Hitler e o nazismo: uma política nacional-socialista e, portanto, de esquerda

Em 16 de junho de 1941, enquanto Hitler preparava suas forças para a Operação Barbarossa, Joseph Goebbels planejava uma nova ordem que os nazistas imporiam sobre a Rússia após esta ser conquistada. Não haveria retorno, escreveu, para os capitalistas, sacerdotes ou czares, e em vez do “bolchevismo judaico corrupto”, as Forças Armadas implantariam “der echte Sozialismus”: o socialismo real.

Goebbels nunca duvidou de que era socialista. Ele via o nacional-socialismo (vulgo “nazismo”) como uma forma melhor e mais plausível de socialismo do que o propagado por Lênin. Em vez de se estender por diversas nações, ele operaria dentro de cada pessoa.

A vitória cultural da esquerda moderna foi tão absoluta que a simples exposição desse fato perturba, mas poucos na época teriam visto a questão como controversa. Como escreveu George Watson em The Lost Literature of Socialism:

Está claro, sem a menor sombra de dúvida, que Hitler e seus companheiros eram socialistas e de esquerda.

A pista está no nome. Gerações posteriores de esquerdistas tentaram justificar a estranha nomenclatura do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (PNSTA) como sendo um truque publicitário cínico ou uma coincidência embaraçosa. Na verdade, o nome significava exatamente o que dizia.

Hitler disse a Hermann Rauschning, um prussiano que trabalhou por um curto período de tempo para os nazistas antes de rejeitá-los e fugir do país, que admirava grande parte do pensamento dos revolucionários que conhecera na juventude, mas que sentia que eles falavam demais e agiam pouco. “Coloquei em prática o que aqueles propagandistas e escribas timidamente começaram”, gabava-se, acrescentando que “o Nacional-Socialismo inteiro era baseado em Marx”.

O erro de Marx, pensava Hitler, foi estimular a luta de classes no lugar da unidade nacional – jogar trabalhadores contra industriais em vez de alistar ambos os grupos em uma ordem corporativista. Seu objetivo, disse a seu conselheiro econômico, Otto Wagener, era “converter o povo alemão ao socialismo sem matar os antigos individualistas” – no caso, banqueiros e proprietários de fábricas – que poderiam servir melhor ao socialismo gerando receita para o estado. “O que o marxismo, o leninismo e o stalinismo não conseguiram realizar”, disse Hitler a Wagener, “nós temos condições de alcançar.”

A ideia de que o nazismo é uma forma mais extremada da “direita” foi incutida na cultura popular. Pode-se vê-la quando “especialistas” chamam partidos revolucionários anticapitalistas e nacionalistas, como o Aurora Dourada grego, de “extrema-direita”.

Em que se baseia essa associação? Na ideia infantil de que a esquerda é sinônimo de compaixão e tudo que foi contrário a ela é repugnante. Quando exposta dessa forma, essa ideia soa estúpida, mas pense nos grupos ao redor do mundo que mídia classifica como “extrema-direita”: o Talibã, que ambiciona a propriedade comunal dos bens; os revolucionários iranianos, que aboliram a monarquia, confiscaram indústrias e destruíram a classe média; Vladimir Zhirinovsky, que almejava o stalinismo. A tática maçante de classificar nazistas como extremistas de “direita” é sintoma de uma ideia mais ampla de que “direita” é sinônimo de “vilania”.

Um dos meus eleitores certa vez se queixou à BBC sobre uma reportagem sobre a repressão dos povos indígenas no México, na qual o governo era dito de “direita”. O partido no governo, ele observou, era membro da Internacional Socialista e, mais uma vez, o nome denunciava: Partido Revolucionário Institucional. A resposta da BBC foi impagável. Sim, eles reconheceram que o partido era socialista, “mas o que o nosso correspondente estava querendo comunicar era que ele era autoritário.”

Imagem do Partido Nazista Alemão onde é possível ler: “O trabalhador Nacional Socialista Alemão resiste ao capitalismo.”

Aliás, o autoritarismo era característica comum dos socialistas das variedades nacional e leninista, que logo se apressaram em mandar uns aos outros a campos de concentração ou pelotões de fuzilamento. Cada facção abominava e tinha o outro como herege, mas ambos desprezavam os individualistas defensores do livre mercado irremediavelmente. A batalha entre eles foi ainda mais dura, como observou Hayek em 1944, pois foi uma batalha entre irmãos.

O autoritarismo – a crença de que a coerção estatal é justificável na busca por um objetivo maior como o progresso científico ou a redução da desigualdade – é tradicionalmente uma característica tanto dos socialdemocratas quanto dos revolucionários.

