Grevistas da USP estão entre os mais ricos do Brasil; confira os salários

Os servidores públicos membros do Sintusp (Sindicato dos Trabalhadores da USP) estão entre os mais ricos do Brasil. Há servidores que ganham até 11 mil reais por mês e ainda fazem greve por aumento salarial.

A renda média dos trabalhadores brasileiros está em torno de R$ 1.100, bem abaixo da média dos salários dos servidores públicos da USP. E são justamente os mais pobres que pagam mais impostos e sustentam esses salários.

ICMS

Salários dos diretores do Sintusp:

grevistas

Vaquinha O ILISP comprou o domínio "aborto.com.br" e lançará uma campanha pró-vida, mas isso exige recursos. Os interessados em ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

19 COMENTÁRIOS

  1. Só os fracassados profissionalmente invejam os bens sucedidos. Será que o senhor Camilo trabalha na área em que se formou. Eu tenho orgulho da minha profissão, inclusive porque sou servidora pública e ocupo emprego público por concurso público e não por favor. Sou assistente social, com excelentes serviços prestados a população, á nivel nacional e internacional. Tenho orgulho sou do “Centrinho”, hospital de referência nacional e internacional. Tope no atendimento e reabilitação de portadores de má formação crânio facial. Trabalhei cinco anos na UNESP – Faculdade de Medicina de Botucatu e 32 anos na USP. Lutei muito para me formar e nunca frequentei a universidade pública, por isso luto incansavelmente para manter a USP, UNESP e UNICAMP pública, gratuita e de qualidade, inclusive para dar oportunidade a indivíduos como o senhor Camilo.
    Como servidora pública conquistei os direitos que todos os servidores públicos deste país conquistou. Atacar os servidores públicos é atacar o serviço público que os governos querem exterminar para sobrar mais dinheiro para eles roubarem. Tenho orgulho porque luto para que a renda mensal das famílias seja igual, ou seja, eu defendo o socialismo. E o senhor Camilo o capitalismo. Assim, ele trabalha para sustentar um sistema injusto, desigual e perverso, onde numa universidade como a USP fecha serviços médicos, plantão médico infantil e outros serviços á população de qualidade que sempre foi prestado á população. O senhor Camilo deveria atacar o reitor da USP e não os servidores. O Senhor Camilo não falou para a população, que aqui na USP existe procuradores que ganham R$ 33 mil por mês. Não falou que o reitor faz gestão atualmente junto á Assembléia Legislativa para aumentar o teto salarial do governador, para poder subir o seu salário e os de 30% que ganham acima do teto salarial. A denuncia á população deve ser correta e sem omitir dados do povo que sustenta a USP, pois do contrário é ataque aos servidores públicos.

  2. Mi mi mi. Se quer ganhar bem, estude e faça merecer o que você ganha pelo seus próprios méritos. Eu trabalhei durante muito tempo na inciativa privada e sei bem daquela realidade. Considerando o ponto de vista ético, os servidores públicos JAMAIS deveriam fazer greve, não somente pelo fato da melhor remuneração, mas também pelo fato de trabalharem para a sociedade e, teoricamente, servir de uma maneira útil para a mesma. Aqui onde trabalho temos exemplos bizarros de má administração e servidores ASPONE (Assessor de Porra Nenhuma). Infelizmente, na cabeça pequena do “zé povinho”, depois que você passou em um concurso, sua vida está feita: você está enganado, amigo. A sua carreira começou de novo, e se você não tem a moral e nem a ética necessárias ao serviço público, me faça um favor e se retire do mesmo.

  3. Como sempre digo essa choradeira de que a pessoa estudou pra caramba para passar em concurso público só mostra quanto a cultura brasileira é contra privatização. A pessoa defende os concursados e paga impostos para mante-los sabendo que a qualquer hora ela pode ser demitida mas o concursados não. Que esses tem o direito de greve garantido sem sofrer uma grande punição. O problema não é se a pessoa concursada trabalha ou não bastante e sim que o salário dela vem dos nossos imposto e agora que o Brasil quebrou muitos estão vendo que a bandeira que eles defendem está mais preocupada em garantir o dinheiro dos amigos do rei (que geralmente são todos de cargo de confiança) do que o do trabalhador concursado. É preciso rever urgentemente o funcionalismo público, manter realmente os setores vitais. Muitos órgãos só existem para regulamentar o mercado e se não existissem seria melhor. As maiores economias são assim.

