Novo ministro do Esporte fatura com as Olimpíadas

Leonardo Picciani (PMDB-RJ), que está em seu quarto mandato como deputado federal pelo Rio de Janeiro, foi empossado ministro do Esporte embora aparentemente não possuísse qualquer vínculo com a área. Porém a empresa de sua família, Agrobilara, é sócia da mineradora Tamoio, que possui contratos de fornecimento de brita para pelo menos duas obras dos Jogos Olímpicos, o Parque Olímpico do Rio (orçado em 2,34 bilhões de reais) e o corredor de ônibus TransOlímpica (orçado em 2,2 bilhões) que vai da Barra a Deodoro.

Filho de Jorge Picciani, que é presidente do PMDB-RJ e da Assembleia Legislativa do estado, o ministro aderiu ao governo Dilma Rousseff no início do segundo mandato. Leonardo elegeu-se com a base eleitoral do pai e ocupou cargos importantes também com esta ajuda. Aos 28 anos, em seu segundo mandato, assumiu a presidência da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), a mais importante da Câmara. Se tornou líder do PMDB em 2015 e embora tenha perdido o cargo ao apoiar a Dilma, recuperou a liderança do partido na Câmara dias depois, novamente com ajuda de manobras do pai.

“O estado é a grande ficção através da qual todos tentam viver às custas de todos”. Esta frase contida no livro L’Etat: Maudit Argent, escrito por Frédéric Bastiat em 1849, descreve claramente as indicações do novo ministério do presidente interino Michel Temer.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here