Entenda porque o Marco Civil é responsável pelo limite da Internet

Exatamente há dois anos, uma mobilização em massa de políticos e simpatizantes da esquerda fez aprovar o Marco Civil da Internet. Políticos como Jean Wyllys e Chico Alencar do PSOL foram para a TV aberta convencer a população de que era necessário acabar com a “anarquia” da Internet e leva as leis e burocracias à era digital. A ideia do Marco Civil era muito bonita no papel, trazia uma certa segurança aos usuários e teoricamente os problemas existentes, ou supostamente existentes, deixariam de existir graças ao governo. Mas problemas que não existiam anos atrás começam a vir à tona, e um deles é o limite da internet, uma tentativa imposta pelo cartel de operadoras de telefonia criado graças à agência estatal Anatel.

Um dos princípios do Marco Civil é a neutralidade de rede, que seria, traduzindo para o português claro, o socialismo na Internet. A proposta da neutralidade de rede é fazer com que as operadoras forneçam de forma igualitária a mesma banda de internet, com a mesma velocidade, para todos os aplicativos e sites. Isso significa que um site muito acessado como o Youtube deve ter exatamente a mesma banda que um site pouco acessado, mesmo que não seja a prioridade do cliente dessas operadoras.

A neutralidade de rede destruiu a forma criativa e dinâmica das operadoras e sites (ou aplicativos), que por meio da oferta e demanda dos serviços gerenciavam de forma eficiente os recursos escassos: a banda da internet. Por exemplo: as operadoras, ao perceberem que existia uma demanda para “streaming” de vídeo no Youtube, podiam aumentar a banda para esse serviço e diminuir a banda do Google. O buscador, ao perceber que a operadora reduziu sua banda, passava a fornecer um serviço mais leve, que consumia menos banda, para não prejudicar o acesso dos seus usuários. Dessa forma, de maneira “anárquica”, a Internet gerenciava os recursos escassos sem prejudicar os usuários, isto é, sem cortar o acesso à Internet.

A regulação do governo nos serviços da rede impede que os próprios membros da Internet gerenciem os recursos, ou seja, a forma descentralizada de gestão de recursos passou a ser centralizada de acordo com uma decisão do governo. Com o Marco Civil, se algum usuário baixar um “torrent” ao mesmo tempo que assiste um filme no Netflix, a operadora é obrigada a fornecer a mesma velocidade para ambos os sites. Como a neutralidade de rede não permite que as operadoras possam limitar o consumo de banda para aplicativos menos prioritários, elas decidiram, então, limitar a internet como um todo, respeitado o princípio de igualdade, com todos os aplicativos igualmente sem internet.

Ilustrando

Suponha que sua assinatura de Internet seja o equivalente a uma faixa na rodovia. Cada faixa da rodovia na prática é um fio de telefone ou um cabo de fibra-ótica, onde passam os Bits (0 e 1) que conectam seu computador ou seu celular a vários servidores no mundo todo. O espaço na rodovia que você tem direito a acessar é limitado (escasso), assim como o cabo de fibra-ótica que transfere suas informações pela Internet. Isso significa que, se existem muitos carros na rodovia, na sua mesma faixa, provavelmente a velocidade do seu carro será lenta. Na Internet é a mesma coisa, quanto mais usuários acessam os cabos de fibra-ótica das operadoras, mais lenta a Internet fica.

Agora imagine se o governo obrigasse todos os carros a ter a mesma velocidade de 110 km/h na rodovia. Se a rodovia estiver lotada, essa prática será impossível. Como a concessionária da rodovia iria lidar com esse problema? Provavelmente limitando o número de carros. Na prática, as operadoras de telefonia lidam com esse mesmo problema: para manter a mesma banda para todos os aplicativos e sites, como manda o princípio de neutralidade de rede imposto pelo estado, elas são obrigadas a limitar a Internet.

