Tico Santa Cruz e a hipocrisia da esquerda que pede igualdade mas adora um privilégio

Como todos já sabem pelos posts e noticias que rolaram na Internet, Tico Santa Cruz foi expulso de um voo da Gol por causar um tumulto.
Analisei a resposta em vídeo do Tico e todos seus argumentos. O principal deles é a lei que diz que as companhias aéreas não podem cobrar mais por assentos se o serviço oferecido não for diferente – lei que sinceramente está sujeita a interpretações.
Diz ele que esperou todos entrarem no avião e depois, quando viu que o lugar estava vago, sentou-se. Como os comissários são obviamente orientados a conferir as passagens e orientar os passageiros aos seus lugares, assim o fizeram e ele, alegando que a companhia aérea estava sendo intransigente, se recusou a ir para seu lugar. A passageira que estava a seu lado ofereceu seu lugar (devia estar de saco cheio do bafafá), mas mesmo assim os passageiros, que já estavam nervosos, começaram a xingar e pedir que ele fosse retirado. No fim de tudo ele foi para seu lugar, mas por ordem do comandante e pela paz e segurança dos passageiros, ele foi retirado do voo por agentes da Policia Federal (mas não o japonês como alguns passageiros queriam).
A hipocrisia de Tico Santa Cruz mostra a inevitável e recorrente hipocrisia dos heróis da esquerda. Explico o motivo. Vamos partir do princípio que Tico esteja certo e que as companhias não poderiam cobrar R$15,00 a mais por uma poltrona por ela ter mais espaço entre as poltronas. Deixo claro, aliás, que acho tal lei absurda como liberal que acredita no livre mercado e livre concorrência.
Ora, se ele tentou comprar a tal poltrona por diversas vezes, por que não reclamou antes? Na verdade, quis dar o famoso “migué” esperando que todos sentasse e achou que ninguém iria perceber ou que fariam vista grossa por ele ser uma “celebridade” ou um “intelectual” (hahaha).
Além disso, não seria Tico aquele que prega a igualdade? Então porque gastar seu dinheiro com um privilégio que o diferencia de outros? Isso não seria oprimir aqueles que não têm dinheiro para pagar a mais pela tal poltrona? E ainda tentou justificar o acontecimento dizendo que estava sem dormir por tantos eventos importantes que tem frequentado. Isso o torna mais importante do que os outros passageiros? Se eu estivesse no mesmo avião e dois dias sem dormir por causa do trabalho, poderia pedir para ele se levantar então?
No fim das contas, Tico é mais um esquerdista que grita por igualdade mas adora um privilégio.
Vaquinha O ILISP comprou o domínio "aborto.com.br" e lançará uma campanha pró-vida, mas isso exige recursos. Os interessados em ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

2 COMENTÁRIOS

  1. Fabio acho bom divulgar a seguinte decisão da segunda turma recursal cível RS sobre a cobrança.. Pode conferir na net a veracidade da informação. Resumo: julgaram NÃO ser abusiva a cobrança.

    RECURSO INOMINADO. CONSUMIDOR. TRANSPORTE AÉREO. COBRANÇA DE TAXA PARA UTILIZAÇÃO DE POLTRONA COM MAIS ESPAÇO AO PASSAGEIRO. “ASSENTO CONFORTO”. LICITUDE. AUSÊNCIA DE ABUSIVIDADE. SENTENÇA DE IMPROCEDÊNCIA MANTIDA POR SEUS PRÓPRIOS FUNDAMENTOS.

    Ainda que os espaços entre os assentos na classe econômica sejam inferiores ao desejado, é certo que, em situações especiais, cabe ao consumidor, se quiser maior conforto e espaço, adquirir assentos diferenciados ou em classe superior, sendo legítima a cobrança adicional de taxas ou tarifas, o que encontra respaldo no art. 4º da Resolução 138/2010 da ANAC. Nos termos do art. 49 da Lei nº 11.182/2005, “na prestação de serviços aéreos regulares, prevalecerá o regime de liberdade tarifária”, por meio do qual as companhias aéreas podem determinar suas próprias tarifas, devendo apenas comunicá-las à ANAC. A cobrança de adicional próximo a 25% do valor da tarifa não se mostra abusiva, já que condizente com o serviço oferecido e de acordo com a legislação especial. Sentença mantida por seus próprios fundamentos, nos termos do art. 46 da Lei nº 9.099/95. RECURSO DESPROVIDO. (Recurso Cível Nº 71004549036, Segunda Turma Recursal Cível, Turmas Recursais, Relator: Alexandre de Souza Costa Pacheco, Julgado em 26/02/2014)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here