Países liberais lideram novo ranking de IDH da ONU

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) divulgou, nesta terça-feira 21, a atualização do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 188 países e territórios para o ano de 2015. Os dados constam do Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH) de 2016. Segundo as informações da Organização das Nações Unidas (ONU), os 20 primeiros países que lideram o ranking são países com economia muito livre, todos possuem nota acima de 70 em grau de liberdade econômica do Instituto Heritage Foundation (Com exceção do Japão, que regrediu 3pts no último ano).

Na América Latina, o único país com nota de liberdade econômica acima de 70, o Chile, continua na liderança no ranking de IDH. Por outro lado, a Venezuela, país menos livre do continente, foi o único país que teve regressão na nota do IDH,  de 0,76900 (2014) caiu para  0,7670.

 

Vaquinha O ILISP comprou o domínio "aborto.com.br" e lançará uma campanha pró-vida, mas isso exige recursos. Os interessados em ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

44 COMENTÁRIOS

  1. imposto unico, descontado no ato da compra de qualquer bem, seria uma solução para acabar a corrupção e atenuar a justiça social.? comentem

  2. Sou a favor do liberalismo. Porém, a áreas estratégias que não podemos desestatizar. Saúde, Educação e Segurança é uma obrigação der um Estado democrático de direito. Matriz energética deve ser regulamentada, apesar de permitir a livre concorrência.

    • Com sabe em que vc diz isso? Todos estes itens podem ser fornecidos pelo setor privado.
      Essa doença de estado de bem estar social só nos leva ao fracasso, pq os políticos lhe dariam esses itens com a qualidade devida? Oque ameaça eles?

      • Doença de bem estar social ? Você deve ser bem amargurado , né ? O do não sucedeu na vida por causa do Pt , aposto .

  3. Todo país possui intervenção estatal em algum grau. Mas é preciso entender que uma economia liberal não funciona por causa do Estado. Ela funciona APESAR do Estado.

  4. Interessante que Noruega e Alemanha, que estão entre os cinco primeiros em IDH, aparecem apenas no 25º e 26º lugares de liberalismo. Interessante também notar os dados de População: A população dos cinco primeiros de IDH somadas dão apenas 60% da população da Alemanha. Apenas Austrália têm um número mais relevante de população:

    População
    Nova Zelândia 4,5 milhões
    Singapura 5,4 milhões
    Hong Kong 7,1 milhões
    Suíça 8,0 milhões
    Austrália 23,1 milhões

    Alemanha 80,6 milhões
    Canada 35,2 milhões

    Então, será que só o liberalismo sozinho resolve? Talvez em se tratando de países que são quase cidades-estado. Mas o caso da Alemanha e do Canadá, e mesmo Austrália, o liberalismo está associado a uma política pública e ao Estado de Bem Estar Social. Isso que elevou seu IDH.

    • Mas em outros momentos eles tiveram um liberalismo muito mais forte do que hoje. Isso prova que, mesmo com uma social democracia, eles continuam firmes no IDH. Talvez se ainda fosse muito liberais, estivessem ainda mais na frente do que estão em IDH.

  5. Vinícius, então você está redondamente enganado. Liberalismo é justamente sobre o “tamanho do Estado”.

    • Liberalismo econômico é uma corrente de pensamento que defende que a tomada de decisão deve ser descentralizada, não tem nada com “tamanho do Estado”. Ela defende que o agente econômico deve definir onde alocar seus recursos e não o estado, mas isso não quer dizer que o estado não possa ser grande e fornecer diversos serviços, principalmente os voltados a segurança (jurídica e institucional e proteção do território) e bem esta social. Veja o Caso americano, 17 nesse lista de “liberalismo”, e com um dos maiores Estados do mundo. Leia François Quesnay e Adam Smith

          • Porque os liberais defendem que o resultado do trabalhado dos trabalhadores fique no bolso deles ao invés de ser assaltado por políticos e burocratas.

        • Não! A maioria dos liberais da lista apresenta uma porcentagens de uma porcentagem de serviços públicos, inclusive uma constituição que prevê uma responsabilidade social.

  6. É por essas e outras que sempre afirmo: não há como intervencionistas e liberais estarem ambos certos!

  7. Na Alemanha você pode pintar paredes só se você for técnico e abrir o seu negócio de pinturas só como tecnólogo. O empresário tem obrigação de pagar a metade do “INSS”, seguradora de saúde e mais outros obrigações que beneficiam o trabalhador. A burocracia é enorme para abrir o seu negocio.
    Não entendo como a Alemanha está no ranking no lugar 26. Desculpa o meu português.

