Carta aberta ao presidenciável João Amoêdo

Assisti a entrevista que você concedeu ao Antagonista.

Por todo o tempo, fiquei esperando ver algo que pudesse estimular o voto de pessoas comuns. Não vi.

No final, você fez questão de deixar claro que fará uma campanha à Presidência da República defendendo ideias, não atacando pessoas.

Muito bonitinho seu posicionamento, mas gostaria de te lembrar algumas coisas.

Você está no Brasil.

Você quer ser descoberto pelo eleitorado de um país que está tentando sair da maior crise econômica e institucional de sua história. Uma crise provocada pela implantação de ideias que, em conjunto, têm nome: socialismo.

Você está no Brasil de Lula, Bolsonaro, Dilma, Temer, Guilherme Boulos, Aécio, Marina, Collor, FHC, Alckmin, Ciro Gomes, Sarney, Marcelo Freixo e Tiririca.

Você está no país de PT, PSDB, PMDB, MST, UNE, CUT e artistas da Globo.

Você está no país onde edifícios do governo são inaugurados com nomes de assassinos comunistas, onde a grande imprensa se nega a produzir matérias sobre as atrocidades cometidas por socialistas em outros países e a Câmara dos Deputados abre sessão solene para comemorar o centenário do golpe comunista na Rússia.

Você está no país onde a justiça se borra de medo de prender um ex-presidente condenado por corrupção simplesmente porque ele é de esquerda.

Paralelo a isso, temos um traste como Jair Bolsonaro em segundo lugar nas pesquisas eleitorais, mesmo sem contar com apoio da imprensa e do meio cultural. Sabe por quê? Porque ele supre a carência das pessoas por um nome que seja, claramente, oposição a tudo o que citei acima. Porque essas pessoas não aguentam mais ver políticos evitando chamar as coisas pelos seus nomes ou tentando dar outros nomes às mesmas ideias de esquerda de sempre. Essas pessoas não aguentam mais vez políticos protegendo opositores. Não aguentam mais ver políticos com medo de dizer que o socialismo envenenou o Brasil.

Sinto muito, mas, hoje, você não se distingue do político comum. Suas ideias, as quais compartilho, são muito boas, mas… não têm a menor importância no pleito eleitoral de um país como o Brasil.

É preciso aprender certas coisas.

Lula já disse que nem fatos, nem ideias, importam. Um político ou um governo pode fazer o que for, para o bem ou para o mal, que o que prevalecerá será o discurso político. É isto que as pessoas comuns levam para casa e comentam com outras pessoas.

Você, João Amoêdo, pode defender as melhores ideias, mas onde está seu discurso político? Você se propõe a combater o quê? Quem?

O cidadão comum escuta “boas ideias” desde sempre. O que ele não escuta é que os atuais problemas brasileiros são resultado de uma ideologia de gente rica e hipócrita. O cidadão comum quer votar em quem se prontifique a matar o “capeta”, não em quem promete resolver os problemas causados por ele.

Não existe almoço grátis, mas vai de graça minha dica do que você deveria falar para as pessoas:

“Estou aqui para acabar com o socialismo no Brasil porque o socialismo só gera desgraças onde se instala. O socialismo matou mais de 100 milhões de pessoas no último século. O socialismo está fazendo 90% da população da Venezuela passar fome. A atual crise econômica foi causada pelo socialismo. Pessoas como Lula e Alckmin – e partidos como PT, PSOL e PSDB – representam o socialismo no Brasil. Até o Bolsonaro, que se diz de direita, defende ideias socialistas na economia. Chega disso! Chega de socialismo! Chega de ver o governo dando dinheiro dos pagadores de impostos para grandes empresas, artistas ricos e movimentos que bloqueiam estradas e depredam cidades. Chega de ver o governo protegendo bandidos e criminalizando quem trabalha honestamente. Não dá mais para sustentar um monte de estatais, ministérios e repartições que só servem para empregar militantes dos partidos. Chega dessa política que trata pretos, pardos e pobres como pessoas fracas e incapazes de cuidar de suas vidas. Ninguém aguenta mais tanta burocracia e corrupção. Não podemos mais tolerar a erotização de nossas crianças que esses grupos de esquerda estimulam. Tudo isso é socialismo. Chega! As pessoas precisam ter mais liberdade e segurança para trabalhar e cuidar dos filhos. Eu proponho reduzir os impostos e o tamanho do estado porque isso significa mais dinheiro no bolso das pessoas trabalhadoras e nenhum centavo no bolso de parasitas socialistas. É preciso parar com a mentira de que o estado resolve problemas. O estado é o problema. Ele não tem como dar tudo a todos. Ele não tem como saber o que cada indivíduo precisa e merece. O governo só deixa a vida das pessoas mais cara, complicada e perigosa. Eu quero menos governo e mais liberdade. Os socialistas que estão concorrendo comigo nessas eleições querem mais governo e mais controle sobre a sua vida”.

