Jornalista é processado por divulgar que funcionário público ganhou R$ 45.769,87 em um mês

O jornalista Érik Silva foi processado por divulgar o salário de um funcionário público da Câmara de Corumbá-MS: o contador Julio Cesar Bravo recebeu R$ 45.769,87 em março, valor correspondente a 52 salários mínimos, superando o teto do funcionalismo, de R$ 39.293,38, destinado a ministros do Supremo Tribunal Federal. A informação foi obtida no Portal da Transparência, site oficial do governo.

Após a divulgação da reportagem, o Ministério Público Estadual abriu inquérito para averiguar possíveis irregularidades no pagamento de servidores da casa.

No processo, a defesa do funcionário público diz que o jornalista cometeu os crimes de injúria, calúnia e difamação porque a reportagem teria “denegrido publicamente” a imagem do contador, já que ele exerceria seu trabalho com “dedicação e esmero, sequer tirando férias, senão algumas indenizadas”.

De acordo com o Portal da Transparência, o salário base do funcionário público é de R$ 8.244,59 e, em março, ele recebeu R$ 17.525,28 em gratificações e R$ 20.000,00 em férias, mesmo constando como ativo no período. Em janeiro, Bravo já havia recebido outro valor referente a férias: R$ 21.023,71. Tudo pago pelo dinheiro tomado dos pagadores de impostos.

Vaquinha O ILISP comprou o domínio "aborto.com.br" e lançará uma campanha pró-vida, mas isso exige recursos. Os interessados em ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here