    • Na Alemanha eles tem o retorno dos impostos, diferente do Brasil. Mas mesmo assim nem se compará com o tanto que nós pagamos de impostos. O Estado da Alemanha se preocupa com educação, segurança e saúde. Nesses três fatores a Alemanha são praticamente Top 1 mundialmente falando. Eles investem pesado nisso, que são a necessidade da população de qualquer país, por isso impostos “altos”. Mas mesmo assim, a liberdade econômica lá é gigantesca! A economia não é estadizada. Outra observação, você não vê Alemão reclamando dos impostos, pelo simples fato de que eles tem o retorno disso, na educação, saúde, segurança e infraestrutura e por ai vai…

  8. Ainda bem que não falaram de “tamanho do Estado”, até porque no meu entendimento liberalismo não está necessariamente ligado ao tamanho do Estado.

        • Não confunda Estado grande com carga tributária elevada. A Noruega, de fato, tem uma grande participação estatal na economia. Porém, a atividade regulatória do governo é baixíssima. Com poucos procedimentos impactando nos custos de transação, o país não demanda muitos servidores públicos e muito menos uma administração pública inchada. Resultado: O Estado norueguês consegue a proeza de fechar suas contas com superavit nominal, ou seja, mesmo considerando as despesas com amortizações e serviços de sua dívida soberana, somados aos gastos correntes, o Estado norueguês possui receitas fiscais ainda maiores. Bem diferente da ampla maioria dos Estados considerados fiscalmente responsáveis, que só conseguem superavit’s primários (receitas maiores que as despesas não incluindo o pagamento da dívida).

      • Peo contrário Gabriel, acredito que você esteja equivocado. A Noruega lidera a lista e é um país que fornece grande parte dos seus serviços pela iniciativa pública. Aliás, todos os países escandinavos tem um estado que faz muita coisa para sua população. O liberalismo nesse países são com relação as empresas, mas existem muitas regras do estado.

        • Todo ranking é, por princípio, comparativo. Há muita intervenção em todo lugar. Porém, há países onde, COMPARATIVAMENTE, há menos que em outros. isso explica os países escandinavos: apesar do estado de bem estar social, há comparativamente muito menos interferência que na Venezuela, por exemplo. Isso vale para Alemanha contra Argentina, EUA contra Brasil, e assim por diante.

    • Estado Grande cobra muitos impostos, no liberalismo o cidadão vive, td funciona e vc nem percebe que o Estado existe

      • Não entendo muito bem esta idéia de que liberalismo é um estado “pequeno”. Desculpe-me se eu estiver equivocado, hoje vivo no 3º país do hanking NZ, e o estado parece bastante presente aqui.

        Aqui na NZ se cobra +-28%(varia conforme renda) de imposto em folha + 15% sob qualquer serviço prestado.

        Saúde majoritariamente pública de qualidade, incluíndo um seguro contra acidentes para qualquer pessoa (inclusive turistas) chamado ACC. Literalmente, se você vier visitar a Nova Zelândia e se machucar jogando futebol, não paga nada.

        Escola? Quem diria, a grande maioria é pública e com taxas anuais simbólicas de cerca de $200.

        A Liberdade econômica não é necessariamente diminuir o estado.

        Um exemplo é a venda de energia elétrica aqui. Existem grandes geradoras de energia que vendem para várias empresas. Eu contrato uma empresa que compra energia de várias geradoras e revende. Isso gera concorrência e inovação (entre geradoras, e entre distribuidoras), mas o estado está ali, para fiscalizar e legislar.
        Comparando com o Brasil, eu não tenho a opção de mudar de companhia elétrica, é aquela e acabou, resumindo monopólio, sem liberdade econômica para venda de energia.

        • Eu vivo no brasil… E vc não tem nossão do que se paga de impostos ao governo….. Tudo aqui deveria ser fiscalizado pelo governo mas não é…. Pelos imppstos pagos deveriamos sem um país de primeiro mundo…. Mas a ideologia aqui é ser trabalhador do governo mas não trabalhar…. Existem 4 professoras pra dar aula a alunos em uma primeira serie… E eles terminam o ano sem aprender nada….
          Isso é em tudo…. Existem 4 a 5 pessoas na maquina publica para fazer o que 2 competentes fariam…. São. 80 senadores federais cada um com uma media de 15. A. 20 assessores isso sem falar dos 513 deputados federais….
          Mais os estaduais e todos seus privilegios absurdos como verba gasolina, diarias…. Auxilio terno caro aluguel saúde…… E tudo mais que tu possa imaginar…. Isso é estado presente….

          • por este motivo não voto mais em partidos de esquerda, as pessoas acham que estão ganhando quando recebe benefícios sociais, ai vem a conta gas 80,00, ônibus lotado 4,00 e vai em pé, saúde lixo, 1 anos pra sair um resultado medico entre passar no médico do posto e resultado de exames.

        • José Coelho, ótimo seu exemplo de energia. Isso chama-se concorrência. Então… aqui no Brasil não tem. É monopólio. Estatal. E dá prejuízo (!). NZ é aberta e Brasil fechado. Outro ponto: somente imposto alto não quer dizer Estado grande. NZ recolhe bastante, tem o estado enxuto e essa grana é devolvida para a população em benfeitorias estruturais. >> O Brasil não é inchado porque é pobre… o Brasil é pobre porque tem o Estado inchado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here