Jonah Goldberg registrou o fenômeno detalhadamente em sua obra magna, Fascismo de Esquerda. Muitas pessoas tomam o título como ofensa, mas Jonah revela, já nas primeiras páginas, que a frase não é de sua autoria. Trata-se de uma citação do esquerdista H. G. Wells, que, em 1932, declarou ao movimento Young Liberals (a esquerda capturou o termo “liberal” nos EUA, tirando-o de seu contexto original) que eles deviam se tornar “fascistas de esquerda” e “nazistas iluminados”.

Naqueles dias, a maioria dos mais célebres intelectuais de esquerda, incluindo Wells, Jack London, Havelock Ellis e os Webbs, tendiam a defender a eugenia, convencidos de que a única coisa que detinha o desenvolvimento de uma espécie humana mais saudável eram os obstáculos religiosos. A forma insensível como descreveram essas ideias, assim como as verdadeiras palavras de Hitler, foram amplamente eliminadas do debate. Eis, por exemplo, o que afirmou George Bernard Shaw em 1933:

O extermínio deve se basear numa base científica para que seja executado de forma humana, condolente, bem como absoluta… Se almejamos um certo tipo de civilização e cultura, devemos exterminar o tipo de gente que não se adequa a estas.

A eugenia, é claro, descamba facilmente para o racismo. O próprio Engels escreveu a respeito do “lixo racial” – os grupos que seriam necessariamente suplantados quando o socialismo científico se concretizasse. Acrescente a essa visão de mundo uma pitada de anticapitalismo e o que se obtém na maioria das vezes é antissemitismo de esquerda – outra coisa que foi eliminada da memória histórica, mas já foi algo óbvio. “Como é possível ser socialista e não ser antissemita?”, questionou Hitler aos membros de seu partido em 1920.

Logo, da próxima vez que ouvir esquerdistas usando a palavra “fascista” ou “nazista” como insulto genérico, aponte cordialmente a diferença entre o que eles imaginam que defendia o PNSTA e o que o partido de fato pregava.

O Partido Nazista Holandês era igualmente explícito. Na imagem acima é possível ler: “Com a Alemanha Contra o Capitalismo.”

Tradução: Igor Saito. Revisão: Marcelo Faria

 

88 COMENTÁRIOS

  1. Antes de mais os conceitos de «direita» e «esquerda» só têm sentido no âmbito de uma democracia pluripartidária parlamentar, e como tal não se devem aplicar a nenhum deste regimes. Os dois sistemas têm em comum o partido único e a ausência de humanismo, com uma forte pressão do Estado sobre o indivíduo. Mas as semelhanças acabam aí. O elemento principal do N.S. é o racismo e o anti-semitismo levados ao extremo, que eram caraterísticas das mentalidades conservadoras europeias, embora longe do nível de assassínio em massa. Para um marxista os inimigos não são os judeus, mas os capitalistas. No N.S. não há nacionalizações excetuando, naturalmente, os judeus. Foi um sistema fortemente capitalista, com grandes lucros para as maiores empresas privadas e com muitas das ideias mais conservadoras, como por exemplo o papel secundário e submisso da mulher.

  2. Sim, era totalmente marxista, Hitler perseguiu e assassinou os integrantes de partidos de esquerda só de brincadeira com os amigos. Que texto medíocre.

    O que aconteceu de fato na Alemanha e na Itália foi profundamente diferente do que aconteceu na URSS. Inclusive o ocidente apoiou Hitler antes de se tornar um problema pra Europa pois tinham medo que o pensamento comunista crescesse na Alemanha, por passar por uma crise profunda. E foi isso que Hitler fez, combateu ferozmente o pensamento marxista na alemanha.

    Algumas citações que qualquer um que não esteja sendo muito mal intencionado ou preguiçoso poderia encontrar pra derrubar esse texto.

    “Nós lutamos pela manutenção da propriedade privada… nós protegeremos a iniciativa privada como a mais eficiente, ou mais realista, forma de ordem econômica.”
    http://www.csun.edu/~vcmth00m/socialism.html

    “Meu socialismo nada tem a ver com marxismo. Marxismo é anti-propriedade. O Socialismo verdadeiro não é.”
    – Francis Ludwig Carsten, The Rise of Fascism, University of California Press, 1982, p. 137. Hitler quote from Sunday Express.