  4. Artigo tendencioso e irresponsável, que incute a idéia que o trabalhador não pode fazer greve e quando o faz está errado.
    Muito pelo contrário, meu caro. Neste caso, é dever do estado dar as codições necessárias de trabalho, assim como salários justos e condizentes à realidade atual de acordo com nível de educação exigido para tal cargo.
    Em vez de tentar polarizar a opinião popular contra os próprios trabalhadores, também pagadores de impostos, por quê não fala a respeito dos salários dos políticos, que continuam metendo a mão nos cofres públicos descaradamente? Ou até mesmo da falta de incentivo à iniciativa privada que força os profissionais a se voltarem para uma carreira no setor estadual ou federal pois no setor privado está praticamente impossível?
    Falar de greve e fazer politicagem infantil pela internet é fácil. Vá ser professor, meu caro. Mas antes estude muito pois ainda lhe falta bastante leitura.

  5. Bom, imagino que ao verem empresários que ganham muito mais do que esses R$ 13.560,00 do topo da pirâmide de assalariados do país reclamando de encargos sociais, impostos, falta de “incentivo” do governo, vcs vão fazer uma matéria igualzinha não vão?

    • Não porque eles geram empregos e pagam os impostos que sustentam inclusive os grevistas da USP, e gerariam ainda mais renda e empregos se houvesse menos impostos e regulações estatais.

      • Linda resposta.
        Pena que o retorno social do pessoal da USP é praticamento zero? correto? para que universidade? qual a necessidade de educar esse povo? e pra que brigar por melhoria no setor público se aquele 1% do topo da pirâmide precisa mesmo é de menos impostos e a velha massa de manobra. Porque a gente sabe que gerar emprego é o mais importante, mesmo que seja emprego pra limpar merda do seu cachorro.

  6. QUERO SABER PORQUE VC NAO VAO ESTUDA PRA PASA EM UM CONCURSO PUBLICO AI VC ESTAO ESQUECENDO QUE SAO FUNCIONARIO QUE TEM 30 ANOS DE USP QUE TEM SEUS BENEFICIO PREVISTO EM LEI E QUE NAO GANHAMOS BEM VCS QUE GANHA MAL POIS OS PATROES SUGA SEUS SANGUE E VCS NEM CORAGEM DE LUTA TEM AGORA FICA DE OLHO GRANDE EM QUE TEM ANOS E ANOS DE TRABALHO NA USP E POR CAUSA DISO TEM SEUS BENEFICIO PENA QUE MEU NOME NAO APARECEU TANBEM FASO PARTE DESES LUTADORES QUE LUTA POR UMA USP DE QUALIDADE PRA TODOS NAO SO PRA BURQUEIS COMO ESTA ACONTECENDO PRETO E POBRE E A MINORIA NA USP ISO VCS NAO VE

  7. Precisamos de uma lei 8.666 para salários no setor público. Se entendemos que o Estado precisa de uma lei de licitações para que o gestor público não desperdice nosso dinheiro adquirindo mercadorias e serviços pagando preços acima dos praticados no mercado. Também deveríamos brigar por uma lei onde o Estado pagasse salários com base na média de mercado. Pois, na boa, assistente social ganhando 12.700 reais por mês? Técnico de documento e informação ganhando 11.000 por mês? Pelo amor de Deus!

  8. Está desatualizado, no site de transparência da USP com dados do ano passado mostra a assistente social ganhando 14 mil invés de 11 mil, cozinheiras ganhando 7mil e aí por diante

  9. Interessante, que, o pobretão lascado, que vive de baixa/média renda, dificilmente faz protesto…
    E os servidores públicos, que trabalham POUCO, e ganham muito bem, são os que mais fazem greve…

    Brasil precisa urgentemente de mudança de mentalidade das pessoas, que acham que o ESTADO é bom!

    • Não concordo com vc DWD. As pessoas concursadas que ganham “bem”, estão ali por mérito próprio, passaram por uma seleção muito mais disputada q o vestibular. Eles estão lutando por reposição salarial, melhores condições de trabalho e mais responsabilidade por parte dos gestores. É sabido q neste país a área da educação é totalmente negligenciada, e que muitas conquistas desses profissionais do serviço público infelizmente só foi possível através do movimento grevista. A greve é um direito do trabalhador. Agora eu te pergunto DWD, vc aceitaria trabalhar mais, ganhar menos e ver a sua instituição afundando sem fazer nada?

