Doria persegue vendedores e tratora produtos em nome da “legalidade”

A taxa de desemprego na Região Metropolitana de São Paulo foi estimada em 2,07 milhões de pessoas em junho. Mesmo assim, na principal cidade da região, a capital São Paulo, a gestão Doria resolveu perseguir vendedores em nome da “legalidade”.

Lançado na última sexta-feira (15), o “Movimento Legalidade” visa coibir o descaminho – ou seja, a importação de produtos sem pagar os impostos estatais – e favorecer grandes empresas que alegam perdas com a concorrência sem impostos. Para iniciar o processo, a prefeitura fechou o Shopping 25 de Março em parceria com a Receita Federal – aquela que nunca vê os milhões de reais movimentados por políticos corruptos – e destruiu produtos dos centenas de vendedores, gerando um prejuízo de R$ 300 milhões. O trator foi pilotado pelo próprio João Doria e a ação foi postada na página oficial do político no Facebook.

 

Cabe sempre lembrar a lição de Milton Friedman sobre o tema: a melhor forma de acabar com o descaminho (erroneamente chamado de “contrabando”, sendo que o último se refere a produtos ilegais) não é perseguindo vendedores e criando mais leis, mas reduzindo impostos a ponto da importação sem impostos não fazer sentido econômico. Algo que Doria e seus parceiros da Receita Federal estão longe de fazer.

Vaquinha O ILISP tem atuado contra a legalização do aborto e em defesa do direito à vida no STF. Para custear a causa, lançamos uma vaquinha. Os interessados em nos ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

9 COMENTÁRIOS

  1. João Doria pra mim já deu. Depois da história do desarmamento, buscar parcerias com o mundo islâmico, homenagear obras públicas com nomes de terroristas, e por último, iniciar caçada aos vendedores e ambulantes em nome da intervenção do Estado, caí na real.

    ps: para quem não sabe, a prefeitura Doriana e o governo Alckmin de São Paulo junto com a Rede Goebbels, estão patrocinando a Federação das Associações Muçulmanas do Brasil. Vide evento “eeuondefico”. Mais uma ação rumo a islamização do Brasil. ?

  2. Acho engraçado!
    No Brasil, prevalece o Princípio da Primazia… da malandragem!
    Uma pessoa investe seu dinheiro em um empresa; gasta fortunas com legalizações; recolhe milhares de reais em impostos; cria empregos, recolhe mais impostos; produz produtos, recolhe impostos por antecipação; tem dificuldades logísticas, para colocar os produtos no mercado, recolhendo impostos por isso; é uma cascata infindável de impostos….
    Daí vem o zémané, compra uns produtos no Brás, na 25 de Março, não recolhe um vintém de impostos e assim pode vender essas mercadorias (na maioria das vezes, de qualidade duvidosa… ou mesmo sem qualidade!)… concorre deslealmente com o cidadão legalizado, e quando chegam os fiscais, ainda se vitimiza, se faz de coitado, alega que precisa trabalhar, que não está roubando, blábláblá…..
    Existe um brocardo jurídico: a Lei, boa ou má, deve ser cumprida… a Lei boa deve ser mantida, e a má substituída por uma boa!
    As pessoas se escondem atrás dos poderosos, que cometem seus crimes, lá pelas bandas de Brasília, para cometerem seus “pequenos crimes” cotidianos… justamente por isso, que elegem apenas bandidos, corruptos!
    O país recisa mudar, e não deve esperar que só corra de cima para baixo… não… tem de ser de baixo para cima!
    Basta de impunidade, nos grandes mas também nos pequenos delitos!

      • Por pessoas que tem a sua mentalidade que o Brasil, que não é um país deste mundo vive no atraso. Por que em vez de destruir não busca fazer algo para as pessoas poderem sobreviver pagando os seus impostos para não irem direto para a corrupção. Isto vai reduzir o desemprego? Por que não diminuir a carga tributária dos empresários para eles empregarem mais pessoas. Mas, no dia que cada um que pode fazer comentários aqui estiver desempregado, podendo cair na malha deste tipo de emprego saiba como acontece. Infelizmente o brasileiro vive fechado no seu egoísmo que não consegue se colocar no lugar do outro.

    • Isso se chama capitalismo.
      A diferença entre os envolvidos ocorre basicamente em planos de escala micro e macro.
      Por exemplo,a diferença do camelô Zémané da 25 de Março com seus produtos xingling, das grandes multinacionais que vendem seus produtos para o mundo todo é que estes últimos são mais sofisticados, e estabelecem suas linha de produção em países de terceiro mundo onde pagam basicamente a tigela de arroz do seu “funcionário semi escravo”,o mínimo de impostos e de quebra conseguem um fabuloso sistema de logística intercontinental marítimo onde podem vender seus produtos em qualquer país pelo preço que quiser.
      Isso é só concorrência, um dos pilares da ” livre iniciativa”, parte do jogo do ganha ou perde

  3. Esse vídeo de Friedman é fantástico, mas acho q condenar o Dória nesse caso um certo exagero, afinal n foi ele q criou os impostos, tampouco tem poder p revogá-los.
    Claro q poderia fazer uma vista grossa, já q tal medida não acabará com a prática do descaminho. Esse comércio está ali há anos e provavelmente irá voltar em algum momento, nem q seja em outro local.
    Enfim, é um bom debate.

  4. Mas a mentalidade socialista é exatamente esta; aumentar impostos progressiva e continuamente. Isto nunca vai mudar!

    • Está precisando ler sobre socialismo. O que existe no Brasil é injustiça social e nada tem a ver com socialismo que é doutrina política e econômica que prega a coletivização dos meios de produção e de distribuição, mediante a supressão da propriedade privada e das classes sociais. Observe o que ocorre no Brasil e analise se é isto que acontece. Pode ser que no Brasil que não é um país deste mundo o socialismo seja o que está acontecendo. Mas, registro ainda que isto ocorre por que o brasileiro não tem a noção de ser cidadão e sim de ser escravizado e alienado.

    • Nossa…Doria agora virou socialista, estamos vivendo uma Histeria Coletiva, brilhante a nova mentalidade política do brasileiro, a regra é muito simples, polariza tudo.
      Fico me perguntando como esse acéfalos acham que era o Brasil antes de 2002….provavelmente uma era de ouro, onde não havia impostos, crises na saúde, na educação, nem corrupção

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here