    “Nesse tempo, abriram-se-me os olhos para dois perigos que eu mal conhecia pelos nomes e que, de nenhum modo, se me apresentavam nitidamente na sua horrível significação para a existência do povo germânico: marxismo e judaísmo.”
    – “Mein Kampf”, p. 12.

    “A doutrina judaica do marxismo repele o princípio aristocrático na natureza. Contra o privilégio eterno do poder e da força do indivíduo levanta o poder das massas e o peso-morto do número. Nega o valor do indivíduo, combate a importância das nacionalidades e das raças, anulando assim na humanidade a razão de sua existência e de sua cultura. Por essa maneira de encarar o universo, conduziria a humanidade a abandonar qualquer noção de ordem. E como nesse grande organismo, só o caos poderia resultar da aplicação desses princípios, a ruína seria o desfecho final para todos os habitantes da Terra.” Mein Kampf, p.31

    “Nos anos de 1913 e 1914 manifestei a opinião, em vários círculos, que, em parte, hoje estão filiados ao movimento nacional-socialista, de que o problema futuro da nação alemã devia ser o aniquilamento do marxismo” Mein Kampf, p. 69.

    “O marxismo aparece como a tentativa dos judeus para enfraquecer, em todas as manifestações da vida humana, o princípio da personalidade e substituí-lo pelo prestígio das massas. Em política, o marxismo tem. a sua forma de expressão no regime parlamentar cujos efeitos sentimos desde as menores células da comunidade até as posições mais eminentes do Reich. No que diz respeito à economia, o efeito disso é o estabelecimento de uma organização que, na realidade, não serve aos interesses do proletariado mas aos propósitos destruidores do judaísmo internacional.” p. 185.

    • O socialismo não é apenas o marxismo. E nada perseguiu mais militantes de esquerda do que ditaduras de esquerda. Vide Stalin, Mao, Pol Pot.

      • Me desculpe, mas essa sua resposta não rebate nenhum dos argumentos postados pelo Raul. Sugiro a leitura do livro ” Mein Kampf” e da monumental obra de Ian Kershaw.

        • A ideia não era rebater os argumentos, mesmo porque falaremos várias vezes sobre o assunto e não sou de escrever textão em comentários, foi apenas apontar a falha no argumento dele mesmo.

          • “Você descreveu o fascismo. Parabéns.”
            Você escreveu isso acima, quando descrevi a ditadura militar brasileira, que era de direita, portanto você acaba concordando que o fascismo é de direita, aliás extrema-direita. Parabéns.

          • A ditadura militar brasileira só é “de direita” na cabeça dos militantes socialistas. Abraço.

          • “A ditadura militar brasileira só é “de direita” na cabeça dos militantes socialistas.”Só falta agora você colocar no mesmo saco Pinochet, Stroessner e os miltares argentinos.
            Me desculpe, mas seu desconhecimento em história é desumano.

        • Desculpe, mas livros de paixões, teorias, suposições, conto-de-fadas, enfim, devaneio no autor não tem valor científico.

          O que está em foco é: O papel do estado segundo a “Assembleia dos Estados Gerais de 1789” que dividiu os pensamentos políticos em dois polos: Esquerda e Direita:
          Objetos da Esquerda: Paternalismo, assistencialismo, intervenção (regulação), corporativismo (fascismo), controle, concentração. Isto é, o Estado é o grande pai em que todos dependem dele e não há vida fora dele (pena de morte).
          Objetos da Direita: Liberalismo, livre iniciativa, não-intervenção (desburocratização), propriedade privada; em resumo, o estado apenas onde ele é essencial e indispensável.

    • “Meu socialismo nada tem a ver com marxismo. Marxismo é anti-propriedade. O Socialismo verdadeiro não é.”
      “não serve aos interesses do proletariado mas aos propósitos destruidores do judaísmo internacional.”
      Essas duas citações que vc mesmo nos trouxe mostra que Hitler era socialista e se via como tal, mas em algum momento passou a enxergar o marxismo como um falso socialismo pois identificou seu internacionalismo com o povo judeu capitalista financeiro apátrido e internacional que ele via como a grande ameaça à Alemanha como nação.

  3. O nazismo apoiava teorias como a hierarquia racial e o darwinismo social, o nazismo rejeitava o conceito de luta de classes e defendia a propriedade privada.
    Assim sendo o nazismo é uma ideologia de extrema-direita, q surge para combater o sindicalismo e o comunismo.

    • Deve ter por isso que ele trocou o conceito de “classes” por raças e fez um pacto secreto com Stalin… não, pera.

