Qual o problema em ser “bela, recatada e do lar”?

Na posse da presidente Dilma, em 2011, a esposa do vice-presidente Michel Temer roubou a cena. Marcela Temer chamou atenção e gerou comentários nas redes sociais por ser bonita, elegante e ter uma visível diferença de idade em relação ao marido, 43 anos mais velho. Na época, Michel não passava de “vice decorativo” e ninguém se incomodava com o PMDB, a esquerda festejava a permanência do PT no poder por mais quatro anos e não houve muito incômodo com os comentários a respeito da esposa do vice.

Em 2016, Marcela novamente está em alta nas redes sociais, mas, dessa vez, causou a ira de feministas e feministos de Facebook. A Revista Veja esta semana dedicou algumas páginas para uma reportagem a respeito do estilo de vida caseiro e discreto da quase primeira-dama. Intitulada “Bela, recatada e do lar”, a matéria mostra a rotina de Marcela e sua vida com o marido. Ela é uma bacharel em direito que nunca exerceu a profissão e que tem o tempo preenchido por tarefas como cuidar do filho de sete anos, frequentar cabeleireiros, dermatologistas famosos e restaurantes badalados, além de ficar de olho nas redes sociais para falar ao marido sobre como anda o debate na rede. Particularmente achei a reportagem um tanto boba e o estilo de vida de Marcela bem desinteressante e monótono, mas, vida privada é uma escolha pessoal.

Entretanto, é óbvio que a esquerda, que adora desviar o foco da questão do impeachment e da incompetência de Dilma, utilizou a reportagem para tentar fazer uma problematização completamente vazia e descabida. Revoltados com o fato de Marcela ser simplesmente uma mulher “do lar”, bonita e que vive à sombra do marido, essas pessoas estão enchendo as redes sociais com textões contra o “machismo” embutido na revista e fotos pessoais que mostram mulheres no bar, bebendo ou qualquer coisa que as distanciem do estereótipo da quase primeira-dama, usando o título da reportagem como legenda. Argumenta-se que o que foi escrito, bem ao estilo das revistas femininas dos anos 50, estava exaltando o estilo de vida doméstico, como se apenas mulheres como Marcela fossem exemplos de boa postura feminina na sociedade e exemplo a ser seguido por todas.

Devo dizer que quem interpretou isso na reportagem provavelmente está incluído na pesquisa que mostra que mais de 50% dos universitários brasileiros são analfabetos funcionais. Li a reportagem ainda ontem, antes de todo o burburinho no Facebook e Twitter, e ainda reli duas vezes antes de escrever este artigo, porque talvez eu mesma poderia não ter lido direito e deixei passar batido alguma apologia ao machismo. Mas não, nada disso. É mais uma polêmica boba de rede social, visto que tudo não passou de uma forma de mostrar a esposa de Michel Temer, figura que está em alta em razão do processo de impeachment em andamento. Em momento algum o estilo de vida dela foi colocado como sendo o ideal e digno de admiração, é simplesmente uma descrição de como Marcela vive o seu dia-a-dia e administra a sua vida. Se ela fosse uma advogada de sucesso e ainda sem filhos, provavelmente sua carreira teria sido o foco. Caro amigo esquerdista, feminista ou feministo, você apenas caiu na estratégia de marketing da revista e está fazendo a audiência da Veja, que você tanto despreza, aumentar. Ou será que eu vou ter que desenhar que o título foi proposital e que graças a vocês o objetivo foi alcançado com sucesso?

Aliás, curioso: Lula chamar as mulheres do partido de “grelo duro” (expressão que NÃO é típica do nordeste, mas que pode ser interpretada como uma referência à uma lésbica masculinizada) é “lindo”, “elogio” e algo que várias militantes sentem orgulho de segurar um cartaz com essas palavras, mas, uma revista dizer que uma mulher específica é bela, recatada e do lar é um absurdo, machismo, fascismo e atraso? Não é a toa que qualquer pessoa com o mínimo de discernimento não leva esse tipo de debate ou problematização a sério devido a toda essa indignação seletiva. Além de não se importar com o machismo latente nos comentários do ex-presidente Lula, ainda mostram, mais uma vez, que não lutam pelos direitos das mulheres, visto toda a chacota e incômodo com uma mulher que vive sua vida de maneira discreta, caseira e voltada para a família. Marcela tem todo direito de cuidar da família, do marido ou de simplesmente ter uma vida fútil, do mesmo jeito que nós temos o direito de sair para a balada, beber whisky, não usar salto alto, não casar, não ter filhos ou priorizar nossa carreira. Tudo isso faz parte da liberdade de escolha do indivíduo, assim como suas consequências.

O lugar da mulher não é onde xs feministxs acham que deve ser, tampouco vocês têm o poder de moldar o comportamento de todas nós. Espero que Marcela Temer não tenha se sentido acuada com toda a chacota que estão fazendo utilizando seu nome, visto todo seu histórico de discrição e pelo fato de não gostar de aparecer na mídia. Você é livre para ser o que é, Marcela. Lugar de mulher é onde ela quiser e não onde o movimento feminista acha que deve ser.

Vaquinha O ILISP tem atuado contra a legalização do aborto e em defesa do direito à vida no STF. Para custear a causa, lançamos uma vaquinha. Os interessados em nos ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

124 COMENTÁRIOS

  1. Mal sabem as feministas que estão jogando fora a juventude. O período em que poderiam formar família, vivenciar emoções saudáveis,etc, preferem dedicar às “lutas” que as tornam tóxicas e doentias.

    Nisso, crescem movimentos como MGTOW, RedPill, Real….

    Eu, pessoalmente, decidi esperar, quando tiver 60 anos arranjo uma de 18~20 que seja bela, recatada e do lar, afinal de contas, a geração atual está acabada e é demasiadamente arriscado manter qualquer realação com as modernetes de hoje.

  2. Porque ela incomoda tanto? Bom, porque a existência de alguém assim, bonita e bem sucedida, é um golpe no coração da ideologia feminina.

  3. PUTA QUE PARIU! SERÁ QUE NÃO EXISTE MAIS NADA NESSE MUNDO QUE NÃO SEJA IMORAL, ILEGAL E ENGORDE? PORRA! TUDO QUE SE FALA OU SE ESCREVE NESSE PAÍS É MOTIVO DESSA ESQUERDA IMBECIL TRATAR COMO POLITICAMENTE INCORRETO, RACISTA, HOMOFÓBICO, E TUDO MAIS.
    PARECE QUE ELES NÃO TEM OPINIÃO E VIVEM DE DESFAZER A OPINIÃO DO OUTROS. FALA SÉRIO!

  4. Cuidado em Vanessa. Vc deveria estudar mais história. Dilma, como os outros que foram obrigados a cair na clandestinidade, foram arrancados de suas casas por pensar diferente. Foi um golpe em 64. Coisa feia. Não confunda a reação do oprimido com a tirania do opressor.
    Depois o ex_presidente Lula acabou com a fome no Brasil e reduziu a pobreza em 70%. Respeito ele merece, apesar da devassa em sua vida nada ficou comprovado. Vivemos novamente um golpe da elite que não consegue tirar o PT pelo voto.

  5. Por acaso quem iniciou a campanha ou participa ativamente contra a reportagem, criticando e alegando que colocar o padrão apresentado na fraca reportagem como uma sorte para o futuro presidente do Brasil, se ligou que pode de alguma forma estar ofendendo milhões de mulheres no Brasil que são como a futura primeira dama, ou gostariam de ser, mas não podem graças a necessidade imposta pela sociedade?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here