É assim mesmo, repetindo a palavra “socialismo” mil vezes, que você irá se destacar, fazer pessoas comuns falarem sobre você com vizinhos, colegas e amigos.

É urgente fazer o povo correlacionar PT, PSOL e PSDB com o socialismo, e o socialismo com a fome na Venezuela. É urgente dizer a verdade.

João, você não está entrando num debate acadêmico. Você está entrando na política. Não dá para querer lutar de quimono. É luta de rua. No chão. Dedo nos olhos e chute nos joelhos. Não há lugar para elegância. Ou você bate ou apanha. O povo quer ver alguém batendo muito nas pessoas e ideias que afundaram o Brasil.

Por ser uma pessoa comum que está na rua todos os dias e vai à feira três vezes por semana, afirmo com segurança que a grande maioria dos eleitores dos outros candidatos votariam em você se te vissem se comportando, de fato, como um opositor da esquerda. O povo quer um Presidente da República que repudie clara e firmemente tudo o que estiver relacionado ao socialismo. O povo não quer um presidente liberal ou conservador. O povo quer um presidente contra a esquerdopatia que impregnou o estado, a cultura e a imprensa.

Se você se continuar evitando ataques aos símbolos socialistas, será visto como alguém que não tem nada de “novo” a oferecer. Dr. Rey, se candidato, terá mais votos do que você. Mas, se quiser apenas difundir as ideias liberais, recomendo largar a política e escrever um livro.

78 COMENTÁRIOS

  1. Texto perfeito. Ou se vai para o embate político, ou se sucumbe irremediavelmente. Não há meio termo. Desde quando afirmar valores do individualismo e apontar a podridão moral dos coletivistas é ser populista???

  2. João César de Melo
    Parabens pelo texto! É exatamente isso, nós cidadãos comuns estamos de “saco cheio” do politicamente correto, e desse tal “debate de ideias” do “dialogo” , se somarmos a era PT com o igualmente socialista FHC veremos que foram anos e anos de doutrinação marxista, socialista talvez a maioria da população não reaja por imaginar que o Brasil não tem jeito.
    O caminho é esse, talvez o Amoedo não seja o candidato certo, porque o cara tem que vir e realmente dar uma voadora no peito do socialismo .
    Quem vive honestamente o dia, dia no mundo real, sem mutretas, pessoas como eu que ando de condução, circulo pelo centro de São Paulo só vejo melhora para o Brasil se encararmos de frente o inimigo.
    O inimigo é o socialismo, arrancarem quase metade do que ganhamos, por meio dos impostos, para sustentar quem quer nos destruir !! Isso tem que acabar!! Menos Estado já!!

    • BOLSONARO, OK.

      Não sou contra o Bolsonaro, mas acho importante ver novos caminhos, novas alternativas e sair deste eterno debate contra a maldita esquerda. Temos que parar de perder tempo com estes absurdos plantados durante todas estas ultimas décadas, com a “comunismizaçao” da sociedade.

      AMOEDO É UMA EXCELENTE ALTERNATIVA PARA UM PAÍS ECONOMICAMENTE ARRASADO. ELE É SOLUÇÃO.

      Ontem eu escrevi:
      Este senhor JCM, está impregnado pela esquerda, que plantou o foco na miséria, nas minorias, nas aberrações sociais e na propagação do ódio.

      A esquerda vem atuando fortemente no Brasil desde a década de 50, são quase 70 anos de trabalho. Transformando mesquinharias em verdades e todos nós caímos nessa falácia. Eles desviaram o foco de todos para aquilo que não interessa, com objetivo de dividir a sociedade, criando um salvador da pátria, que no caso era o Lula, implantando o caos social, para finalmente através de uma revolução, chegar a uma ditadura democrática “a la Fidel”.