      • O pacto com Stalin foi apenas para ganhar tempo. Ele nunca pensou em mante-lo. Até Stalin sabia disso, mas achou que ele demoraria um pouco mais para rompe-lo. Tem muito livro bom que fala sobre isso, a maioria não escritos por gente “de esquerda”…

    • Você ao menos sabe o que significa os temos que você uso?
      Sabe o que é Eugenia?
      Luta de classe? Ou seja: Você era fiel ao estado ou era inimigo.
      Você sabia que o sindicalismo tem origem no fascismo (corporativismo) italiano e na ideologia de Lênin? (sindicato único estatal, controle sobre ofícios, contribuição e associação compulsória).
      Propriedade privada? No auge do nazismo, toda a propriedade estava a servido do estado, inclusive os próprios cidadãos alemão que (juntamente com os dos países ocupados) eram escravizados a serviço do estado.
      Extrema-direita? Oi? Anarquista = ausência de estado.
      Hitler, Mussolini e Stalin praticaram o totalitarismo (o estado controla tudo) e rejeitava qualquer tipo de liberdade ou qualquer ideologia que fosse sequer próximo a direita.

  4. Faltou dizer que que Hitler entrou primeiro no Partido do Trabalhador Alemão, que posteriormente passou a se chamar Partido Nacional socialista do trabalhador Alemão e finalmente Partido do nacional socialismo ou NAZISMO. qualquer semelhança não é mera coincidência. Vale pesquisar o nome dos partidos das grandes ditaduras, bem como quais tem a estrela vermelha como símbolo

    • O debate “nazismo de esquerda” desperta várias considerações. Vou tentar ser objetivo.

      01) argumento do nome – O partido nazista se chamava Partido Nacional Socialista. Acreditar que o nome contenha a essência de tudo é nominalismo ingênuo. A ARENA do regime militar tinha a palavra “Renovadora” no nome. Seu objetivo era impedir a renovação. O PSDB tem a social democracia no nome. Lênin chamou seu grupo de bolcheviques (bolchevo = maioria). Eram minoria na hora da divisão. A Inquisição tinha por lema “misericórdia e justiça”. O nome pode disfarçar o seu contrário, como no Ministério da Verdade do 1984 de Orwell. Nem todo Filipe ama cavalos, apesar do seu nome dizer isto em grego. Nem toda menina chamada Bela é o que o nome expressa. Nem toda Angélica é virgem. Nem todo Leandro (homem leão) tem juba… Confundir nome com a coisa em si é fundir significado com significante. Usando linguagem mais avançada: o signo é aleatório.

      02) O nome Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (Alemão: Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei – abreviado NSDAP) já procurava cooptar os trabalhadores nos anos difíceis do pós Grande Guerra. Era uma tentativa de se opor aos socialistas e comunistas. É similar ao método de Getúlio Vargas que “estatizou” a data da esquerda, o Primeiro de Maio e fundou, ao final do Estado Novo, o PTB.

      03) Hitler inaugurou o sistema de campos de concentração com militantes de esquerda, acusados do incêndio do Parlamento alemão. Seu livro Minha luta é um combate ao socialismo de modelo soviético que ele identifica com o Judaísmo.

      04) No “saco de gatos” do partido nazista existia, sim, gente mais à esquerda do que o ditador. As SA (Sturmabteilung ) de Ernst Röhm são um exemplo. O massacre da sua liderança , em 1934 (Noite dos Longos Punhais) , é uma luta nazista para unificar a posição ideológica em torno do pensamento de extrema-direita de Hitler.

      05) Para não ampliar demais. Defesa do Estado não é de direita ou de esquerda. Há liberais capitalistas que, baseados, em Adam Smith e outros, defendem o encolhimento do Estado. Há anarquistas de extrema esquerda que pregam o fim do Estado. Há leninistas que queriam o Estado Total. Há fascistas que querem o Estado Total. Se ampliar o Estado for de esquerda, o general Médici e o general Geisel são militantes de esquerda. o Estado Totalitário (URSS, Alemanha Nazista, Itália Fascista etc) pode ser de esquerda ou de direita.

      (Leandro Karnal)

      • Bem. A resposta você mesmo a deu: O papel do estado.
        Desde longa data os capitalista são contra a intervenção do estado, por exemplo, os burgueses que queriam evitar os pedágios que os senhores cobravam para passar em suas propriedades (incentivando o caminho para a Índia via mar.).
        Enquanto a pré-esquerda já pregava a taxação (não só) dos ricos para distribuir aos pobres, surgindo doutrinas como o paternalismo e assistencialismo (esquerdas).
        Essa forte dependência do governo, o amor à senzala e ao senhor feudal, se contrapõe a independência, ao livre comércio, a livre iniciativa e a não intervenção (no Brasil, conhecida como regulação).