A outra solução seria aumentar o investimento em infraestrutura. Uma rodovia com maiores espaços faria com que os carros pudessem fluir melhor. Uma Internet com mais infraestrutura conseguiria garantir melhor velocidade para todos. O problema é que, assim como não se constrói uma rodovia que corta o país inteiro da noite para o dia, não se coloca um cabo de fibra-ótica no mar ou se lança um satélite em órbita em pouco tempo. Realizar investimento em infraestrutura também necessita de aprovação da Anatel, que demora até cinco anos para liberar a instalação de uma antena de celular, por exemplo. Ainda há burocracia de ambientalistas e enormes encargos cobrados pelo governo. A Anatel também limita a concorrência e não deixa outras operadoras entrarem no mercado – por meio do regime de concessões, licitações bilionárias onde pouquíssimas empresas têm capacidade financeira de participar – e ficamos reféns de poucas operadoras de alcance nacional.

Para Concluir

O erro de políticos como Jean Wyllys e Chico Alencar, ao aprovar o Marco Civil da Internet, foi acreditar que o estado pode revogar as leis da economia. Não há como distribuir recursos escassos igualmente para todos, a não ser que todos fiquem igualmente sem nada. Foi assim com o socialismo, onde a miséria foi igual para todos, e está sendo assim com o princípio de neutralidade de rede. O economista americano Thomas Sowell já havia alertado sobre essas práticas nefastas dos políticos: “A primeira lei da economia é a escassez. A primeira lei da política é ignorar a primeira lei da economia.”. 

O estado jamais irá resolver o problema de escassez como propõem os políticos, mas pode gerar ainda mais problemas. A solução não é criar mais leis e mais regulações, mas sim eliminar todas as intervenções estatais, começando pela Anatel.

Vaquinha O ILISP comprou o domínio "aborto.com.br" e lançará uma campanha pró-vida, mas isso exige recursos. Os interessados em ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

89 COMENTÁRIOS

  1. Não interessa se foi o Marco Civil, se foi Anatel, se foi o Jean ou se foi o diabo que carregue: o que importa é que mais uma vez o povo vai ser lesado e ninguém fará nada para impedir. Aparecer aqui com discursos bonitos, técnicos e cheios de enrolos não vai esconder o fato de que em nosso país vale tudo para aumentar os lucros dos grandes e ferrar com os pobres!

    • José Carlos Costa, nao é só no Brasil… Nos demais paises as grandes operadoras de banda larga fixa ja estao cortando a conexao de internet de quem consome alem da cota estabelecida por eles… Nos EUA, por exemplo, as duas maiores operadoras, Comcast e AT&T ja praticam a franquia.

  2. Camilo Caetano, a UNESP lhe faltou com ensino hein! Sua informação sobre neutralidade da rede é completamente errada, você está espalhando mentiras! Neutralidade da rede, ou comumente conhecida como net neutrality, é o princípio que faz com que provedores de internet e governos tratem todos os dados da internet de maneira igualitária, sem discriminar ou diferenciar usuários e conteúdo. Justamente essa parte da neutralidade da rede que proíbe a redução da largura de banda e o traffic shaping. Procure estudar mais antes de afirmar mentiras.

  3. Você falar que a culpa da Limitação da Banda Larga é o Marco Civil da Internet e ainda justificar que é uma lei de esquerda, fique bem claro que o PT e o PSDB apoiaram desde o começo quando o projeto de lei tramitava no Congresso Nacional e o maior opositor da legislação era o PMDB e o Sr Eduardo Cunha que será Vice Presidente, e ainda é o maior partido do Congresso e que mais recebe do Setor das Telecomunicações. Ah! Também se você for analisar todas as defesas dos órgãos que estão indo contra a limitação da banda larga estão utilizando o Marco Civil da Internet como referência da impossibilidade de tal ato. Será que anunciar essa limitação da banda no atual momento político é um oportunismo das Operadoras de Telecomunicações que oferecem um serviço de alto preço com baixo nível de serviço?

