Carta aberta ao presidenciável João Amoêdo

Assisti a entrevista que você concedeu ao Antagonista.

Por todo o tempo, fiquei esperando ver algo que pudesse estimular o voto de pessoas comuns. Não vi.

No final, você fez questão de deixar claro que fará uma campanha à Presidência da República defendendo ideias, não atacando pessoas.

Muito bonitinho seu posicionamento, mas gostaria de te lembrar algumas coisas.

Você está no Brasil.

Você quer ser descoberto pelo eleitorado de um país que está tentando sair da maior crise econômica e institucional de sua história. Uma crise provocada pela implantação de ideias que, em conjunto, têm nome: socialismo.

Você está no Brasil de Lula, Bolsonaro, Dilma, Temer, Guilherme Boulos, Aécio, Marina, Collor, FHC, Alckmin, Ciro Gomes, Sarney, Marcelo Freixo e Tiririca.

Você está no país de PT, PSDB, PMDB, MST, UNE, CUT e artistas da Globo.

Você está no país onde edifícios do governo são inaugurados com nomes de assassinos comunistas, onde a grande imprensa se nega a produzir matérias sobre as atrocidades cometidas por socialistas em outros países e a Câmara dos Deputados abre sessão solene para comemorar o centenário do golpe comunista na Rússia.

Você está no país onde a justiça se borra de medo de prender um ex-presidente condenado por corrupção simplesmente porque ele é de esquerda.

Paralelo a isso, temos um traste como Jair Bolsonaro em segundo lugar nas pesquisas eleitorais, mesmo sem contar com apoio da imprensa e do meio cultural. Sabe por quê? Porque ele supre a carência das pessoas por um nome que seja, claramente, oposição a tudo o que citei acima. Porque essas pessoas não aguentam mais ver políticos evitando chamar as coisas pelos seus nomes ou tentando dar outros nomes às mesmas ideias de esquerda de sempre. Essas pessoas não aguentam mais vez políticos protegendo opositores. Não aguentam mais ver políticos com medo de dizer que o socialismo envenenou o Brasil.

Sinto muito, mas, hoje, você não se distingue do político comum. Suas ideias, as quais compartilho, são muito boas, mas… não têm a menor importância no pleito eleitoral de um país como o Brasil.

É preciso aprender certas coisas.

Lula já disse que nem fatos, nem ideias, importam. Um político ou um governo pode fazer o que for, para o bem ou para o mal, que o que prevalecerá será o discurso político. É isto que as pessoas comuns levam para casa e comentam com outras pessoas.

Você, João Amoêdo, pode defender as melhores ideias, mas onde está seu discurso político? Você se propõe a combater o quê? Quem?

O cidadão comum escuta “boas ideias” desde sempre. O que ele não escuta é que os atuais problemas brasileiros são resultado de uma ideologia de gente rica e hipócrita. O cidadão comum quer votar em quem se prontifique a matar o “capeta”, não em quem promete resolver os problemas causados por ele.

Não existe almoço grátis, mas vai de graça minha dica do que você deveria falar para as pessoas:

“Estou aqui para acabar com o socialismo no Brasil porque o socialismo só gera desgraças onde se instala. O socialismo matou mais de 100 milhões de pessoas no último século. O socialismo está fazendo 90% da população da Venezuela passar fome. A atual crise econômica foi causada pelo socialismo. Pessoas como Lula e Alckmin – e partidos como PT, PSOL e PSDB – representam o socialismo no Brasil. Até o Bolsonaro, que se diz de direita, defende ideias socialistas na economia. Chega disso! Chega de socialismo! Chega de ver o governo dando dinheiro dos pagadores de impostos para grandes empresas, artistas ricos e movimentos que bloqueiam estradas e depredam cidades. Chega de ver o governo protegendo bandidos e criminalizando quem trabalha honestamente. Não dá mais para sustentar um monte de estatais, ministérios e repartições que só servem para empregar militantes dos partidos. Chega dessa política que trata pretos, pardos e pobres como pessoas fracas e incapazes de cuidar de suas vidas. Ninguém aguenta mais tanta burocracia e corrupção. Não podemos mais tolerar a erotização de nossas crianças que esses grupos de esquerda estimulam. Tudo isso é socialismo. Chega! As pessoas precisam ter mais liberdade e segurança para trabalhar e cuidar dos filhos. Eu proponho reduzir os impostos e o tamanho do estado porque isso significa mais dinheiro no bolso das pessoas trabalhadoras e nenhum centavo no bolso de parasitas socialistas. É preciso parar com a mentira de que o estado resolve problemas. O estado é o problema. Ele não tem como dar tudo a todos. Ele não tem como saber o que cada indivíduo precisa e merece. O governo só deixa a vida das pessoas mais cara, complicada e perigosa. Eu quero menos governo e mais liberdade. Os socialistas que estão concorrendo comigo nessas eleições querem mais governo e mais controle sobre a sua vida”.