        Quando se fala em esquerda anarquista, o principal representante é o Movimento Hippie, onde se rejeitava qualquer tipo de governo, no entanto, seus adeptos são OBRIGADOS a compartilhar seus bens para os demais integrantes (ora, isso é governo, ou seja, alguém comandando todos).

  5. Realmente o ilisp não entende o conceito de esquerda e direita do parlamento francês de pré revolução francesa. E que foi disseminado para todo o mundo é principalmente utilizado pela ciência política.

  6. Daqui a pouco vão falar que a ditadura militar no Brasil foi de esquerda.
    O texto acima trabalha com uma tese para doutrinar pessoas que não possuem conhecimento sobre o tema. É a mesma cousa que alguém querer afirmar que o céu não é azul. Resumindo: É desonesto!

    • A ditadura militar brasileira criou mais de 500 estatais, imprimiu dinheiro à rodo e gerou a hiperinflação dos anos 80 e começo dos anos 90. Então, parabéns, você acertou, foi de esquerda mesmo.

      • Então o Bolsonaro, que endeusa a ditadura militar brasileira , é de esquerda também? Haja inconsistência

        • Sim, ele é mais esquerdista do que imagina. E a ditadura militar brasileira era fascista, basta ver as mais de 500 estatais criadas durante sua existência e as leis que aumentaram a intervenção do estado na economia.

          • O estado intervir na economia não significa que seja fascista nem comunista. O estado brasileiro na época da ditadura foi fomentador e financiador da industria nacional que a ela se aliou. Os meios de produção sempre estiveram nas mãos dos seus donos, e não na mão do estado.
            Agora só falta você dizer que Roberto Campos , Eugênio Gudin, Gouveia de Bulhões , Simonsen , Delfim eram esquerdistas.

        • Tá de brincadeira neh, Marcelo Faria? De esquerda? Os militares assumiram para impedir a tomada política do país por um comunista nato, o Jango, esse sim era de esquerda. Por favor, me mande alguns links para ler o que você está lendo. Para que eu possa entender o porquê dia que os militares da ditadura eram de esquerda

    • O termo Direita e Esquerda surgiram na “Assembleia dos Estados Gerais de 1789”
      Direita (do lado direito do rei) eram os moderados, conservadores, liberais, burgueses.
      Esquerda (do lado esquerdo do rei) eram os radicais, totalitários, à favor da concentração do poder e controle total do estado.
      No Brasil NUNCA houve governo de direita, no máximo centro-esquerda (social-democrata).
      Um exemplo: o modelo trabalhista brasileiro é cópia da Carta del Lavoro do Fascismo italiano, mesmo modelo copiado pelo Partido Nacional Socialista Alemão dos Trabalhadores (partido nazista). E já era implementado por Lenin (comunismo soviético).
      O controle estatal é típico dos modelos de extrema esquerda tais como o Comunismo, Nazismo,
      * Fascismo (Corporativismo, burocratização). Controle sobre profissões através de sindicatos e entidades de classes, isto é, mesmo diplomado, capacitado, habilitado, por mais competente que você seja, não pode exercer profissão sem pagar a “contribuição”. Pagando o carnezinho, você tem licença para matar, derrubar prédios e pontes, cair com avião. Entidades corporativistas: CUT, CGT, UNE, UBES, OAB, CREA;
      * Retenção do salário (Brasil retém 52% do custo da mão-de-obra em forma de encargos. Apenas uma pequena parcela retorna aos cidadãos em forma de migalhas de serviços públicos);
      * Extinção da propriedade privada. Não há direito à herança. A propriedade e bens imóveis passam a pertencer ao estado. Neste ponto, a diferença entre o nazismo e o comunismo (que foi mais arbitrário) é que Hitler começou confiscando (roubando) os patrimônios dos judeus, depois dos territórios ocupando (da França, por exemplo), depois dos adversários políticos e, por fim, dos próprios cidadãos alemães que não poderia contrariar a ocupação em pró da “causa”. Nos dias atuais, na nova esquerda, o confisco da propriedade privada é mais sultil:
      1) Taxação da herança, que começaria em 25% dos bens herdados, aumentando gradualtente até metade do valor dos bens (50%), depois nada impediria de se chegar ao confisco total do bem.
      2) Taxação da propriedade privada, sobre o pretexto de ociosidade (falsa alegação do uso especulativo do imóvel) que seguia com no percentual anterior.