      • Como q os servidores reclamam de condições de trabalho, sendo que a grande maioria, ganhma um salário maior que a média do setor privado, e tem uma carga horária menor?

        Sem contar, que o próprio governo adimite, que servidores públicos, tem mais estabilidade, e muitos mais , benefícios, do que servidores do setor privado!
        INCLUSIVE, os de mesma formação !!!

        Não acho certo, um cidadão que trabalha, por exemplo, 6 horas por dia, ganhando milhares de reais por mês, e que trata mal os clientes(nos serviços dos Correios, e dos BANCOS, que o diga!!), e ainda quererem fazer greve!?

        É PIADA ISSO, SÒ PODE !!

        Conheço ‘merendeira’, que trabalha somente 1 turno, no municipio, e ganaha R$ 1200… Onde, tem funcionário de escola do setor privado, que ganha praticamente o mesmo, só que ,trabalha 2 turnos, como todo trabalhador CLT!

        FONTE: http://economia.uol.com.br/noticias/bloomberg/2015/09/11/salario-gordo-e-estabilidade-vitalicia-o-doce-servico-publico-no-brasil.htm

      • Se a ‘instituição’ estatal tá afundando, a solução é PRIVATIZAR!

        Se o governo é imcopetente para manter como se deve, deixe que o setor que quer produzir, faça o negocio como deve ser!

        POR EXEMPLO:

        Numa agencia dos Correios aqui no meu bairro, tá a mais de 1 ano, um sistema de emissão de SENHAS, com touch, para quem chega procurando atendimento…

        O serviço funcionou bem que só, no começo, e poucos dias depois, desligaram sem mais nem menos, e os equipamentos estão lá até hoje, empoeirando, ocupando espaço no salão de espera, e nada de previsão de voltar a funcionar!

        A chamada as vezes, é por ordem de chegada na fila, ou então, com o equipamento antigo, aquele simples, com luzes vermelhas, que ficam no canto.

        IMAGINA< se isso fosse numa empresa de CORREIOS privada, onde o DONO, iria fazer o possível, para não ter prejuizo, em ter um equipamento sendo sub-utilizado, com os clientes passando vexame, por pagarem TAXAS ABSURDAS, pelos serviços, e não terem o retorno devido, em melhoria dos serviços, com um trambolho imenso, que era pra estar funcionando, e que está empoeirado, no canto!!!

        Não é protestando, com greve, que o setor estatal irá melhorar!
        O ESTADO, NUNCA, fará nada que preste! Já que o dinheiro da ESTATAL, não tem dono, e ninguém cobra resultado/produtividade, e não tem quem exiga melhorias ao consumidor!

        ENFIM, pros Estadistas, 'tanto faz como tanto fez', se o cliente tá satisfeito, ou se o funcionário tá satisfeito! O que importa, é o uso político do aparato estatal!

        É como diz aquela tal comparação:

        " Dinheiro de tributo, não é dos pagadores de impostos, É PÚBLICO!"

        TU ENTENDEU, A MENSAGEM QUE ESSA FRASE QUER PASSAR ????

        • Acho que você está generalizando demais. Você acabou de citar instituições federais e estamos falando das universidades estaduais paulistas que estão entre as melhores da américa latina. Não são apenas os funcionários que estão em greve, mas alunos também. Não se trata apenas de salário. Existem muitos problemas relacionados aí. Nem tudo que é privado é melhor. As empresas de telefonia são privadas e sabemos que estão entre os piores serviços. A Anatel, órgão público regulador da telefonia no Brasil não cumpre o seu papel e está do lado das grandes corporações que exploram e desrespeitam o consumidor brasileiro. Então o problema está muito além da discussão de salários, precisamos de um novo modelo de gestão para que as universidades públicas estaduais continuem fornecendo ensino de qualidade. A reposição salarial também é uma pauta da greve. Se um trabalhador ficar sem reajuste salarial durante 10 anos por exemplo, seu salário provavelmente perderá metade do seu valor, e isso nenhum trabalhador em sã consciência aceitaria. Um dos poucos retornos que temos dos nossos impostos é usufruir de um ensino superior de qualidade de forma gratuita. Privatizando as instituições você acha que o governo diminuiria os impostos? Óbvio que não, o problema do Brasil não é falta de dinheiro, mas o mal uso do dinheiro público, e essa é a discussão principal. Tem que se cobrar mais responsabilidade e transparência por parte dos gestores, isso também é uma pauta da greve..

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here