Panificadora é atacada por justiceiros sociais por vender doce “preto da alma branca”

Em mais um exemplo do nível ridículo a que chega a militância dos “justiceiros sociais” nas redes sociais, a página da panificadora Conde do Pão no Facebook foi atacada na última quinta-feira (20) pelo movimento racista negro. O motivo? A panificadora vende um tradicional doce chamado “preto da alma branca”.

O movimento racista negro considerou que vender esse doce é racismo
O movimento racista negro considerou que vender esse doce é racismo

Em um comentário que foi copiado e colocado por diversos justiceiros sociais na página de avaliações da panificadora, vender um doce chamado “preto da alma branca” é ignorar “que está localizada em um país com anos e anos de história de escravidão e preconceito racial” e “onde a população negra é maioria, mas é também a que mais morre assassinada”; por isso, a panificadora deveria “mudar o nome racista do doce”.

Outros comentários afirmam que “racismo não deve ser posto à mesa”, que “os pretos e pretas que se ofendem” devem ser respeitados, que o nome do doce é “escroto pra caralho” e que aqueles que criticam o politicamente correto dos justiceiros sociais são “pessoas que não se importam com o pensamento crítico, com as minorias e as lutas”.

Exemplo dos comentários
Exemplo dos comentários na página de avaliações da Conde do Pão. O primeiro comentário foi copiado e colado repetidamente por diversos outros justiceiros sociais

Em resposta aos ataques, a panificadora divulgou uma nota de esclarecimento em que afirma que o doce “preto de alma branca” é “conhecido em todo o país, e também disponibilizado em diversas outras panificadoras e confeitarias Brasil a fora”, e que “assim como outros nomes de quitutes brasileiros como ‘olho de sogra’, ‘maria mole’, ‘nega maluca’ e ‘pé de moleque’, não visa incentivar qualquer tipo de preconceito, contra quem quer que seja”. Nos comentários da nota, diversas pessoas apoiam a panificadora contra o ataque do movimento racista.

De acordo com o site da Conde do Pão, a empresa existe há 40 anos na cidade de Manaus – AM e emprega 286 funcionários em 6 lojas.

Vaquinha O ILISP comprou o domínio "aborto.com.br" e lançará uma campanha pró-vida, mas isso exige recursos. Os interessados em ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

21 COMENTÁRIOS

  1. ZOG- É lamentável. É esse o ensino dado nas univ brasileiras, principalmente ns cursos d história, ciências sociais e geografia é a era da escuridão e da mediocridade politicamente correta (ou UNESCO rules). A mairoria dss pessoas possuem formaç acadêmica (?) ns IFES. Não sabem que a culinária tb faz parte da cultura de qulq país. Estão sendo “contra” a cultura brasileira pr servir a UNESCO/ONU e seus prepostos nacionais. Embora tragicômico é 1 caso pr reflexão sobre a qualidade ds debates sobre a cult brasileira na era do pt que besse campo, infelizmente, será difícil de contornar rapidamente. Lamentável. Att. ZOG

  2. Que tal, Branco de Alma Preta ? fica melhor? kkkkk, o preconceito esta dentro das pessoas, nao em um doce…deveriam procurar algo menos idiota para criticar, quem sabe ler mais?

  3. Vão ver quem está por trás disso. Um bando de jovens que ficam o dia todo sendo alimentados por “todynho, nutella e socialismo” através dessa engenharia social chamada Facebook. O pior é que não reagimos a essas coisas, então é sinal que o a doutrinação no país é um sucesso! Vão fazer isso lá nos EUA ou na Rússia, primeiro tem que fazer uma pesquisa se o dono da padaria não possui um fuzil ou uma escopeta atrás do balcão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here