      … dentre outros modos de concentração de Poder.

  7. Esquerda: a desigualdade social é uma aberração a ser combatida. Vislumbra a coletividade e pressupõe a igualdade entre todas as pessoas.
    Direita: a desigualdade social é natural, pois existem pessoas mais e menos capazes, sendo que a propriedade de meios de produção e monopólio financeiro se dá pela maior capacidade daqueles que dominam.

    O nazismo tinha como um dos principais motes a questão racial para diferenciar seres humanos como capazes e incapazes, o que os coloca no campo da direita. Analisar siglas sem analisar qual contexto em que se aplica e as ideologias por trás rebaixa muito o texto. Tem outros fatores cruciais de diferenciação , como o nacionalismo extremo contra o internacionalismo, fortalecimento de corporações privadas como a IBM, VolksWagen, Bayer dentre várias outras empresas alemãs contra o fim da propriedade privada e coletivização de meios de produção . A análise desse texto é bem rasa, panfletária e nega um dos principais pressupostos para a direita, que é a naturalização das diferenças entre as classes sociais.

    • As pessoas são naturalmente desiguais. O que a esquerda mais faz atualmente é defender a separação de seres humanos em “raças”, basta ver as “cotas raciais”. O nacionalismo é geralmente estatista e, portanto, de esquerda. O corporativismo – a aliança entre empresários e governo – não tem nada a ver com conservadores ou liberais. E socialismo não é apenas o marxista, há autores socialistas que não defendiam o fim da propriedade privada.
      Seu comentário – esse sim, raso – apenas reforça o que o texto afirma.

    • Quer dizer que porque os nazistas eram racistas (acreditavam que as raças eram diferentes e por isso umas melhores que as outras) então era de direita? Quem na direita prega o racismo? Só porque vocês de esquerda classificam tudo que não seja de esquerda como racista, machista e homofobico, e portanto do mal, não significa que é verdade. Esquerda prega o coletivismo e estado grande e direita o individualismo e estado minimo. A Alemanha na época era estadista, o governo controlava toda a economia, priorizava a raca ariana (coletivo) em detrimento do individualismo. Até no nome do partido estava escrito SOCIALISMO, se isso não é esquerda, eu não sei o que é.

    • Poxa Eduardo, assim você facilita a vida dos coxinhas. Olha bem o que você disse “Tem outros fatores cruciais de diferenciação , como o nacionalismo extremo contra o internacionalismo(leia capitalismo), fortalecimento de corporações privadas (Estatização) como a IBM, VolksWagen, Bayer dentre várias outras empresas alemãs contra o fim da propriedade privada(Bem coletivo acima do bem individual) e coletivização de meios de produção(tudo que é produzido pelos operários pertence aos operários)” Não sei se você conhece bem mas esses são ideais da esquerda, tudo isso está ligado a ideologia de estado inflado. Essas são políticas totalmente socialistas marxistas. Escrevendo assim você joga fora toda a luta dos mortadelas em dizer que o nazismo é extrema direita. Pense nisso!

  8. o autor usa bons argumentos, parece que ele sabe o que está dizendo… bom seria conferir as fontes, estudar mais sobre o assunto, não só por dever político do um buscador da verdade, mas também pra comprovar, mais uma vez, que essa história de esquerda versus direita diz, diz, diz, mas não evolui pra lugar nenhum…melhor seria acrescentar um outro paradigma pra análise política, tal como separar os autoritários dos libertários… observando suas atitudes, a quem eles representam, de onde vieram e com quem convivem… isso, uma educação para a política, tal como propôs Hannah Arendt, estudiosa do nazismo… mas, juro, se eu tivesse que pesquisas as fontes, tomaria como roteiro o livro dela, “Origens do Totalitarismo” … isso sim, é evolução em busca da verdade, perdão Mr. Daniel Hannan…

  9. Se Hitler e o nazismo eram de esquerda por que é que a Inglaterra e demais países de ideologia de direita não barraram ele no começo hein ? E por que a união soviética não se aliou a ele ? Façam essa pergunta a si prórios e pesquisem a resposta na internet e vão ver o por que !

    • A União Soviética se aliou a ele no Pacto Molotov-Ribbentrop de não-agressão, assinado pelos dois países em 23 de agosto de 1939. Hitler é que posteriormente rasgou unilateralmente o pacto em 1941 com sua Operação Barbarossa.

    • A história não é essa. Hitler e Stalin assinaram um pacto de convivência e não agressão, rompido pelo alemão em 1941, da forma mais traiçoeira e covarde que se pode imaginar. Vale a pena conhecer a história para participar desse rico debate.