  4. Excelente texto. Só falhou no penúltimo parágrafo, onde se afirma que foi erro dos deputados citados. Não foi erro não. O Marco Civil da Internet foi algo planejado cuidadosamente para não apenas limitar o acesso da população à internet, mas também para controla-lo mesmo. Informação livre e disponível para a população é algo inconcebível para o governo, ainda mais um governo socialista.

  5. Gostei do Debate!! Algumas simples perguntas. Tenho Plano 15 Megas ja meio antigo oque vai acontecer com o meu plano? Entendo que estabelecer franquia mensal para internet fixa seja para indiretamente aumentar o preço, então porque vejo essa guerra de preços continua? uma Vivo fibra 100 megas custando menos de 100 reais. Com relação aos oligopólios, a Vivo Telefônica em 2011 tomou do BNDES a quantia de 3 bilhões de reais, não investiu um centavo, apenas usou esse dinheiro para a espanhola Telefônica comprar os 27,5% restantes de ações que estavam ainda em mãos nacionais. Outra curiosidade a Telefônica acaba de concretizar a compra da brasileira Global Village Telecom pela quantia “miserável”de 22 bilhões de reais, esse negocio não é lucrativo do jeito que esta????? Se não porque comprou? Sabia antes??? por qual motivo? La fora Internet com franquia e internet miserável, barata e apenas temporária!!! No Brasil esse mercado pode conviver, como já o é na móvel.

  6. Antes é preciso destruir um mito: a Internet nunca foi ILIMITADA. Ela sempre foi limitada pela velocidade de dados que você recebe em 1 segundo. Exemplo:

    Velocidade: 1Mbps = 1048576 bits por segundo
    Velocidade: 10Mbps = 10485760 bits por segundo

    Isso já limita a quantidade de informação que cada usuário recebe.

    “A proposta da neutralidade de rede é fazer com que as operadoras forneçam de forma igualitária a mesma banda de internet, com a mesma velocidade, para todos os aplicativos e sites. Isso significa que um site muito acessado como o Youtube deve ter exatamente a mesma banda que um site pouco acessado, mesmo que não seja a prioridade do cliente dessas operadoras.”
    Isso já está refutado no exemplo de velocidades.

    CAPÍTULO II
    DOS DIREITOS E GARANTIAS DOS USUÁRIOS
    IV – não suspensão da conexão à internet, salvo por débito diretamente decorrente de sua utilização;
    V – manutenção da qualidade contratada da conexão à internet;

    Corte, só por falta de pagamento e não por terem excedido o limite de dados.
    Devem manter a qualidade e não multiplicar a conexão.

    Por que as operadoras não podem limitar o pacote de dados? (Sim, eles já fazem isso disfarçadamente através da velocidade, mas vamos fingir que não acontece.)

    “CAPÍTULO III
    DA PROVISÃO DE CONEXÃO E DE APLICAÇÕES DE INTERNET
    Seção I
    Da Neutralidade de Rede
    Art. 9o O responsável pela transmissão, comutação ou roteamento tem o dever de tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de dados, sem distinção por conteúdo, origem e destino, serviço, terminal ou aplicação.”
    (…)
    § 3o Na provisão de conexão à internet, onerosa ou gratuita, bem como na transmissão, comutação ou roteamento, é vedado bloquear, monitorar, filtrar ou analisar o conteúdo dos pacotes de dados, respeitado o disposto neste artigo.

    Resumo: Eles não podem fazer o traffic shapping: fornecer menor velocidade a quem acessa certo tipo de conteúdo, consequentemente limitando os dados recebidos pelo usuário. O MCI não diz que devem fornecer a mesma velocidade pra todos os sites. Até porque, os servidores, ondes estes sites estão hospedados, suportam até certo números de acessos ao mesmo tempo. Isso impacta na velocidade de comunicação do site com seu computador e se ultrapassar, o site cai. Se eu acesso 10 sites, a minha velocidade de conexão é dividida entre os 10 sites. Uns vão usar mais, outros vão usar menos. O MCI diz que a operadora tem que fornecer uma velocidade e não multiplicá-la pelo número de sites que eu abrir.

