Em novo assalto da Vigilância Sanitária, 50 kg de comida viram lixo por causa de etiquetas

Após a chef Roberta Sudbrack utilizar as redes sociais para criticar o assalto praticado pela Vigilância Sanitária contra o seu stand no Rock in Rio na sexta-feira (15), outro assalto praticado pelo mesmo órgão estatal foi divulgado neste sábado (16) nas redes sociais.

De acordo com Jayme Barreto Drummond, proprietário do buffet Laguiole, a Vigilância Sanitária jogou “cerca de 10kg de tempero comprados na tradicional Casa Pedro” no lixo porque não havia o CNPJ da Casa Pedro na validade e “outros 40 kg de sanduiche, recém preparados, foram direto para a lixeira porque estavam sem etiquetas manuais com prazo de validade”. De acordo com o empresário, os fiscais chegaram entre a finalização das bandejas e a colocação da etiqueta e foram intransigentes: “quilos de pães com recheio fresquinho” foram parar no lixo.

O buffet Laguiole, de acordo com o seu proprietário, tem uma “equipe com 20 anos de casa” e já trabalhou em “eventos olímpicos, na Rússia, no Canadá e na Rio 2016″, tendo sua qualidade reconhecida pelo COI a ponto de levar a empresa para “realizar os mesmos serviços durante os jogos olímpicos de inverno da Coréia do Sul”. Em outras palavras, a empresa passou “pelo crivo suíço e de muitos outros países”, mas não consegue “passar pelos fiscais da vigilância sanitária carioca”.

A situação de Jayme mostra mais uma vez os problemas criados pelo estado brasileiro e sua atuação autoritária contra os trabalhadores. Como relata o empresário, os fornecedores vivem “um constante pânico, pois nunca sabemos quais os reais critérios de inspeção serão adotados” durante as “incansáveis visitas” da Vigilância Sanitária. O resultado é um “vazio que dá no peito ao ver comida boa sendo descartada num mundo onde ainda existe tanta fome”, como relata Jayme.

Por fim, o empresário desabafa: “são essas e outras situações que desencorajam o empresário a investir nessa cidade. (…) É preciso parar de baixar a cabeça e exigir que nossas autoridades e órgãos competentes mudem de postura”. Entretanto, Jayme mantém a esperança de “continuar trabalhando e acreditando que um dia as coisas irão melhorar nesse país”.

10 kg de tempero da melhor qualidade foram parar no lixo. O motivo? Essa etiqueta não tinha o CNPJ das "Casas Pedro"
10 kg de tempero da melhor qualidade foram parar no lixo graças ao estado. O motivo? Essa etiqueta não tinha o CNPJ das “Casas Pedro”

52 COMENTÁRIOS

  1. Pelo que pude perceber: pelo ódio aos servidores/funcionários públicos, pela péssima imagem que a Vigilância Sanitária tem e pelo “excesso” de autoridade, estaríamos melhor sem esses “imprestáveis”! Afinal de contas o ser humano pode viver bem comendo algum tipo de comida até certo ponto “estragada”, que a procedência, data de validade, carimbos e etiquetas para identificação dos produtos são “conversa pra boi dormir” que um governo inapto, eleito pelo próprio povo, inventou! Eu espero que a Vigilância Sanitária seja extinta em todas as suas formas porque, todo funcionário público é parasita, imprestável e corrupto e todas as ações destes devem ser invalidadas! Se você acha este texto dramático, exagerado e e sem noção, leia os comentários se colocando no lugar de um fiscal de vigilância idôneo e correto com seus deveres e acredite: este tipo de funcionário existe, o problema está em julgarmos o todo sem enxergarmos todos os ângulos! Não sou fiscal de nada, não estive presente em nenhuma fiscalização, não posso atestar nada deste episódio em discussão, mas em um evento de nível nacional/mundial será que a Vigilância arriscaria cometer um ato grave de corrupção/autoritarismo? É uma pena que um dos poucos órgãos de governo com o qual o povo deveria contar está com uma imagem tão ruim e com praticamente nenhum apoio da população desta maneira… Se realmente foi um ato de má fé da vigilância tenho certeza de que os “pobres coitados” poderão entrar com processos, pois dinheiro para advogados eles terão, ficar de falácia pela internet é muito fácil!

    • É isso mesmo Cristina, O pior é ver que as pessoas julgam esses servidores, sem ao menos saber quem são. Esqueçem que são pais e mães. Eu não os conheço, mas os apio totalmente. A lei é para ser cumprida, doa a quem doer.

