Peça de Miguel Falabella tem apoio do MinC para captar 13 milhões via Lei Rouanet

Em mais uma demonstração de como o Ministério da Cultura serve apenas para tirar dinheiro dos pobres (via impostos) e entregar a ricos artistas, o Ministério da Cultura (MinC) ofereceu, ainda sob o governo Dilma Rousseff, parecer favorável para a captação via Lei Rouanet de R$ 13.330.127,50 para a montagem do espetáculo musical Annie, com direção e versão de Miguel Falabella e estreia prevista para Março de 2017, na cidade de São Paulo. Resta apenas que a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) aprove o parecer em sua 245a reunião, a qual deve acontecer nos próximos dias 7 a 9 de junho, em Brasília.

De acordo com a justificativa oferecida pelo projeto (e aprovada pelo MinC), “Annie é uma adaptação do espetáculo da Broadway de mesmo título. No formato de espetáculo musical, a peça visa contribuir para o desenvolvimento cultural de seus espectadores.” A própria justificativa do projeto admite que “sem a Lei Rouanet este projeto é totalmente inviável, uma vez que os custos jamais serão cobertos pela bilheteria”, pedindo assim, para que o dinheiro tomado dos pagadores de impostos (que, no final, são sempre os reais pagantes dos impostos cobrados pelo estado das empresas) seja utilizado para financiar a peça de Miguel Falabella.

Vaquinha O ILISP tem atuado contra a legalização do aborto e em defesa do direito à vida no STF. Para custear a causa, lançamos uma vaquinha. Os interessados em nos ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

2 COMENTÁRIOS

  1. E o ingresso será uma fortuna, jamais permitindo que o povo que financiou o evento tenha acesso a tanta erudição.
    Gostaria de saber a quantas anda a bolsa cultura instituída por Marta Suplicy. Era de 50 reais no salário de nao sei qual catchiguria. Quem ganhou/ganha fez/faz o quê?

    • Toda razão. Está sendo desvirtuado o objetivo para o qual a Lei foi criada, que seria apoio à cultura popular. Mas tem sido empregada para que os artistas montem seus espetáculos e cobrem ingressos a preços faraônicos que só uma minoria pode pagar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here