Filhote de golfinho vítima de “selfies” já estava morto, segundo turista (com vídeo)

A denúncia de que turistas causaram a morte de um filhote de golfinho após o retirarem do mar para fazer selfies gerou indignação nas redes sociais essa semana. O fato ocorreu na praia de Santa Teresita, na Argentina, no último dia 5 de fevereiro. No entanto, o turista Hernán Coria, que registrou a confusão, falou à emissora de TV Telefe que o animal já estava morto quando foi resgatado. Segundo ele, tudo ocorreu muito rapidamente e houve tentativa de socorro.

“Eles queriam tocar e agarrar o golfinho. Tudo durou cinco minutos, e ele chegou morto na costa. Levaram o animal para o mar, mas ele não voltou”, disse. No vídeo feito por ele podemos ver que o golfinho parece estar desfalecido quando foi pego, com algumas pessoas falando que o mamífero já estava morto enquanto outros defendem que ele seja retornado ao mar:

Coria contou, ainda, que na ocasião o mar estava muito quente, cheio de águas-vivas e, por isso, havia muitos outros animais mortos na costa argentina. “Naquele dia você encontrava vários golfinhos mortos”, explicou. A ONG Mundo Marinho – que atendeu ao chamado dessa ocorrência – disse em um comunicado que não sabe se o golfinho estava vivo ou morto quando foi tirado da água pelos banhistas e que centenas de animais morrem todos os anos nas praias argentinas.

Com informações do Extra, Clarín, e-Farsas e Telefe

Vaquinha O ILISP tem atuado contra a legalização do aborto e em defesa do direito à vida no STF. Para custear a causa, lançamos uma vaquinha. Os interessados em nos ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

1 COMENTÁRIO

  1. Não saberemos o que causou a morte do cetáceo: causas naturais, radares, poluição ou ignorância dos populares. Mas, uma coisa é certa: esse narcisismo de ficar se olhando por uma telinha de algumas polegadas pra se exibir na rede já ficou doentio. Estamos perto de completar uma década da invenção e lançamento do primeiro iphone e o frenesi dos smarts ainda não passou. Os aparelhinhos têm oferecido grande utilidade e praticidade ao nosso dia a dia. Mas, como em tudo, devemos aplicar a temperança ao seu uso. Precisamos de moderação e auto-controle.
    Claro que, existem ocasiões em que uma foto cai bem, mas em outras, vale mil vezes mais você viver o momento a sua volta com seus próprios olhos e espirito. Acreditar que sua mente herdou um processo inteligente durante a evolução da espécie, que ela simplesmente vai manter o que vale a pena e jogar fora o que não será usado.
    Acho que ver um animal raro desses gravemente ferido ou morto é momento de comoção para os mais sensíveis (pois parece que é um filhote) ou momento de atenção para os mais pro-ativos (o que causou isso pode me prejudicar também? É possível ajuda-lo? Será que há outros que podem ser salvos por perto?).
    Bem, pessoas são diferentes, então reagem cada uma a maneira condizente com sua personalidade. Mas, parece que boa parte dessa variedade morreu. Parece agora que todos se igualaram unissonos ao desejo único de brilhar no selfie. E quando todos “brilham” ao mesmo tempo, ninguém “enxerga” nada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here