    • Cristina, coloque sobre outro prisma então. Será que em um evento de nível nacional/mundial o provedor da alimentação ia cometer um ato grave como servir comida estragada? Com a quantidade de processos que um filha da mãe desses ia levar nas costas, podia dar adeus à sua vida e de suas próximas gerações.
      Dá a impressão que vocês pensam que as pessoas só não saem por aí servindo comida com veneno pois está na lei que isso é proibido. NÃO, elas não fazem isso pois iriam se ferrar, e muito!

  2. A lei é para ser cumprida. Por isso que o país esta do jeito que esta. O povo é corrupto, corruptor, desrrespeita as leis como se elas não existissem e ainda aparece gente aqui para denegrir a imágem do servidor que estava cumprindo com o seu dever. Como pode uma pessoa dizer que não molharam a mão deles e por isso apreenderam o material. Tem que ter CNPJ, mas o cara não coloca e culpa o fiscalizador por fazer o trabalho dele. Mais uma vez Parabéns aos fiscais da vigilância sanitária.

  3. Todo o meu apoio aos fiscais municiais da Vigilância Sanitária do Rio de Janeiro.
    Nos meus três primeiros meses de faculdade , no Le Cordon Bleu, em Los Angeles, tive cinco horas diárias de Sanitation, sobre as leis e regras que regulam a industria da comida nos Estados Unidos. A coisa é séria, se apenas três pessoas acusarem um restaurante de ter tido dor de barriga, e for constatado que o restaurante não estava seguindo as regras de saúde públca ele é fechado. Se alguém for parar no hospital por causa da comida, você vai preso, se comercializar produtos sem a devida autorização do USDA, algo como a Vigilância da Sanitária no Brasil, vai pra cadeia. Rígido né? Mas é isso que faz esse país ser o que é. Um amigo meu me disse que o americano tem medo de tudo, principalente da leis. Mas é claro, por que ele sabe que as consequências são pesadas quando você não as cumpre. Já no Brasil… Bem, o que difere um Chef de um Cozinheiro é exatamente o fato de ele, além de saber cozinhar, ser conhecedor de tantas outras coisas a mais, inclusive das leis vigentes no país e não só as leis sanitárias, tem que conhecer até de leis trabalhistas para não ter prejuizos futuros.
    No Brasil, se for famoso, não se cumpre, e um monte de gente vai para as redes sociais meter o pau no servidor público, que cumpriu o seu papel. Incendeiam as redes com um monte de bobagens e começam a pedir menos governo e mais iniciativa privada. Teve até gente de esquerda fazendo isso. Pire ai pai. Eu concordo que tem que ter menos Governo mesmo. O Governo tem que regulamentar e fiscalizar. O que o governo não pode e nem deve fazer é produzir e comercializar. A Chef em questão, que é famosona e queridinha dos descolados, errou, mas errou feio. Segundo a Isto é “De acordo com o artigo 4º da lei 7.889, de 23 de novembro de 1989, apenas produtos oriundos de estabelecimentos registrados pelo Ministério da Agricultura estão habilitados ao comércio interestadual e internacional. No estabelecimento Sudbrack Gastronomia foram encontrados produtos de origem animal (linguiça e queijo) sem os devidos registros. Segundo o artigo 12 do decreto 6235 de 30 de outubro de 1986, todo alimento só deve ser exposto ao consumo se estiver devidamente registrado em órgãos competentes.” Pois é Chef, ao invéz de ficar incitando os seus amigos contra a Vigilância Sanitária a senhora deveria fazer uma carta de desculpas ao seu público que esperava comer os seus famosos e deliciosos pratos. Isso sim, assim se faz um país melhor.

  4. Acho que o real motivo deve ter sido a não realização da chamada PROPINA… não molhou a mão de ninguém deu nisso…

  5. Muito provavelmente queriam era propina para “liberar o que na verdade não estava irregular a ponto de descarte”. Típico dos agentes. Criam a dificuldade e vende a facilidade.

  6. Tem muita coisa acontecendo no Rio de Janeiro ultimamente… O estado tá na merda, precisando de socorro federal. Os governantes não conseguem resolver as merdas em que se enfiaram. A vigilância sanitária do Rio está em voga nas mídias por conta desses abusos. Fora a violência, que provavelmente já faz parte do cotidiano.

    Que que tá acontecendo por aí, pessoal?