      JCM ou não se deu conta que fazer um discurso como ele quer, é dar força à esquerda; ou então, ele é mais um “contra informante” da própria esquerda, que é um artifício muito bem utilizado por eles, ( vide os blacks blocs).

      Viva o JOÃO AMOEDO, que nos trás propostas concretas e construtivas.

      Basta dos disputas politiqueiras, das desgraças esquerdas-populistas, do inútil discurso de um contra o outro, temos que acreditar que podemos fazer um NOVO CAMINHO.

  3. Este senhor JCM, está impregnado pela esquerda, que plantou o foco na minoria, nas aberrações sociais e na propagação do ódio.

    A esquerda vem atuando fortemente no Brasil desde a década de 50, são quase 70 anos de trabalho. Transformando mesquinharia em verdades e todos caíram nessa falácia. Eles desviaram o foco de todos para aquilo que não interessa, com objetivo de dividir a sociedade, criando um salvador da pátria, que no caso era o Lula, implantando o caos social, para finalmente através de uma revolução, chegar a uma ditadura democrática “a la Fidel”.

    JCM ou não se deu conta que fazer um discurso como ele quer, é dar força à esquerda, ou então, ele é mais um “contra informante” da própria esquerda, que é um artifício muito bem utilizado por eles, ( vide os blacks blocs).

    Viva o JOÃO AMOEDO, que nos trás propostas concretas e construtivas.

    Basta das desgraças esquerdas-populistas.

  4. Absolutamente infeliz esse texto. Talvez um candidato falastrão possa agradar o autor.
    Já dizia o provérbio “O medíocre discute pessoas. O comum discute fatos. O sábio discute ideias.”
    João Amoedo vem com a proposta de discutir ideias. Chega de eleições atrás de eleições ouvirmos apenas baixarias e acusações. Não quero um debate entre presidenciáveis falando de PT, Lula, PSDB, socialismo… já estamos cansados de saber o que a velha política representa. Quero ouvir ideias, propostas, projetos que realmente iram trazer benefícios pro país.

    • Você conhece o brasileiro? Você tem ideia que gente como você não chega a 1% da população e que são pessoas comuns, talvez medíocres, que elegem presidentes, né.

    • Perfeito! Enquanto a política continuar rasa (belicosa, que vive de ataques e de apontar o dedo para vilões) nada irá mudar! Um candidato que se preze e queira apenas discutir ideias e formas de colocar o país em patamares superiores, merece o respeito! E os que adoram ficar falando apenas dos outros que vão para o inferno!

    • Legal, amigo.
      Sugiro que leia mais ou se reúna com outros amigos liberais. Enquanto pode.

      Se não aprendermos a falar com o povo e nos dispusermos a isso, continuaremos a ser ‘traço’ nas pesquisas.

      Aqui não é Noruega.

      • Saber falar com o povo não é ser extremista e se limitar a falar de outros candidatos ou partidos. Saber falar com o povo não é ser populista e falar que vai fazer N postos de saúde ou ampliar os programas sociais.
        Se for pra fazer isso, qual seria a diferença entre um candidato liberal e um intervencionista?
        Saber falar com o povo é falar a verdade, é falar o que precisa ser dito.

  5. Parece-me que João César está um pouco frustrado por não ter um candidato liberal tão populista para votar e decidiu provocá-lo.

    Amoedo vai muito bem em seu propósito, que é de divulgar as idéias e valores do Novo. E faz isso melhor que publicando livro, como sugere o autor.

    A presidência não é o foco do partido. Quem é filiado sabe. No momento, o mais importante é a exposição que se ganha sendo presidenciável.

    • Então quer dizer que os filiados do NOVO que sofrem e investem no partido, inclusive financeiramente, sabem que Amoedo não quer ganhar a eleição, mas apenas aparecer na televisão e se promover, hummm, interessante isso…

  6. Pessoal boa noite. Não sou de entrar em debates políticos apesar de acreditar que tudo é politica.
    Gente vcs estão procurando um Salvador da Pátria se esquecendo que é o Congresso (Câmara + Senado pra aqueles que precisem q desenhe) é quem faz ou muda leis.
    Como governar com a Corja que se instalou e não quer largar o osso? Seja Amoedo, Bolsonaro, Alvaro Dias, gostaria de ouvir destes como se governa e se faz um trabalho decente sem maioria? A postura do Novo e de outros partidos é justamente crescer sua base no Congresso aí sim podemos pensar em mudanças. Com o povo votando em PT, PSOL, PSDB, MDB pra deputado federal e senador, o q podemos esperar? Apenas para alguns raciocinarem…. Abçs a todos e mudança geral já! !!