    • A União Soviética Stalinista se aliou ao Hitler sim. A União Soviética inclusive entre outras coisas permitiu que os exércitos nazistas fizessem treinamento em seu território, assim como fizeram a partilha da Polônia. O que se nota entre os comunista é falta de cultura.

    • Simples: Hitler era SIM visto pela Inglaterra como um perigo desde o comeco. So reagiram apos ele invadir a Polonia. Hitler NAO era inimigo da Uniao Sovietica no inicio, tanto que simultaneamente (Hitler por um lado e Uniao Sovietica pelo outro) invadiram a Polonia (Pacto de Varsovia). Amiguinhos. Depois (alem da disputa de poder, o pai de todos os males) apareceu uma divergencia que deu vantagem (em poder economico) a Hitler. Ele (Hitler) como comunista, NAO admitia propriedade privada, mas trocou de ideia e achou que precisava dos puxadores de carroca. Passou de comunista a socialista, sempre de esquerda. E passou a se chamar Nacional Socialismo. Como todo governo socialista a economia era di-ri-gi-da. Diametralmente o oposto do capitalismo. Se apoiava nos ricos industriais (dando-lhe previlegios e dizendo o que deveriam produzir ) e no operariado. A velha receita Robin Hood, , socialista. Nao consigo achar na historia, nenhum governo socialista que nao tenha sido autoritario. O governo diz o que se produz, aumenta em poder, distribue os empregos, nao admite divergencia.
      A esquerda e intolerante. Fala de diversidade, mas nao adimite opiniao diversa da dela. Quanto mais para a esquerda, mais iautoritario e o regime: tanto que, o socialista Hitler mesmo trucidando milhoes, foi suplantado por Stalin neste triste primeiro lugar.

  10. O autor e’, definitivamente, uma besta quadrada.

    Texto encontrado após a Segunda Guerra Mundial, num campo de concentração nazista.: Prezado Professor, sou sobrevivente de…

    Prezado Professor, sou sobrevivente de um campo de concentração. Meus olhos viram o que nenhum homem deveria ver. Câmaras de gás construídas por engenheiros formados. Crianças envenenadas por médicos diplomados. Recém-nascidos mortos por enfermeiras treinadas. Mulheres e bebês fuzilados e queimados por graduados de colégios e universidades. Assim tenho minhas suspeitas sobre a Educação. Meu pedido é: ajude seus alunos a tornarem-se humanos. Seus esforços nunca deverão produzir monstros treinados ou psicopatas hábeis. Ler, escrever e saber aritmética só são importantes se fizerem nossas crianças mais humanas.

  11. kkkkkk. Confundem socialismo-marxista com nacional-socialismo. kkkkk. Ambos só funcionam sob uma DITADURA. O nacional socialismo era claramente de direita, e a economia era mixta. Propriedade privada (carros, casas, jóias, o que quiser!) e empresas gigantes existiam livremente: BMW, Mercedes Benz, incentivo â fundação da Volkswagen, etc. Putz… só falam asneira nesse artigo.

    • Então Lenin era de direita porque criou o NEP, “nova economia”que permitia a propriedade privada.
      No nazismo toda a propriedade era da nação (estado), apenas se concedia permissão de uso privado desde que “cumprisse a função social da propriedade”,
      A empresa privada era um apêndice do estado, a produção, venda, e os preços eram determinados pelo estado.
      Não existia liberdade econômica, mas as necessidades da nação (estado) que determinavam o que onde e quando e por quanto se produzir. Em toda a parte da empresa existia um interventor.

    • Mas isso Guilherme tem um objetivo, que é o de difamar o socialismo de todas as formas e se aproveitar para confundir a cabeça dos menos esclarecidos nada é feito ou se deixa de fazer, sem que por traz, não se tenha um objetivo ou proposito reflita !

      • Não precisamos “difamar” o socialismo, as práticas de todos os regimes socialistas já fazem isso sozinhas.

    • Guilherme, usar o mercado como desculpa para tirar a ideologia socialista da reta é uma babaquice, hoje em dia todos sabemos que existem muitos governos de esquerda, socialistas, que controlam tudo mas possuem mercado em seu país, (Dilma, Lula, Kirchner…) só que um mercado controlado pelo governo. A luta de hoje em dia é muito diferente de antigamente, a esquerda se adapta a tudo para criticar um inimigo, mas só pela campanha esquerdista na internet já sabemos o porquê de tanto chororô. (USE UMA REDE SOCIAL CAPITALISTA PARA FALAR MAL DO CAPITALISMO, VENDA PRODUTOS COM A ESTAMPA DO CHE GUEVARA!!!)