  7. Abra um restaurante e empreenda Juliana, ai vc terá noção da realidade. Viver sendo uma parasita estatal é fácil.

  8. SOMOS TODOS ROBERTA SUDBRACK
    Na Alemanha dos anos 30, um socialista de bigodinho aprovou leis que permitiam assassinar judeus, homossexuais, negros e ciganos. Dizia que esses indivíduos representavam uma ameaça ao povo alemão. Após uma década e quase 100 milhões de mortos, muitos desses assassinos estavam no Tribunal de Nuremberg. A defesa alegava cumprimento de ordens em obediência às leis. De nada adiantou. Muitos foram condenados à morte e a maioria à prisão perpétua. Pode-se entender assim que nem toda lei é justa ou moral e quando é absurda pode e deve ser desobedecida.

    Nesta semana, durante o maior festival de rock do país, uma famosa chef e pequena empreendedora teve o seu estoque de alimentos inutilizado por fiscais da Vigilância Sanitária do Município do Rio de Janeiro. Um prejuízo irreparável. O motivo da infração seria a falta de licença para utilizar alimentos que não possuíam selo de aprovação no Estado do RJ. Os fiscais agiram em cumprimento de ordens em obediência às leis. Semelhança com a Alemanha Nazista?

    Os alimentos eram permitidos no estado vizinho de Minas Gerais mas a falta de um simples carimbo o tornava perigoso demais para os cariocas, um povo que todos os dias escapa da morte dos fuzis, dos arrastões e dos hospitais públicos infectos onde a vigilância sanitária nunca dá as caras.

    Se formos investigar a fundo as punições sanitárias neste país provavelmente vamos encontrar um número expressivo de abusos, exageros e ausência de bom senso da fiscalização para solucionar problemas que nem sempre afetam a segurança ou ameaçam a saúde dos consumidores. Por outro lado vamos observar uma completa e intrigante ausência de punições contra os supermercados fluminenses, verdadeiros criadouros de insetos e roedores, isto sem falar nas pastelarias chinesas onde até carne de cachorros doentes já foram detectadas.

    Interdições e apreensões de mercadorias são medidas extremas, só justificadas diante de riscos graves e comprovados à saúde pública. Destarte, a frequência rotineira e quase banal com que se observa tais punições, levando pequenos empresários ao desespero, denuncia uma desproporcionalidade e, porque não dizer, má fé do poder coercitivo do estado, que beira a insanidade e fere a Lei Geral da Microempresa que determina a fiscalização sanitária primordialmente ORIENTADORA.

    Algumas perguntas se fazem necessárias no caso da Chef Roberta:

    1- Os produtos estavam dentro da validade?
    2- Estavam conservados dentro dos parâmetros determinados de armazenamento?
    3- Apresentavam aspecto de deterioração ou outros indicativos de serem impróprios para consumo?
    4- As instalações ofereciam condições higiênicas satisfatórias para manipulação de alimentos?
    5- Os funcionários estavam devidamente paramentados e se encontravam saudáveis?
    6-Havia algum risco palpável e concreto de oferecer ameaça à saúde pública?

    As informações que me chegaram até agora apontam que não havia irregularidades com relação aos quesitos acima. A se confirmar isso estaremos diante de mais um caso de abuso de autoridade, e nem entro na questão moral de se inutilizar alimentos próprios para o consumo sabendo na circunvizinhança centenas ou milhares de pessoas se alimentam de comida podre encontrada no lixo.

    Não sou contra a fiscalização, nem que o estado deixe de exercer a sua obrigação mínima de regulação. Sou é contra os abusos, os exageros, a falta de bom senso e o uso da Lei para praticar atrocidades quebrando empresas e desestimulando o investimento e o empreendedorismo.

    NOTA ZERO para a vigilância sanitária municipal do rio de janeiro e também para os comentaristas que não têm idéia do que um empresário sério sofre diante de exigências insanas, desproporcionais, ilógicas e por vezes sem paralelo no mundo. Coisa de estado socialista-fascista.

  9. Tinha que ser os fiscais bolivarianos do Rio. Estado infestado de comunistas e com a maior gravidade de inversão de valores. Atrapalhando quem quer trabalhar nunca vai sair da crise esse estado falido.

  10. Sra Juliana. …respeito a sua opinião e alimento é coisa séria. Pôrem, a sua afirmativa de ” tenho certeza” demonstra que a senhora estava no local no exato momento? Foi senhora que fiscalizou a empresa? Felicidades em suas vigilâncias pelo “brazil” a fora.

  11. Isso aí esta parecendo denúncia de algum concorrente ‘que ficou de fora’.
    Usou a vigilância sanitária como forma de represália ao concorrente.