    O exemplo que o Mimimises dão do congestionamento de dados em horários de pico é real. Muita gente usando a rede, as velocidades tendem a diminuir. Isso só acontece porque as operadoras não investem em infraestrutura e não visam melhorar o serviço pro usuário. Isso também está no MCI, que a deterioração pode ocorrer. Muitos acessos podem degradar a velocidade.

    Então o que os capitalistas tupiniquins, que vivem de vender um serviço, fazem? Vamos cortar a internet e perder clientes! Que ideia jeniau!

    Dizer que a conexão é como energia elétrica é uma falsa simetria. A energia elétrica é produzida em usinas e transportada até nossas casas. As operadoras não produzem nada (dados). Apenas alugam sua infraestrutura e tecnologia pra que acessemos quem realmente produz conteúdo (dados). E querem ganhar, além do que já ganham com o aluguel, ainda mais em cima do trabalho dos outros.

    Se vão vender pacotes de dados+velocidade. Então o pacote tem que ser compatível com o que a velocidade te proporciona ou então a conta não vai fechar.

    10Mbps
    = 10485760 bits por segundo
    = 1,25 MB por segundo
    = 75MB por minuto
    = 4,39GB por hora
    = 105,36GB por dia
    = 3,09TB por mês.
    E te oferecem míseros GBs por mês, que não chegam nem a 3% do total que a velocidade de proporciona.

    Outra falsa informação é de que a medida vai beneficiar quem paga menos ou os mais pobres. Mentira! Com os míseros pacotes de dados fornecidos por eles, vão acabar elitizando a internet. Quem tem mais dinheiro, vai poder pagar pra ter acesso e quem não tem pra comprar mais dados, vai ficar a míngua.

    O site do Mimimises adora distorcer as coisas, fazer malabarismo só pra culpar a esquerda por tudo. Aguardo o dia que culparão o socialismo pela extinção dos dinossauros.

    • Você claramente não sabe qual a diferença entre ter um limite de Franquia (o quanto você poderá usar) e um limite de Banda (a sua velocidade).

  7. A intenção do texto foi muito boa, mas ele precisaria ser melhor escrito. Com mais informações econômicas e técnicas.

    Usar o exemplo do tabelamento de preços do Sarney e seus resultados maravilhosos de falta de produtos no supermercado. E explicar porque cada plano possui um preço diferente não é por acaso.

  8. Internet Ilimitada é uma falácia.

    Não existe nenhuma operadora que hoje forneça internet Ilimitada. Todas fornecem internet LIMITADA.

    As operadoras querem te enganar.

    Por quê não existe Internet Ilimitada? Simplesmente pela limitação física imposta pela largura de banda.

    Vamos fazer um pequeno exercício para uma internet de 10Mbps 10 Megabits Por Segundo. Que na prática é apenas cerca de 1 Megabyte por segundo. Mas, vamos ficar no megabit.

    Vamos medir o consumo máximo teórico por mês de um usuário.

    30 dias = 30 dias * 24 horas * 60 minutos * 60 segundos = 2592000 segundos (dois milhões e quinhentos e noventa e dois mil segundos).

    Portanto, vamos agora multiplicar estes segundos pela quantidade trafegável possivel de bits por segundos.

    10 Megabits significam aproximadamente 10000000 bits por segundo. Vai depender da operadora, mas, vamos usar um número redondo pra facilitar nosso cálculo.

    Logo temos como resultado:
    2592000 segundos x 10000000 bits = 25920000000000 bits por mês.