    • Quando o Estado está acima do indivíduo, no caso do Nazismo, é de esquerda!
      Quando o indivíduo está acima do Estado, é de direita!

    • Desarmamento civil, confisco de bens, endeusamento de um ditador sobre um Estado soberano em todos os aspectos de vida de sua população (econômica, social, cultural, sexual..), extermínio de opositores; tá muito mais pra Esquerda que para Direita.

    • Claro que tinha propriedade privada. Afinal nem mesmo podiam chegar na sua casa e tomar seus pertences por algum motivo em especial né? Se ao menos tivesse lido o artigo, saberia que Hitler baseou o nacional-socialismo no socialismo-marxista sim, porém, ele disse que Marx ESTAVA ERRADO em jogar o proletário contra o industrial.

  12. Artigo muito bom que pode ser complementado com a leitura de Die Tägebucher von Joseph Goebbels( edição alemão 39 V.) ou no III vol, da ed. francesa (Tallandier-2009) de Joseph Goebbels Journal – 1939-1942 pp. 307/312. Desde sua fundação, o Nacional-Socialismo nunca escondeu, para quem faz uma leitura isenta, sua tendência declaradamente socialista. Outra citação interessante Gäsprache mit Hitler de Rauschning que alguns historiadores europeus rotulados de “esquerda” dizem ser apócrifo, também é de grande valia. Por sinal, este livro traz um capítulo sobre os “sonhos” do NS na América hispano–portuguesa, especialmente o Brasil

  13. A questão é que nazismo é uma forma de socialismo não marxista, ai que esta a confusão que a esquerda se aproveita.
    Os ideais socialistas são anteriores a Marx.
    Pode se afirmar que o nazismo não era marxista, a propriedade privada era uma concessão do estado não um direito inalienável.
    Ser de esquerda não significa ser marxista, apesar da confusão proposital.

    • Amigo você já viu como funcionava o sistema de produção nazista ? mais idêntico do que o da USRR de Stallin impossível meu caro, oque confunde a cabecinha das pessoas é o fato que TODO comunista sem excessão odeia seu semelhante(afinal aquele não é o verdadeiro socialismo/comunismo porque não sou eu que mando nele), é aquele eterno deturparam Markis(sim é ironia).

  14. Oi, sou modinha de direita da internet. Nazismo era de esquerda kkkkk seus esquerdosos kkkkk

    Eu sou de direita o clubinho do bem

    • Não somos de direita, somos liberais. E sua ausência de argumentos apenas mostra como o autor do artigo está certo.

      • Se é liberal é de direita, talvez não seja conservador de direita , mas é de direita.
        A base da direita é o ceticismo sobre a bondade humana, já a esquerda é a “fé” nesta bondade que a norteia.
        E mesmo a pauta liberal e conservadora são próximas apenas diferem sobre a questão cultural.
        Talvez a sua negação se deva a influência da propaganda esquerdista, é difícil se desvincular dela.
        Em todo o caso o diálogo entre conservadores e liberais é muito mais produtivo para a sociedade do que permitir o marxismo.

          • Se é liberal (em oposição ao estatista) é de direita.
            Se é conservador (em oposição aos progressistas) é de direita.
            Se é liberal e conservador é mais direita ainda (afastando-se do centrão).

    • Só tem um problema na sua frase.

      A risadinha de hiena (kkkk) é modinha entre a esquerda… Tente outra vez.

    • SUA BURRA !!!
      Nacional Socialismo é uma ideologia híbrida combinando nacionalismo e socialismo não marxista.
      TERCEIRA POSIÇÃO, sendo assim nem de Direita ou Esquerda e sim pegando a parte boa do nacionalismo (amar a pátria e o próprio povo) e a parte boa do socialismo (Alargamento Económico exorbitante e sociedade homogénea diminuindo assim a distância entre ricos e pobres).

      SE INFORMA ANTES DE FALAR BOSTA!!

    • Hitler era ultranacionalista, pregava a supremacia Ariana, a predominância social do forte sobre o fraco e defendia a elite Ariana, travou guerras contra marxistas e eliminava a classe operária de outras raças.
      Se isso não for de direita…

      • Stalin, Pol Pot, Mao, Che, todos travaram guerras contra marxistas e usaram o discurso nacionalista em maior ou menor grau, fora os milhões de mortos no caso dos três primeiros. Reflita.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here