  12. Eu posso estar errado, mas o motivo não seria que na etiqueta a validade está para março? (Creio ser um erro de digitação, pois a fabricação teria sido em agosto)

  13. Juliana, não conheço vc. Mas, “tenho absoluta certeza que isso não aconteceu” é, além de dramático, uma frase que não se escreve/fala sobre um fato acontecido em local que não contava com sua impoluta presença. Fale sobre seu trabalho, fale sobre seu Estado, mas não “jure” sobre essa base sem dados. É tolo.

  14. Leis como a que obriga CNPJ em etiquetas de temperos a granel, foram criadas por politicos e burocratas cujo bem estar depende exatamente destas mesmas leis, seja da sua obediência (que gera impostos) ou melhor ainda da sua desobediência (que gera propina). O mesmo ocorre com localização de ralos e o material de que são confeccionados, tipos de fechaduras, sem falar dos procedimentos draconianos de estoque e armazenagem de produtos. O Brasil precisa de um sistema jurídico novo, que venha a substituir o anterior da mesma forma que produtos novos substituem os antigos e ineficientes. O Brasil precisa do Parlamento Virtual http://www.facebook.com/parlamentovirtual

    • Leis foram criadas para serem cumpridas. Se você não esta satisfeito com as leis, se candidate ou eleja pessoas sérias e comprometidas. O Brasil precisa de gente séria e trabalhadora, que respeita as leis.É disso que o país precisa. E para seu conhecimento isso já existe, no congresso, o seu “parlamento visrtual”, onde você pode particiar, dar opiniões e até propor leis. Participe e pare de chorar.

      • Nailton, você tem razão, as leis foram feitas para serem cumpridas. Por exemplo, a lei diz que quem sofre impeachment também perde os direitos políticos; a lei também diz que a alteração de impostos, como a que ocorreu recentemente nos combustíveis, só pode começar a valer 90 dias depois.

      • Nailton Lantyer Filho, isso é uma piada? Se um político escrever em um pedaço de papel que todo cidadão deve dar a bunda à zero hora, você vai cumprir com todo o esmero, afinal está na “lei” e você é um cidadão consciente.
        Entenda que não é por que algo está na “lei”, escrita por um bando criminoso – aka políticos – que é o correto ou o mais justo. Quantas “leis” estúpidas e inúteis existem?
        Mas a melhor parte foi “se candidate ou eleja pessoas sérias e comprometidas”. Sério mesmo? Você acredita que seu voto muda alguma coisa? Acredita que se candidatar é a solução?
        A democracia é o pior sistema de governo possível, onde os piores são os que conseguem se eleger através de corporativismo, lobby e mentiras. Os que forem os melhores nessas atribuições, serão os vencedores. Não é o que já presenciamos dia a dia? Precisa de mais provas que esse sistema não funciona?
        Isso sem contar o fato de ser um sistema antiético onde você é “governado” por pessoas que não escolheu, e não pode fazer nada a respeito. Se você vota em um padre mas dois colegas votam no estuprador, o estuprador mandará em você, e poderá fazer valer seu poder de lhe encarcar no toba se assim quiser, afinal foi eleito democraticamente.
        A população tem muita coisa pra se preocupar, como trabalhar e sustentar sua família, e não tem tempo para ficar fiscalizando político e suas burocracias.

        • Diego,
          Se um grupo de políticos fizerem uma lei como essa que você citou, acredito que nem passaria pelas comissões do congresso, pois se trata de uma coisa que inguém pode te obrigar a fazer, eu não faria, mas fique à vontade. Pelo que li, você é uma pessoa que carece um pouco de conhecimento de como funciona o seu país, mas em todo caso, posso lhe dizer que as leis foram feitas para atender às exigências do bem comum. Ninguém pode dizer o que você deve ou não fazer com o seu corpo. Ninguém tem o direito de dsconhecer as leis, ou seja, se for pêgo fazendo o que não pode, você não tem o direito de alegar que não conhecia a lei, sacou? Agora, se você não esta satisfeito com as leis que existe no País, você tem algumas alternativas: 1. Pode se candidatar a um cargo no Legislativo e, se eleito mandar ver, propondo as leis que quiser; 2. Você pode se mudar de país, se tiver grana para isso, e ir para um que você acha que mais combina com o seu pensament. Tenho mais algumas, mas eu posso te deixar uma outra alternativa, que na minha opinião é a melhor saída, procure votar em pessoas sérias. Pessoas que não teriam a coragem de propor uma lei como essa que você citou ai em cima. Um Abraço.

