Rede Globo: a mídia de esquerda que agora legisla por mais estado nos preços das festas

De todos os espantalhos da esquerda que ouvimos, o pior, de longe, é que a Rede Globo pertence à “direita conservadora”. A maior parte do elenco da emissora é declaradamente eleitora do PSOL / PT, defende o desarmamento, posiciona-se a favor da CLT enquanto possui pessoa jurídica para fugir da legislação trabalhista e boa parte da programação da emissora defende e propaga abertamente ideias de esquerda.

As novelas são bons exemplos de como essa propaganda acontece, mesmo que de forma sutil. Uma cena da novela “Amor à Vida” chegou inclusive a divulgar em horário nobre um livro sobre Che Guevara, um dos piores assassinos e psicopatas do Século XX. Nos dias atuais, a série “Os Dias Eram Assim” tem como plano de fundo o excessivamente explorado período da ditadura militar, onde os terroristas da esquerda são representados como mocinhos inocentes que lutavam por “democracia” e não igualmente por uma ditadura, mas de viés socialista/comunista.

A atual novela das 21 horas, “A Força do Querer”, tem como uma das protagonistas a personagem Ivana, que está se descobrindo transgênero, uma das atuais pautas da militância de esquerda. Algumas semanas antes da estreia da referida novela, o Fantástico apresentou uma série chamada “Quem Sou Eu?” que debatia a temática da “identidade de gênero”, inclusive trazendo “crianças trans”. Era uma visível tentativa da emissora de tentar introduzir o tema que seria abordado da novela na cabeça dos telespectadores da mesma faixa de horário.

O “Fantástico”, aliás, merece uma análise mais detida. É nítido que o programa, mais editorialmente livre do que o jornalismo tradicional, é utilizado pela emissora para pautar o debate no Congresso, no governo ou na sociedade, geralmente com uma pauta de maior intervenção estatal. O exemplo mais recente foi a matéria tendenciosa que o programa levou ao ar no domingo retrasado (25 de junho) sobre a diferença que homens e mulheres pagam para entrar em casas de shows e festas.

Com muito mais tempo destinado à defender a pauta de intromissão estatal na definição dos preços, mulheres falando da farsa da “diferença de salário” propagada pelo movimento feminista e tratando a livre definição de preços como “abuso” a “ser combatido”, a matéria é um show de desinformação. O mais hilário foi que as frequentadoras desses locais foram entrevistadas e, para sair bem no vídeo, concordavam com a argumentação do repórter que tentava induzi-las a concordar com a pauta. Será que elas realmente aceitariam pagar mais caro para entrar na festa caso o aumento fosse automático, na mesma hora em que foram entrevistadas?

Cabe fazer uma menção à decisão da juíza substituta Caroline Santos Lima, que deu origem à matéria, alegando que era a “prática ilegal e abusiva” baseada em um tom cercado de militância, incluindo “argumentos” como “a mulher não pode ser usada como isca” e respeito à “dignidade das mulheres”. Eu sou mulher e garanto que essa prática não fere minha dignidade porque acredito que as mulheres são livres para frequentar lugares que oferecem a vantagem de economia na hora da entrada. Se essas mulheres frequentam esses lugares, obviamente, discordam da opinião da juíza ou simplesmente não se importam com isso. O caso ainda foi encaminhando para o Ministério Público, numa lógica surreal o suficiente para transformar o estado em porteiro e caixa de boate.

A questão, entretanto, não parou por aí. No programa do último domingo (2 de julho), o Fantástico transmitiu nova matéria que mostrou que a Rede Globo atuou para legislar sobre o assunto. De acordo com uma declaração feita pelo Secretário Nacional de Defesa do Consumidor – Arthur Rollo, ex-advogado da campanha de Celso Russomanno (PRB) – haverá uma nota técnica (que sequer está disponível no site do Ministério da Justiça, ou seja, a Rede Globo teve acesso à decisão antes do público) proibindo que os donos de boates, bares e restaurantes cobrem preços diferentes para homens e mulheres, alegando que isso viola “o princípio da dignidade da pessoa humana”. Detalhe: a medida foi baseada na reportagem da Rede Globo. Ou seja: ser mulher e pagar menos é “ser objetificada” e “ter sua dignidade humana ferida”. A Rede Globo, em uma semana, conseguiu inventar uma “luta de classes” imaginária entre homens e mulheres e, na prática, legislar contra o que a sua linha editorial considera abusivo.

Em um país onde delação premiada só vale quando é feita contra o político do partido adversário, bandido milionário foge para os Estado Unidos com a benção da justiça, senador corrupto volta ao cargo como se nada tivesse acontecido e o líder da quadrilha política continua solto e provavelmente será candidato à Presidência da República, ter uma emissora que dissemina as ideias de esquerda sendo chamada de “direita” e se transformando em órgão legislador paralelo nem surpreende mais. Mas nem por isso deve deixar de ser repudiado.

26 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here