Doria desafia monopólio da Taurus e obtém doação de 800 pistolas Glock para guarda civil

Em nova doação feita pela iniciativa privada à Prefeitura de São Paulo com intermediação do prefeito, João Doria (PSDB), a austríaca Glock confirmou que irá disponibilizar 800 pistolas .380, uma das melhores do mercado, para equipar a Guarda Civil Metropolitana (GCM).

A ação foi confirmada após uma reunião de Doria com o presidente da Glock Brasil, Franco Giaffone, o Diretor de Vendas Internacionais da empresa, Richard Flur, o Diretor de Vendas para a América Latina e o Caribe, Patrick Voller, além dos secretários José Roberto Oliveira (Segurança Urbana) e Julio Serson (Relações Internacionais).

A decisão desafia o monopólio da brasileira Taurus, a maior fabricante de armas da América Latina, que tem boa parte do seu faturamento atrelado ao monopólio de fornecimento de armas para as diversas instâncias do governo brasileiro. Enquanto as armas Taurus já sofreram diversas denúncias de disparos acidentais, as pistolas Glock são consideradas umas das melhores do mundo, sendo usadas pelas forças especiais de centenas de países, incluindo o exército americano.

A doação obteve apenas notas de rodapé na imprensa e não foi mencionada em vídeo na página oficial de João Doria no Facebook, como normalmente ocorre, mas foi confirmada pelo vereador Conte Lopes (PP) em discurso na Câmara dos Vereadores e incluída na listagem de doações recebidas pela Prefeitura de São Paulo.

Listagem divulgada por Doria em sua página no Facebook mostra doação da Glock para Guarda Civil Metropolitana
Vaquinha O ILISP tem atuado contra a legalização do aborto e em defesa do direito à vida no STF. Para custear a causa, lançamos uma vaquinha. Os interessados em nos ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

28 COMENTÁRIOS

  1. Acredito que se estão melhorando o armamento da GCM isso é MUITO bom. Muito bom. Precisam intensificar o patrulhamento no final da tarde (pessoas saindo do servico) e a noite, madrugada.

    Mas a troco de que essa empresa doou 800 Glocks (R$ 5000,00 cada uma fora documentacao) ????
    São bonzinhos? Deve-se atentar também para isso. Essas doações mirabolantes de empresas privadas para o setor publico.

    • Doria fez bem, mas poderia ter favorecido a indústria nacional o que teria gerado empregos e PIB no Brasil que é o que a Economia pátria precisa.

      A Taurus tem o monopólio do mercado de armas leves, e a IMBEL detem o monopólio de armas pesadas. A quebra de monopólio da Taurus envolve uma questão segurança nacional: Para o Exercíto, Marinha e Aeronáutica é estratégico ter uma indústria nacional de aço e uma indústria nacional de armas e cartuchos pois essa questão está diretamente ligada à soberania nacional.

      É estratégico também que a nação fomente o crescimento da nossa indústria belica protegendo-a e cuidando do seu crescimento num primeiro momento para num segundo momento abrir o mercado para a competição nacional e internacional.

  2. Só queria entender pra que uma guarda civil precisa deste tipo de arma, dificilmente vão poder usá-las mesmo em situações críticas, pois apenas apóiam a polícia. Armas não letais seriam mais apropriadas para a função que exercem.

    • Pronto, chegou outro esquerdopata entendidinho, adepto das “armas não letais”.

      Esquerdopata João Ruela, combate ao crime não tem esse papo de “armas não letais”. Bandido não anda de Taser, bandido anda de .380 e de 9mm.

  3. Agora só ensinar os caras a atirarem .. Jesus! Bom.. mas Dória deu a “vara” de pescar pros homi..saber pescar é outra coisa!

  4. È foda quando o cara não faz, é porque é incapaz, quando consegue uma doação é porque tem sacanagem.Haja saco!!!!

  5. Doação de empresas, são abatidas no imposto de renda, esses valores de doação cabem muito bem nos faturamentos das empresas que são bilionários. E é obvio em uma futura licitação para compras de materias, a prefeitura ja tem conhecimento de qual fornecedor atende melhor suas necessidades. Fora o marketing que essas doações trazem as empresas. Não e necessário nada ilícito para essas empresas receberem retorno de suas doações.

    • Assim disse um idiota que sabe nada de doação. Doações só podem ser abatidas de imposto de renda quando são feitas para instituições cadastradas. Prefeituras não são instituições cadastradas, portanto não servem de abatimento para imposto de renda. Pelo contrário, doações a instituições não cadastradas geram impostos de doação.

      O que a Glock ganha então? O que o Dória já cansou de dizer: uma cidade melhor. Quero ver qual empresa se recusaria a contribuir para uma cidade melhor.

  6. A contrapartida é a propaganda de graça. Assim como houve com a Amazon, quem ajudou a prefeitura saiu ganhando pois tiveram muitas e muitas notas nas redes sociais, jornais e etc… A propaganda boca a boca é muito mais eficaz.

  7. Eu admiro esse prefeito, mas, gostaria de saber em troca de que seria esta doação? Pois, 2,8 milhões de doação tem que ter algo em troca, empresas vivem de lucro, algum benefício comercial eles vão querer, qual?

    • Se estamos falando e conhecendo mais sobre a empresa e seus predicados, com certeza ela já está tendo retorno 🙂

    • Isso é valor de mercado,, para a empresa é apenas materia prima e serviço para o produto final em questão , mas a importância é o marqueting , uma doação dessa reflete em jornais ao redor do mundo todo!!!

    • Lógico que vai! Mas eu acredito que de uma forma diferente do que costumamos a ver. Essa doação abre o mercado e cria a possibilidade de inúmeros negócios. Só a o que a Policia Militar pode fazer de negócios com eles, já supera a doação.

    • Doações transparentes para a administração e não para o indivíduo. Doações que todos estão vendo. Não foi uma Antena da Oi num sítio, nem uma reforma num AP ou num sítio feitos as escondidas pra ninguém saber que era a OAS ou a Odebretch.

  8. Eita ?
    Guarda civil metropolitana com armamento melhor que a PM ?
    E o Alckmin ainda quer sair candidato a presidência……. kkk que piada !

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here