É assim mesmo, repetindo a palavra “socialismo” mil vezes, que você irá se destacar, fazer pessoas comuns falarem sobre você com vizinhos, colegas e amigos.

É urgente fazer o povo correlacionar PT, PSOL e PSDB com o socialismo, e o socialismo com a fome na Venezuela. É urgente dizer a verdade.

João, você não está entrando num debate acadêmico. Você está entrando na política. Não dá para querer lutar de quimono. É luta de rua. No chão. Dedo nos olhos e chute nos joelhos. Não há lugar para elegância. Ou você bate ou apanha. O povo quer ver alguém batendo muito nas pessoas e ideias que afundaram o Brasil.

Por ser uma pessoa comum que está na rua todos os dias e vai à feira três vezes por semana, afirmo com segurança que a grande maioria dos eleitores dos outros candidatos votariam em você se te vissem se comportando, de fato, como um opositor da esquerda. O povo quer um Presidente da República que repudie clara e firmemente tudo o que estiver relacionado ao socialismo. O povo não quer um presidente liberal ou conservador. O povo quer um presidente contra a esquerdopatia que impregnou o estado, a cultura e a imprensa.

Se você se continuar evitando ataques aos símbolos socialistas, será visto como alguém que não tem nada de “novo” a oferecer. Dr. Rey, se candidato, terá mais votos do que você. Mas, se quiser apenas difundir as ideias liberais, recomendo largar a política e escrever um livro.

78 COMENTÁRIOS

  1. Infelizmente o povo é comandado pela emoção e não pela razão. Um discurso político, por mais mentiroso que seja, se destaca muito mais do que ideias e estratégias de governo.

  2. Humildemente, discordo. Um dos pontos mais positivos da campanha da Carmen Migueles no Rio em 2016, da qual tive a honra de ser vice, foi poder mostrar que é possível fazer política de um jeito diferente. Ficamos longe de ganhar, é verdade. Mas plantamos sementes que estão dando frutos valiosos e duradouros. Estudantes que vinham a nosso encontro após os debates são hoje multiplicadores da filosofia de não transigir, de jogar sempre limpo, de só dizer a verdade, de não transformar em pessoal o que deve ficar no campo das ideias. Expusemos o socialismo pelo que ele é, uma fraude. Mostramos com exemplos do mundo real as conquistas do liberalismo. Sem precisar ofender ou levantar a voz. Pouco? Talvez. Pessoalmente, acho que foi o possível, e que tem muito valor. Se algum dia o Brasil se tornar um país diferente, melhor, será por esse caminho. Não há atalhos. Se há, não quero parte nisso. E até onde sei, o João Amoêdo também não quer.

  3. Um país que se mata Macaco por conta de um surto de febre amarela.. Já sabemos o que no espera nas eleições!!

  4. “Você, João Amoêdo, pode defender as melhores ideias, mas onde está seu discurso político? Você se propõe a combater o quê? Quem?“
    Está tão claro na entrevista que o inimigo é o ESTADO e a CORRUPÇÃO. E ficou mais claro ainda que o combate será contra os dois… Talvez faltou assistir mais umas vezes… ? Se querem populismo, existe o Bolsonaro, mas se não querem, apoiem o NOVO. O caminho que super-vilão e super-herói já não mostrou ser o corrreto, e a própria população verá isso nos últimos 3 meses…
    Muito estranho essa crítica de vcs, que já foram menos contraditórios no que falam.

    • Cristhiano, entendo teu ponto e aos meus ouvidos o discurso do Amoêdo o torna o candidato do meu voto (pelo menos até o momento). Mas também concordo com o que o texto diz no sentido de que a grande maioria da população não possui iniciação nenhuma em política econômica e social liberal, e por isso não sabe o que as ideias defendidas pelo Amoêdo representam.
      O Bolsonaro fala besteiras em cima de besteiras mas tem os ouvidos da população atentas para ele pelo fato de o mesmo dizer o que os outros não dizem. Por representar a quebra do politicamente correto.
      A prova disso é o fato de ele não defender grandes mudanças quando comparado as candidatos socialistas atuais, mas tem grande apoio da população que quer algo “novo”.
      Brasil é o país do Tiozão. O que mais importa no discurso é o quão chamativo o mesmo é e não apenas o conteúdo que o mesmo traz.
      O Amoêdo diz na entrevista claramente que o inimigo é o Estado e a Corrupção, mas o texto que o João César tmb, só que de uma forma muito mais chamativa. ˆˆ

    • Disse tudo! Somos um partido de ideias e somos diferentes dos demais. Se querem políticos populistas eles já existem e estão por aí aos montes. Temos o lacrador e o mitador, mas eu prefiro apoiar o idealizador.

