Vila Olímpica custou 5 vezes mais do que previsto e foi feita por empreiteira ligada ao PT

A Vila Olímpica, fonte de reclamações das delegações da Austrália, Estados Unidos, Holanda e Itália, custou cinco vezes mais do que o previsto. Orçada inicialmente em R$ 51 milhões, o conjunto de 31 prédios residenciais, divididos em sete condomínios com 3604 apartamentos de dois, três e quatro quartos, acabou custando R$ 255 milhões. A Vila Olímpica está sendo feita por um consórcio formado por Carvalho Hosken e Odebrecht – empreiteira ligada ao PT e envolvida na Lava Jato – financiados pelo banco estatal Caixa Econômica Federal.

Um dos porta-vozes da Vila Olímpica, Maurício Cruz, afirmou no começo do mês que a Vila possui um “conceito diferente das Olimpíadas anteriores”, “com apartamentos mais confortáveis, condomínio estruturado, perto da praia e da lagoa, para as delegações verem aquilo que é o Rio” e que, portanto, é “de alto padrão”, o que seria uma “grande surpresa para os atletas que já conhecem outras Vilas” por ser “muito superior em relação às outras, inclusive a de Londres”.

De acordo com as primeiras delegações que chegaram à Vila Olímpica, o local sofre com vazamentos, fiações expostas, ausência de objetos causada por furtos, curto circuitos e problemas com a água. A delegação australiana chegou a classificar o local como “inabitável” e em “estado de despreparo”.

1 COMENTÁRIO

  1. 51 milhoes por 3604 apartamentos ? Meio barato demais, hein ? Menos de 15.000 por apartamento ? Obvio que tinha coisa muito da errada nesse orçamento. Já 255.000.000 parece fazer mais sentido, mais próximo da realidade de custos da construção civil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here