    • Infelizmente vc tá certo, a corja está no legislativo e no judiciário e tendo um maldito assassino no executivo, o maior negociador de propinas da terra estaremos fadados a engolir um sistema socialista corrosivo goela abaixo, onde só e para eles a coisa flui. Fora esquerdopatas o mundo não os querem. Malditos sifilíticos.

  7. Caro João César,
    Continue rotulando a atuação política entre esquerda e direita, socialismo e capitalismo, e estará contribuindo da mesma forma que os que nada fazem para mudar o cenário hoje existente.
    Exigir que candidatos atuem como salvadores da pátria, que vomitem frases e e assumam posturas populistas não trará nenhum benefício, e é o que menos precisamos neste momento.
    Portanto meu caro, se quer realmente ajudar, nao atrapalhe aqueles que ao divulgar suas ideias estão tentando fazer algo

    • A discussão sobre esquerda versus direita está ultrapassada, apesar de ainda servir como um parâmetro razoável para posicionamentos políticos. Já a discussão sobre socialismo versus capitalismo deveria ser o foco de todo e qualquer debate que se preze.

  8. Aos que estão com noginho do texto, aqui vai: tem um vagabundo ma sua sala dizendo que vai matar sua família toda, mas alguns aqui acham que a solução é mostrar pra ele que a vida precisa ser diferente.

  9. O Amoedo não é um Zé Mané qualquer…. não é bilionário a toa! Com certeza é estratégia criada por ele e seus consultores e marqueteiros políticos, que devem ter avaliado que tal postura atrairá mais votos e capital político do que a guerrilha bolsonariana!

  10. Prezado João, bom ler alguém com ideias as quais partilhamos. No entanto, concordo 100% com o Amoêdo quando ele estabelece as regras do ringue em que irá atuar. O povo brasileiro terá, mais cedo ou mais tarde, que aprender que os problemas do Brasil não serão solucionados pelo Lula, Dilma ou o poste que for escolhido pelo PT. Que nossos problemas também não serão solucionados pelo o Bolsonaro ou o Villa Boas. Que também não serão solucionados pelo Joaquim Barbosa ou o Roberto Barroso, muito antes pelo contrário. Tudo porque o que cada um desses e seus respectivos partidos, independentemente de nomes, estão oferecendo à sociedade, um balde de soluções tiradas do bolso do colete, sem fundamento algum, apenas serão mais do mesmo e o Brasil seguirá na mesma marcha em que se encontra hoje. Quando o Amoêdo fala que fará um debate de ideias, acredito, será justamente para demonstrar que as ideias desses “candidatos” não levam a lugar algum que não à economia semi socialista em que vivemos e que proporcionou a países como Cuba, Venezuela, Argentina (em tempos recentes) e outros menos cotados, um eterno lugar entre os países fracassados, com um povo inculto, despreparado e, por decorrência, desempregado e dependente de migalhas. Ele deverá demonstrar que o empoderamento do governo é a desgraça de seu povo, que as estatais não passam de cabides de emprego, que quanto mais o governo se mete em tudo, mais corrupção viveremos e daí por diante. Se o Amoêdo optar pelo bate boca, será apenas mais um dentre essas figuras desclassificadas que estarão possivelmente participando da próxima eleição. O que ele teria a ganhar batendo boa com o semi analfabeto do Ciro? Ou com a inteligência “artificial” da Marina? ou, pior, com a estupidez do Bolsonaro ou as mentiras do PT? Acho que ele perderá o pouco tempo que tem na mídia e na TV e as ideias liberais não ecoarão nos ouvidos e mentes do nosso pobre sofrido (por sua própria opção, diga-se de passagem) povo brasileiro. Uma única eleição pode ser suficiente para termos um novo país, com um outro ritmo de desenvolvimento e progresso. Mas o povo precisa aprender que esse processo exigirá sacrifícios, embora, certamente, muito menores do que as dores do inferno eterno em que temos nos metido desde que o Brasil é Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here