      • Mitador não é populista me diga o que o deixa populista, populista é o corruPTo lacrador com bolsa miséria populista é aquele que ja teve o poder e fez políticas socialistas para escravizar povo o mitador nem poder teve ainda o idealizador tem até boas idéias mas só precisamos de presidenciável que cuide primeiro da segurança pública , baixe os impostos absurdos , e seja liberal na economia e isso o mitador ta se saindo muittoooooooooooooo a frente!

  5. Não é o que você defende que diz quem você é.

    É o que você combate.

    Obrigado pela crítica construtiva.

  6. Mas essa é a essência do Novo: um punhado de almofadinhas que vivem numa bolha. Acham que vão largar o faisão e o Veuve Cliquot pra botarem a mão na massa e buscar o voto do povão? Esperem sentados.

  7. E o ilisp quer que Amoedo faça o q sempre se fez no Brasil e q nos trouxe a essa porcaria de país?
    Por um novo país precisamos de atitude diferente. Inclusive uma nova postura dos liberais.

  8. O seu problema João César, é que você pensa como os velhos políticos, daí não conseguir entender que só se poderá reinventar uma nova política com um novo pensamento, uma nova forma de fazer política, sem atalhos, e sem conseguir entender isso, jamais você jamais entenderá João Amoedo, no máximo repetiria os mesmos erros dos que hoje estão saindo desmoralizados!

    • BOLSONARO, OK.

      Não sou contra o Bolsonaro, mas acho importante ver novos caminhos, novas alternativas e sair deste eterno debate contra a maldita esquerda. Temos que parar de perder tempo com estes absurdos plantados durante todas estas ultimas décadas, com a “comunismizaçao” da sociedade.

      AMOEDO É UMA EXCELENTE ALTERNATIVA PARA UM PAÍS ECONOMICAMENTE ARRASADO. ELE É SOLUÇÃO.

      Ontem eu escrevi:
      O JCM, está impregnado pela esquerda, que plantou o foco na miséria, nas minorias, nas aberrações sociais e na propagação do ódio.

      Os socialistas e os comunistas vem atuando fortemente no Brasil desde a década de 50, são quase 70 anos de trabalho. Transformando mesquinharias em verdades e todos nós caímos nessa falácia. Eles desviaram o foco de todos para aquilo que não interessa, com objetivo de dividir a sociedade, criando um salvador da pátria, que no caso era o Lula, implantando o caos social, para finalmente através de uma revolução, chegar a uma ditadura democrática “a la Fidel”.

      JCM ou não se deu conta que fazer um discurso como ele quer, é dar força à esquerda; ou então, ele é mais um “contra informante” da própria esquerda, que é um artifício muito bem utilizado por eles, ( vide os blacks blocs).

      Vivas a JOÃO AMOEDO, que nos trás propostas concretas e construtivas.

      Basta dos disputas politiqueiras, das desgraças esquerdas-populistas, do inútil discurso de um contra o outro, temos que acreditar que podemos fazer um NOVO CAMINHO.

  9. Acho impressionante q o autor critique Amoedo dizendo q ele é igual aos q ai estão e passe o texto todo dizendo q ele deveria fazer discursos como os q ai estão.

    O Discurso do Amoedo é claro: Menos estado e mais indivíduo. Se vc espera alguém q fala muito pra chamar atenção vc sempre pode continuar fazendo um 13 nas urnas. Ou no caso dessa tem o Bolsonaro q segue o mesmo estilo de falar o q é óbvio q ele não segue.

    Se Amoedo começar a fazer discurso populista só pra chamar atenção, ai sim ele vai estar sendo um político comum dos q temos ai e assim é que ele conseguiria perder o meu voto e certamente muitos outros.

    Outro conselho grátis pra ele é “Continue se diferenciando dos políticos comuns! Mais da metade dos brasileiros rejeitando todos os políticos não é a toa!”

    Agora o conselho pro escritor do artigo é: Se vc ainda acha que o cenário político é arbitrariamente dividido entre esquerda e direita, vc deveria pensar um pouco antes de escrever as coisas sobre o nome de instituto Liberal, pois vc está desonrando tudo que um liberal é. Tanto neste discurso quanto em querer achar q o seu ponto de vista é A FORMA de fazer política indiscutível.

