Cansados de esperar pelo estado, agricultores constroem 33 kms de estrada privada

Cansados de esperar pelo estado, sojicultores da região médio-norte de Mato Grosso resolveram construir uma estrada privada para escoar suas safras. A transformação em estrada asfaltada de 33 quilômetros da rodovia estadual MT-388 que separa os municípios de Campos de Júlio e Nova Lacerda custou R$ 25 milhões e foi uma iniciativa da Associação dos Produtores da 388.

A situação inicial da rodovia era precária. Durante o período das chuvas, caminhões e carretas costumavam ficar parados em alguns dos principais trechos da MT-388 em função dos atoleiros. Acidentes sempre foram uma constante, assim como os elevados prejuízos contabilizados por caminhoneiros e outros usuários da antiga estrada.

Tendo os primeiros 33 quilômetros construídos com 100% da verba vinda dos produtores, as cobranças recaem sobre o governo do estado, que havia prometido asfaltar os 33 quilômetros restantes da estrada, mas pediu um novo estudo sobre este trecho, que já foi feito, novamente por iniciativa dos produtores rurais privados, e custou R$ 450 mil.

Segundo um dos agricultores de Campos de Julio (MT), Tiago Comiram, que participa dos pagamentos e de todo o processo, sem a estrada pronta a ampliação da atual safra do município de 700 mil toneladas fica comprometida. “Essa rodovia pronta reduzirá os custos com transporte para nós”, garante ele.

16 COMENTÁRIOS

  1. Provavelmente serão processados pelo Estado, por construção irregular. Li que outro dia, moradores cansados de esperar uma prefeitura calçar a rua, fizeram por conta própria, e foram processados por obra irregular em área pública. E o pai da minha vizinha, cansado de esperar pela prefeitura de Porto Alegre, mandou consertar a entrada do prédio dele, após o DMAE cavar para trocar canos e nunca voltar para terminar, e levou uma multa mais a ordem para desfazer o conserto. Isto é Brasil!

  2. Salienta-se que os mesmos fazendeiros , e agricultores controlam a politica local , pessoalmente ou pelos seus parentes , entao a reflexao deve ser no sentido de que nao o fizeram antes , visto que o publico e o privado misturam seus interesses

  3. não existe nenhuma prerrogativa jurídica para pedirem ressarcimento de impostos?! uma vez que o estado não cumpriu com as suas obrigações mas cobrou por elas…

    • Em SC era possível reverter esse tipo de gasto em crédito de ICMS: o custo da obra era descontado do ICMS devido pela empresa (que pagava apenas a diferença). Poucos sabiam, poucos fizeram uso.

      E pelo que me contaram (funcionário de empresa que fez uso desse mecanismo) alguns ilustres deputados deram um jeito de bloquear esse dispositivo legal (estou atrás de confirmação a respeito).

  4. Se foi construída pelos produtores nada mais justo passar s adm da rodovia para eles e poderem cobrar pedágio para servir de caixa para com isto irem prolongando o asfalto sem precisarem do estado que para tudo é incapaz e com um custo altíssimo , com certeza o custo e a qualidade ficou superior do que fosse pelo estado , parabéns aos envolvidos

  5. Detalhe a 760.000 reais o kilometro…. uma obra dessa aí pública… seria o triplo do valor… e o material… de quinta categoria… o povo mostrando ao estado q não eh bobo… parabéns…

    • 760.000 R$/km, é mais ou menos o custo por km das ciclovias do Haddad, que não passavam geralmente de uma mera camada de tinta vermelha sobre a pista.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here