Olimpíadas: Prostitutas brigam com feministas pelo direito de vender o corpo

O confronto entre garotas de programa com algumas feministas mais radicais, ficou acalorado em grupos de discussão e já trouxe consequências para os Jogos. Enquanto as prostitutas lutam pelo direito de vender o corpo (por ser dela) e serem respeitadas como trabalhadoras normais, as feministas agem contra essa proposta.

A ativista e advogada Eloisa Samy, considerada uma das líderes feministas, acredita que a prostituição representa a principal forma de exploração da mulher em uma sociedade patriarcal. Por isso, pede que haja uma maior fiscalização em torno da cafetinagem durante os Jogos e defende até o aumento da intervenção policial para inibir a ação dos clientes em potencial e a exploração das mulheres.

“Eu não posso admitir que um evento olímpico, que preza o bem estar das pessoas com tão nobres ideais, se preste a servir a uma causa tão mesquinha, que é a principal forma de exploração da mulher e da objetificação dos nossos corpos”, afirma Eloisa.

A também feminista materialista Daniela Lima chama a atenção e pede fiscalização para a questão da pedofilia. “Em uma situação de mega eventos, o turismo sexual não se separa da pedofilia, não pode ser descolado da exploração de menores. É um quadro, uma realidade. Prova disso é que pegaram espaços de exploração infantil em torno da Vila Olímpica”, afirma.

A prostituta e transexual Indiara Siqueira aumenta o coro contra as feministas. Para elas, as garotas de programa representam, na verdade, um enfrentamento ao machismo. “As prostitutas fazem sexo sem intenção de reproduzir, elas cobram, quebram com o patriarcado. Prostitutas são as feministas que rompem, as mais revolucionárias. Elas têm liberdade, são donas dos corpos delas, livres e empoderadas. Sabemos que há mulheres que sofrem na prostituição, mas sofrem mais nos lares domésticos, casadas. A maioria das mulheres é estuprada por homens de confiança a serviço do patriarcado e que fazem sexo de graça. É mais seguro ser puta que esposa nessa sociedade”, afirma.

Olimpíadas

A batalhas das feministas contra a prostituição durante o evento esportivo não tem sido uma boa ideia. A crise econômica tem afetado o mercado de prostituição no Brasil e muitas prostitutas têm esperanças de ter melhores ganhos com as olimpíadas. Além de enfrentar a crise, agora tem que enfrentar as feministas.

“A gente espera ganhar, mas já temos experiência na Copa em que não tivemos esse lucro todo. Espero que os Jogos tragam mais estrangeiros. Mas vai ter uma repressão muito forte, muitos lugares de prostituição foram fechados, lugares em Copacabana foram fechados. E tem o exército na rua em Copacabana, uma repressão muito grande, muito combate”, afirma. “A prostituição não vai ser fácil, a gente não vai ter regalia. E a gente espera não ter regalia, mas no mínimo que lucre todo dia”, completa Indianara, Garota de programa e transexual.

Ágata Oliveira é outra profissional do sexo que pretende sair do centro e migrar para Copacabana na tentativa de ter mais sucesso. Mas ela reclama: “Tem muita polícia na rua, está difícil trabalhar”.

 

7 COMENTÁRIOS

  1. Vindo de feministas, isto não me surpreende. Já faz muito tempo que o movimento feminista vem querendo ditar o comportamento não só das mulheres, como de toda sociedade. Aquela coisa de “meu corpo, minhas regras” se tornou “meu corpo, regras das feministas”!

    Claro, não posso deixar de comentar: falam da prostituição como somente a mulher fosse prostituta. Ignoram a prostituição masculina, que não serve só para a clientela homossexual (que existe na prostituição da mulher), como feminina também. Mas daí haverá milhões de tergiversações, milhares de observações ocultas e conclusões por exclusão, para então dizer que é tudo culpa da sociedade partriacal (leia-se homem).

    P.S. Esse sistema captcha tem apresentado muitos erros. Tentei comentar três vezes ontem e não consegui…

  2. Bom, nenhuma novidade que o feminismo iria afetar o livre mercado. Já afeta: Jornais pararam de vender, intoxicados com essa ideologia de vitimização feminina extrema -infantilização completa da mulher, como se fosse um ser incapaz e totalmente inimputável- videogames estão aparelhados e títulos engajados são deficitários… propagandas de cerveja, indústria do falso abuso sexual, histórias em quadrinhos, pornografia, revistas masculina etc. Todos estão perdendo dinheiro com essa ideologia suicida. Enfim, isto é só o começo: terminou na prostituição que está em vias de sex criminalizada na França.

    • Sendo ela uma trans, uma corrente forte do feminismo (feminismo radical ou radfem) não lhe reconhecerá como uma feminista. E isto ocorrerá com ela dentro do próprio PSOL…

      Irônico, não?!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here