que a a maioria aqui é conservadora e nao liberal de fato. Eu defendo o livre mercado e TODAS as liberdade individuasi, desde que nao ataque o proximo. Aprendam o que é ser liberal e o que é ser conservador.

    • Você está confundindo liberal com libertário.
      Liberal = a favor do livre MERCADO
      Libertário = a favor da liberdade em relação a QUALQUER interferência do Estado na vida do indivíduo.
      Ou seja o liberal só se restringe ao mercado. Todos os grandes conservadores foram tendentes ao liberalismo.
      Ser conservador não significa ser keynesiano ou protecionista, e nem ser liberal significa abraçar a agenda progressista ou ser libertário, não confunda as coisas

  2. Excelente materia Marcelo Faria, tenho certeza que fez muita gente repensar sobre seus proprios paradigmas/preconceitos numa visao mais inteligente de como lidar com o problema desta guerra sem fim apoiadas por extremos ignorantes e leigos no assunto…

  3. Filosoficamente está correto defender a liberação das drogas, mas na prática isso não funciona, pois bandido é bandido e se o tráfico não der lucro ele muda de ramo, mas continua bandido, vai explodir banco ou sequestrar caminhões. O enfrentamento tem que ser feito sim, de maineira radical, olho por olho, dente por dente. O Uruguai não melhorou com a liberação da maconha. Só Bolsonaro na causa, para fazer igual o Duterte está fazendo lipinas.

    • O Uruguai não liberou a maconha, estatizou. E a guerra estatal às drogas não funciona nem nos EUA, quanto mais no Brasil. Duterte é tão imbecil nesse tema quanto Bolsonaro.

    • Então também não adianta colocar segurança no banco, pois se dificultar o assalto ao banco o bandido vai assaltar a padaria?

      Por essa lógica, é melhor extinguir a polícia e todos os esquemas de segurança, já que evitar um crime vai causar outro.

  4. Para o autor do texto, policial não pode subir no morro prender usuário e traficante, independente qual for uso dessa droga liberada ou não, alegando que pode perder a sua vida. Deixem eles em paz, pois o Exército vai assumir a nossa conta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here