    Simplificando:
    Um plano de 10 Megas tem uma franquia de tráfego calculada de 25920000000000 bits por mês ou :
    25312500000 Kilobits por Mês
    ou
    24719238,28 Megabits por Mês
    ou
    24139,88 Gigabits por Mês
    ou
    23,57 Terabits por Mês
    ou
    3 Terabytes por Mês aproximadamente..

    Portanto chegamos ao valor da franquia ‘ilimitada’ que podemos consumir em um mês na condição de um download contínuo de 1 arquivo de 3 Terabytes 24 horas por dia, 7 dias por semana na velocidade máxima contratada de 10 Mbits/segundo.

    Compartilhe esta informação, talvez isso chegue ao presidente da Anatel…

  9. Um raro artigo na internet que tem mais informação correta nos comentários do que no próprio texto original.

    😐

  10. Tá errado. Espalhar desinformação deveria ser CRIME. O Marco Civil, de maneira bem explícita, PROÍBE o que as operadoras estão tentando fazer:

    “Art. 7o O acesso à internet é essencial ao exercício da cidadania, e ao usuário são assegurados os seguintes direitos:
    IV – não suspensão da conexão à internet, salvo por débito diretamente decorrente de sua utilização;
    V – manutenção da qualidade contratada da conexão à internet”

    Ou seja, as operadoras SÓ PODEM CORTAR SUA INTERNET MEDIANTE FALTA DE PAGAMENTO, e o inciso seguinte ainda OBRIGA AS OPERADORAS A MANUTENÇÃO DA QUALIDADE CONTRATADA. Elas não podem cortar nem diminuir seu plano por “usar demais”, sob risco de enfrentar processo.
    Não é a toa que a Vivo está falando que “promocionalmente por tempo indeterminado” os usuários de depois de abril terão franquia ilimitada – entendo que estão ou tentando derrubar isso ou tentando achar algo pra burlar. Já sabem que em processo é causa ganha para o consumidor…lei é lei. Não importa o que colocam no contrato, ele NUNCA pode se sobrepor a lei.

    Não deturpe a verdade, ela está bem explícita no Marco Civil. Não elabore teses mirabolantes pra culpá-lo. Não espalhe desinformação. Na boa, ou você quer aparecer ou está sendo pago, porque não é possível. O artigo citado acima e os incisos são MUITO BEM CLAROS.
    Cancelar o Marco Civil é o que o Governo quer, pois aí as operadoras podem deitar e rolar em um mundo “sem regras”. Já enfrentamos um monopólio bancado pela Anatel, imagina se não houvessem leis…

    • 1. Você está na página errada. A página dos defensores de censura de informações não é essa.
      2. O próprio trecho que você menciona mostra que o Marco Civil PERMITE o que as operadoras querem fazer. Novos contratos com franquia + o inciso IV que você mencionou = adivinhe.
      3. Releia o artigo. E de novo.
      4. O setor de telecomunicações é um dos MAIS regulados pelo governo. O que as operadoras MENOS querem é facilidade de entrada de novos concorrentes com menos regras e mais liberdade. Ou você vê um monopólio de aplicativos para celular porque não há leis regulando como eles devem ser feitos e quem pode fazê-los?

      • Marcelo parece que você desconhece o conceito de neutralidade da rede e erroneamente assume que ela trata de censura.

        Sobre reler o artigo, eu te convido a ler os comentários. As informações colocadas aqui são mais corretas (em termos técnicos, pelo menos) que o artigo em si.

        E mais, acho que está acontecendo uma distorção dos fatos para tentarem reforçar coisas de livre mercado e coisas desse naipe.

          • Qual? o que o autor faz uma falsa simetria escancarada comparando termos de contexto de computação com termos de cunho sócio-político? Bom, acho que tem muitos comentários aqui que são muito mais embasados que esse texto aí do rapaz.

