O Brasil tem solução?

Você sabia que três estados já se encontram em situação de falência?

Com R$ 80 bilhões em dívidas, o estado do Rio Grande do Sul, decretou calamidade financeira.

O Rio de Janeiro faliu também. Deve R$ 16 bilhões, decretou calamidade, fechou hospitais, atrasou, parcelou salários das polícias e pode demitir funcionários “estáveis”.

Nos últimos 10 anos, a despesa de Minas Gerais com pessoal aumentou 252,98% enquanto a receita aumentou 137,50%. E o governador decretou calamidade.

No Brasil da Copa do Mundo e das Olimpíadas, a dívida pública corresponde a 74% do PIB.
Boa parte do montante financeiro da dívida existe para pagar a correção monetária de uma inflação de 11%, só em 2015.

Há um déficit primário para 2016 de R$ 170,5 bilhões, que não deve ser diferente no próximo ano. O país tem ainda, uma grande dívida com a maioria das pessoas que produzem: um déficit atuarial na pirâmide chamada previdência social de R$ 3,2 trilhões.

Será que dá para explicar esta situação?

Todas estas instituições são geridas pela “União”, uma entidade com sede em Brasília, distante para a ampla maioria dos brasileiros, que representa a república, formada por três “poderes” (Executivo, Legislativo e Judiciário). Com sua regulação “democrática”, teve cinco dirigentes em 90 anos que foram eleitos pelo voto popular e permaneceram no posto até o fim.

Estes “poderes” mostraram que estão em uma queda-de-braço circense, onde o STF (Judiciário) afasta Renan (senador que responde há 11 inquéritos) e o Senado (Legislativo) rejeita a decisão do STF. Isto demonstra uma séria crise institucional.

Enquanto isso, no cotidiano dos pagadores de impostos que financiam tudo isso, aumenta o número de lojas, restaurantes e outros estabelecimentos que fecham as portas. O número de desempregados também aumenta, ainda que medido por um índice bastante “maquiado”.

Quando as três guildas, que sempre foram bem alinhadas para manter altos salários, grandes privilégios e aposentadorias, não se entendem, o que resta aos espoliados que sustentam tudo isso? A insatisfação com o monopólio dos recursos e os altos impostos, cobrados pelo estado no final do séc. XVIII e início do séc. XIX foi decisiva para a declaração da independência brasileira.

A República Federativa do Brasil está falindo, mas pode ser que o estado onde você vive não precise acompanhá-la nesse processo.

Vaquinha O ILISP tem atuado contra a legalização do aborto e em defesa do direito à vida no STF. Para custear a causa, lançamos uma vaquinha. Os interessados em nos ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

5 COMENTÁRIOS

  1. “Com sua regulação “democrática”, teve cinco dirigentes em 90 anos que foram eleitos pelo voto popular e permaneceram no posto até o fim.”

    ***
    É uma referência aos constituintes? Eu estou tentando entender quais foram os cinco dirigentes eleitos. Fico na dúvida, se isso refere-se às constituições, ou alguma outra coisa.

    • Eurico Gaspar Dutra, Juscelino Kubitschek, Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma (primeiro mandato foi completado).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here