          • Mais um sofrendo de dissonância cognitiva, você realmente não leu nada do que o Diego falou e só repetiu o que já havia dito.

          • Gilberto, concordo com você e por não aceitar um monte de absurdos que existem no Brasil eu fui embora. Faça o mesmo ou se candidate.

  15. É inadmissível a situação de uma pessoa postar esse tipo de relato. Tenho absoluta certeza que isso não aconteceu. Sou fiscal de vigilância sanitária em outro Estado e tenho absoluta certeza que isso não aconteceu. A foto mostrada 100% de certeza que não estava dentre os produtos descartados. O que acontece aqui é que temos mais um proprietário de estabelecimento que se julga acima das leis e acha que pode vender produtos vencidos. Se utiliza de influências para descaracterizar a ação fiscalizadora. Nunca havia lido esse site. Mas, percebo que não perdi nada. Tendencioso. Chega a ser patético. A questão é saber se os donos do estabelecimento é parente ou amigo de amigo.

    • Eu realmente gostaria de saber, vc consegue embasar seus argumentos e ser mais específica dizendo aonde te deu entender que o proprietário quis vender algo vencido? Vc se diz fiscal mas não participou do caso, eu apenas quero saber o que te dá tanta certeza de que a vistoria recebia na empresa foi tão eficiente sem ter estado lá.

    • Juliana, desafio você a abrir uma empresa e provar o contrário. Fiscais de fato não são pagos para ter bom-senso, logo, todos os funcionários públicos sem espírito de servidor público (Aquele que SERVE a sociedade) são mais um câncer desse país.

      Quer uma diferença entre funcionário e servidor? Funcionário: pensa que passou em concurso público só precisa fazer aquilo que é sua obrigação e seu emprego é a materialização do status, funcionário público, por outro lado, é aquele que muda o status quo – que são incorruptíveis, aqueles que impediram o Brasil de se tornar outra Cuba… Enfim reforço o desafio: tente abrir uma empresa e me prove o contrário.

    • Tu tá doido, Tá????
      Fala do que não sabe. Se é fiscal deve ser PIOR do que os outros.
      Fala por suposição.

    • Juliana, todo meu apoio a você. O brasileiro, de uma forma geral, é presunsoso e corrupto. Se a lei é cumprida se coloca na posição de vítima e não assume o seu erro. O Brasil esta precisando, cada vez mais de pessoas sérias e comprometida coma a verdade. Fique firme.

        • Muito obrigado, foi erro de digitação. Começe uma frase sempre com letra maiúscula. E quando for corrigir alguém,
          da próxima vez, utilize aspas entre o objeto da correção, senão fica essa coisa ridícula e sem nexo que você escreveu.

      • Todo meu apoio ao empresario que nao molhou a mao dos fiscais!!! Precisamos de mais empresarios que nao pagam propina no Brasil!

    • Juliana, deixe de ser corporativista e hipócrita. Numa muito improvável hipótese que de você seja correta e honesta no seu trabalho – isso incluiria denunciar seus colegas quando os visse cometendo crimes – você sabe muito bem que muitos dos seus colegas são desonestos e trabalham apenas para coletar propina dos empresários. Se acham donos da verdade e os deuses todo poderosos, autoritários, invadem estabelecimentos quando ainda nem foram abertos ou inaugurados a cata de detalhes que não constam de qualquer documento, legislação ou norma e quando não acham nada, inventam alguma coisa para multar e achacar o comerciante. Vi isso acontecer com meus próprios olhos várias vezes. Se o empresário decide pagar as multas e não dar propina, os fiscais passam a visitar o estabelecimento várias vezes por semana ou diariamente para multar até destruir o negócio e o dono fechar as portas. Além disso, como nesse mundo da “fiscalização” todos se conhecem, falam com os fiscais de outros segmentos como INSS, Ministério do Trabalho, Receita Federal, etc, para que visitem o coitado e “encontrem” qualquer coisa para destruí-lo.

    • Será faltou agrado para os fiscais? A visão que vcs nos passam é péssima, a pior possível. Não sei quanto a você e seu estado, mas aqui os serviços públicos são terríveis. Sai com seu carro sem pagar o ipva. Se for pega seu patrimonio será rebocado e vc multada, agora, a frota de ônibus da cidade anda com o ipva atrasado, pneus carecas e quebrados mas não para, multa ou reboca. Menos estado é a solução.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here