            Acho que qualquer um com o mínimo de senso crítico consegue ver que esse texto aí é só um artigo que usa de uma lei aprovada por políticos de esquerda para tentar disseminar as ideologias do autor (e no processo rebaixa os primeiros pela sua ideologia). Nada contra falar sobre suas ideologias , mas o problema é que o autor neste artigo distorce os fatos para fazer isso. Um exemplo claro disso é o tal segundo parágrafo.

          • Wagner, o autor falou que neutralidade de rede é:

            “Um dos princípios do Marco Civil é a neutralidade de rede, que seria, traduzindo para o português claro, o socialismo na Internet. A proposta da neutralidade de rede é fazer com que as operadoras forneçam de forma igualitária a mesma banda de internet, com a mesma velocidade, para todos os aplicativos e sites. Isso significa que um site muito acessado como o Youtube deve ter exatamente a mesma banda que um site pouco acessado, mesmo que não seja a prioridade do cliente dessas operadoras.
            A neutralidade de rede destruiu a forma criativa e dinâmica das operadoras e sites (ou aplicativos), que por meio da oferta e demanda dos serviços gerenciavam de forma eficiente os recursos escassos: a banda da internet. Por exemplo: as operadoras, ao perceberem que existia uma demanda para “streaming” de vídeo no Youtube, podiam aumentar a banda para esse serviço e diminuir a banda do Google. O buscador, ao perceber que a operadora reduziu sua banda, passava a fornecer um serviço mais leve, que consumia menos banda, para não prejudicar o acesso dos seus usuários. Dessa forma, de maneira “anárquica”, a Internet gerenciava os recursos escassos sem prejudicar os usuários, isto é, sem cortar o acesso à Internet.”

            Se ele está errado, EXPLIQUE DE FORMA RESUMIDA o que é a tal “neutralidade de rede”.

    • Rafael, isso tudo que voce falou é apenas uma interpretacao do Marco Civil, e MUITO da discutivel… É apenas uma opiniao. Se voce comprar, por exemplo, “100 GB de consumo de dados”, esses 100 GB forem consumidos, e a operadora cortar sua internet, ela cortou POR FALTA DE COMPRA/PAGAMENTO DE NOVOS CREDITOS.
      .
      E se voce acha que eu estou errado, entao explique-nos como é que nos planos de internet movel funciona exatamente assim. A operadora corta sua internet se voce consumir alem da franquia, e se voce nao pagar mais, nao tem internet. E nem por isso o Marco Civil está sendo violado.
      .
      Por que com a internet fixa teria que ser diferente?

  11. O PT APARELHOU A ANATEL e seus corruptos venderam a cobrança de excesso de dados às operadoras. Se a cobrança por BANDA já era uma fraude (as teles entregavam apenas 10% da velocidade contratada), imaginem o estelionato que será com a cobrança por DADOS. Adeus Youtube, adeus Netflix, adeus Podcast, música, Adeus banda larga.

    A CORRUPÇÃO É IRMÃ DA INCOMPETÊNCIA na ORCRIM dos Petralhas.

    Na verdade o desastre começou lá atrás no primeiro governo Lula, quando o PT passou a conspirar para restaurar o MONOPÓLIO das Telecomunicações no Brasil, agora absorvendo também a INTERNET.

    O start se deu quando Lula mudou as leis para que a Telemar criasse a Oi, contaminando assim a telefonia móvel até então sob livre mercado.

    Depois autorizou a empresa filha Oi absorver a genitora Telemar e em seguida a comprar a Brasil Telecom. Em troca, só um de seus filho levou 6 milhões da Oi. Finalmente, em outro negócio obscuro que resultou na prisão do ex-primeiro ministro português, Lula costurou a compra de ações da Oi pela PT Telecom, se regalando com milhões de euros em propina.

    Com o aval do PT e seu aparelho CADE, as empresas móveis vêem comprando as fixas uma a uma e incorporando as regras monopolistas dos contratos sociais das fixas. Desfiguraram toda as regulamentações do MC e da ANATEL que fomentavam a livre concorrência e o poder do consumidor para regular de fato o setor.