    • Acho que você não entendeu a carta aberta. Não adianta falar em menos Estado (que eu concordo demais!). É preciso DESENHAR isso para 200 milhões de analfabetos políticos que sofrem da Síndrome de Estocolmo. Ou o Novo assume um discurso mais COMBATIVO (não populista, entenda), ou assume seu lugar como organizador de palestras e passeatas ocasionalmente em qualquer lugar do país.

  10. “Paralelo a isso, temos um traste como Jair Bolsonaro em segundo lugar nas pesquisas eleitorais, mesmo sem contar com apoio da imprensa e do meio cultural. Sabe por quê? Porque ele supre a carência das pessoas por um nome que seja, claramente, oposição a tudo o que citei acima.”

    suprir a carência de quem? suprir a carência é justamente fazer o que a esquerda fez nesses últimos anos: ficar distribuindo e prometendo coisas. coisa chata, político ta aí pra governar e gerir os serviços básicos que que o governo deve oferecer e não pra ficar fazendo discursinho político e suprindo carência de ninguém, sobretudo no executivo.

    Acorda, tu ta pedindo a mesma coisa que a galera pão com mortadela, só que travestida de outra ideologia.

  11. João César de Melo, parabéns pelo texto, eu apoio Bolsonaro mas fico contente de ver que existe um liberal que entende algo além de economia, infelizmente esse João aí, se chegar a ler, não vai entender nada do que você falou. Olavo já nos ensinou que a política não é uma disputa de idéias, é uma disputa entre pessoas.

  12. Uma leitura complementar para os que ainda estão revoltados com esse texto do João César, e não tem a menor ideia da situação que estamos vivendo (é longo, mas separem um tempinho, vale a pena a leitura): https://medium.com/@mateusmatosdiniz/pol%C3%ADtica-e-polidez-o-que-bolsonaro-tem-a-ensinar-%C3%A0s-potestades-liberais-e-conservadoras-83607f55ac26

    Esse trecho tem a ver com o assunto:
    “Por isso mesmo João Amoedo não poderia jamais ganhar esta eleição, mesmo que Bolsonaro nem sequer fosse candidato, simplesmente porque ele respeita, estima e cultua cada corredor do estamento burocrático, cada virtude maquiada de vício criada pela modernidade. Infelizmente, ele preza excessivamente por nossas falidas instituições e por sua trajetória em grandes bancos Brasil afora. Isso não quer dizer que ele seja uma má pessoa, mas simplesmente que ele não está pronto para o que precisa ser feito, pois sua personalidade não está em jogo aqui, e o brasileiro médio facilmente nota que alguém assim não rompe verdadeiramente com que estava sendo feito. Entre o antigo velho e um novo velho, melhor o antigo, pois detém mais experiência, ainda que seja experiência na prática da sandice.”

    • Muito lúcido o texto indicado. Bastante abrangente e recheado de verdades incômodas para os defensores da política como arena “das discussões de idéias”. O artigo desnuda com riqueza de passagens aquilo tudo que Amoedo prefere ignorar : que o que os fascínoras lulistas e assemelhados querem é isso mesmo; oponentes dispostos a esgrimir argumentos acadêmicos com punhos de seda, enquanto emplacam mais um “queer museum” em cada escola pública, com direito a verba da Lei Rouanet e cobertura jornalística da Globonews

  13. O discurso do Novo é obsoleto.
    Com essa postura não haverá a mudança à qual se pretende.

    Não se trata de assumir uma postura “populista”, mas uma postura COMBATIVA.

      • Ótimo, Ricardo. Vamos aguardar a esquerda governar 200 anos, educar o Brasil inteiro e então entender, tecnicamente, o que quer dizer Estado mínimo.

        Quando esse processo findar, me chame que eu volto para o Brasil.

  14. Seria cômico se não fosse trágico. Na empresa de tecnologia em que eu trabalho (supostamente pessoas cultas, educadas, inteligentes,etc), a maioria seria caracterizada como coxinha, detestam o Lula, detestam o “comunismo” (mas não sabem direito o que é), acham o Bolsonaro o melhor. Falei do João Amoedo um dia no almoço, nem sabiam quem era! Que é pré-candidato. Falei que era um candidato mais “liberal” (também não sabem o que é direito), mais defensor do capitalismo, etc, até gostaram um pouco e falaram que iriam pesquisar sobre. Falei também que era defensor da privatização das estatais. Aí começaram a chiar com aquele argumento jenial de que a empresa gringa iria ficar mandando os lucros para o exterior e a gente a ver navios. A batalha é árdua. A ignorância econômica é generalizada. O esquerdismo grassa, até entre quem é supostamente de direita.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here