HQs da Marvel com versões de heróis para agradar a esquerda encalham e DC assume liderança

No fim da última semana, diretores do alto escalão da Marvel se reuniram com lojistas de quadrinhos nos escritórios da Marvel, em Nova York. Ao todo, 14 dos maiores lojistas de quadrinhos, de diferentes localidades dos EUA (e um do Canadá), participaram da reunião, a primeira dessa grandeza desde a crise financeira da Marvel nos anos 1990. A reunião foi convocada depois da Marvel passar meses continuamente em segundo lugar, desde a metade do ano passado, no levantamento das HQs mais vendidas da distribuidora Diamond Comics – atrás de sua principal concorrente, a DC Comics.

E a resposta dos revendedores da Marvel foi óbvia: as pessoas não querem que as histórias de quadrinhos que apreciam sejam drasticamente alteradas para atender a pauta da esquerda com a inclusão de “minorias”. A avaliação dos varejistas é de que os leitores de quadrinhos são apegados às caracterizações clássicas de seus personagens favoritos e não estão interessados nas mensagens políticas (geralmente, de esquerda) incluídas nas histórias.

Após a Marvel remodelar diversas HQs para agradar a esquerda, esse foi o resultado: DC nadando de braçada no mercado no Top 10 de fevereiro de 2017. Fonte: Terra Zero.

De acordo com o vice-presidente sênior de vendas e marketing da Marvel, David Gabriel, os revendedores atribuem a queda nas vendas, entre outros motivos, à “diversificação étnica” dos super-heróis da casa. “O que nós escutamos [dos revendedores] foi que as pessoas não queriam mais diversidade. Não queriam heroínas femininas. Foi isso que escutamos, acreditemos ou não. Não sei se isso é a verdade, mas foi o que identificamos nas vendas”, diz Gabriel, em referência à queda gradual que a Marvel tem sentido desde outubro, enquanto o projeto editorial Rebirth da DC faz sucesso com a retomada do “feijão com arroz” em suas HQs, como a volta do Superman pré-Novos 52.

Dessa forma, a Marvel já esboça uma volta às histórias tradicionais. A recém-anunciada minissérie Generations vai colocar heróis tradicionais como Steve Rogers, Tony Stark e mesmo personagens falecidos como Wolverine e Capitão Marvel lado a lado com seus recentes substitutos – no caso, Sam Wilson (negro, ex-Falcão) como Capitão América, Riri Williams (personagem feminina e negra) como titular da série do Homem de Ferro, X-23 (clone feminino, apresentado ao público no filme Logan) como Wolverine e Carol Danvers (personagem feminina) como Capitã Marvel.

Rini Willians assumiu como “Homem de Ferro” no lugar de Tony Stark

Outros personagens alterados drasticamente pela Marvel nos últimos anos incluíram Thor (assumido pela herói feminina Jane Foster), Homem Aranha (assumido pelo negro Miles Morales), Hulk (assumido pelo coreano Amadeus Cho) e X-Men (onde o Homem de Gelo assumiu que é homossexual). A Marvel chegou inclusive a criar o “Occupy Avengers”, onde “Vingadores Sociais” combatem o mal.

Algumas séries de personagens alterados, como Miss Marvel com Kamala Khan (personagem feminina e islâmica) e a Garota Esquilo, representam sucessos pontuais na Marvel junto ao público que frequenta convenções e gera discussões sobre suas séries, o que mostra que o problema do público não é com a diversidade nas HQs, mas sim a alteração forçada das histórias mais conhecidas apenas para atender à pauta esquerdista.

27 COMMENTS

  1. Como muitas pessoas comentaram aqui, sou dá mesma opinião, querem personagens diversificados, criem os mesmos do zero, mexer na essência dos personagens clássicos resulta nisso, fãs insatisfeitos que olham pra DC e veem lá o que na Marvel está se perdendo, originalidade.

  2. A Marvel então “agrada” a esquerda há décadas, pois existiam personagens originais com pessoas socialmente desprovidas de privilégios no contexto da época. Fora que a própria editora acompanha as mudanças e dinâmicas do mercado, inclusive se existe espaço para as minorias não foi pra agradar “politicamente correto” apenas (apesar de que as vezes eles forçam a barra) pois é uma questão de ter público consumidor pra tal.
    Sou leitor de quadrinhos a muitos anos (tenho preferência pela DC Comics) e é o público mais antigo quem ainda hoje mantém de fato a industria de quadrinhos. Temos que levar em consideração uma crise editorial, onde artistas renomados estão pulando fora (de muitas editoras) e equipes criativas bastante confusas.
    Além disso a sobreposição das adaptações cinematográficas (que atendem ao garantido, e para o grande público) que ao mesmo tempo que apresenta a empresa para o público e aumenta as vendas, não consegue manter o interesse desse mesmo público a longo prazo.
    O problema realmente foi mexer com os personagens clássicos neste momento em específico, pois como a própria notícia salienta a Miss Marvel se mostrou com o tempo um grande sucesso para editora (e não pontual) sendo que ela atende a uma demanda antiga que de fato existe: a de personagens novos, histórias boas e com diversidade temática.
    Ainda que insistam nesse argumento de que essas mudanças são para “agradar” esquerdistas, o que refuto, basta olhar o histórico da própria editora em questão, não ignorem que tais esquerdistas também são consumidores dos produtos e a Marvel é uma empresa, ou vocês esqueceram disso?

  3. Quem coleciona ou colecionava já sabia que isso não ia dar certo. Tiveram que se lascar pra se dar conta que:
    1) Quem segue um personagem é por que, de alguma forma, se identifica com ele. Mudar as características físicas ou de personalidade não é aceitável.
    2) patrulheiros sociais não compram HQ.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here