    Agora, restam apenas 4 operadoras grandes controlando todo telefonia fixa, móvel e banda larga. Eis que surge o golpe do LIMITE DE DADOS com a instalação de taxímetro para sobretaxar os downloads dos usuários com a conivência da ANATEL.

    É preciso uma investigação séria para saber quem são os corruptos petralhas, quanto levaram e que leis criaram para restaurar o famigerado MONOPÓLIO DAS TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL.

    O que sei é que a internet no Brasil lulopetista caminha para o monopólio total como queria a Embratel antes da privatização do mercado em 1993. Na época o telefone só existia no câmbio negro e custava cerca de 15 mil reais em valores de hoje.

  12. Entendimento equivocado…é totalmente ao contrário. Segue; rt. 9
    “O responsável pela transmissão, comutação ou roteamento tem o dever de
    tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de dados, sem distinção por conteúdo, origem e
    destino, serviço, terminal ou aplicativo, sendo vedada qualquer discriminação ou degradação do
    tráfego que não decorra de requisitos técnicos necessários à prestação adequada dos serviços,
    conforme regulamentação”… resumindo: esse conceito, traduzido para o entendimento simples significa que, por exemplo a Vivo não pode bloquear meu acesso de internet por que vou receber um “pacote de dados” do youtube, por ser ele um concorrente por exemplo (que é justamente o que as teles querem em relação a Netflix ou o Youtube, diminuir sua audiência) Sem distinção de conteúdo ou origem (no mesmo exemplo, a vivo não poderia bloquear meu acesso ao Redtube por exemplo, esse ser um site de putaria) ainda que a origem fosse de um país inimigo. E a questão do que é vedado, o texto gera interpretação, mas se reparar, essa degradação é acompanhada dentro do sentido de quem é o provedor (o responsável pela TRANSMISSÃO) ou seja, se eu estou baixando jogos, baixando via torrent, eu não estou transmitindo, e sim RECEBENDO rs ou seja, considerando por exemplo o uso de torrent, p/ quem deixa o pc socializando seus arquivos com o mundo, esse cara legal na verdade pode ser até enquadrado nisso, porem aquele cara chato que baixa e bloqueia o upload (já que não está transmitindo a partir daí) passa a estar dentro da lei ! Alem disso, o consumidor de Netflix e youtube tambem recebe dados, ele não transmite, exceto no momento que faz upload para o site no caso de quem é youtuber por exemplo.

  13. Esse texto está furado.
    Traffic shaping continua não sendo bom e inclusive passa longe de ser uma solução.
    O lucro de uma empresa não deve ir apenas para o bolso dos acionistas, deve ser usado em investimentos também!
    É isso ai que o pessoal se esquece.

    Onde está a concorrência? não existe! Ninguém deixa ter…
    Nessa parte eu concordo plenamente.

    Só para ilustrar:
    Em 20 anos que eu moro aqui a Telefonica/Speedy/Vivo nunca fez uma melhoria na infraestrutura que me atende, o máximo que fizeram foram reparos.
    Eu só consegui uma internet melhor porque a CONCORRÊNCIA (finada GVT) decidiu cabear a rua e oferecer um serviço 10x melhor.

    • Ninguém disse que Traffic Shaping é bom. Apenas foi dito que a tentativa de barrar isso, criou um problema ainda maior. Não se resolve um problema de escassez com caneta e papel. É claro que para manter velocidade alta para todos, iria ter algum efeito colateral.

  14. , 5 anos para um antena??? Não creio. A do sítio do Lula foi instalada em 3 meses. Fora outras bobagens desse texto. Essas pessoas q se formam e vão para escritório sabem muito

  15. Muito bom o texto !
    O Marco Civil fez e vai continuar fazendo estragos na internet brasileira .
    Tem gente que não quer ver o estrago que s

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here