Filme com Monica Iozzi teve R$ 7,7 milhões aprovados no governo Dilma via Lei do Audiovisual

Em um alto orçamento para o cinema nacional, altamente dependente dos recursos aprovados pelo governo, o filme A Comédia Divina teve R$ 7,76 milhões aprovados por meio da Lei do Audivisual, durante o governo Dilma, para ser realizado. O longa tem as atrizes petistas Monica Iozzi e Zezé Motta nos papéis principais e é produzido por Antonio Venturi Neto, o petista “Toni Venturi”, que iniciou no cinema com um filme sobre o comunista Luiz Carlos Prestes, é ex-presidente da Associação Paulista de Cineastas e principal apoiador da SPCine, a confraria de petistas criada por Fernando Haddad durante sua gestão como prefeito de São Paulo.

De acordo com o site oficial da Ancine, o filme teve inicialmente um orçamento aprovado de R$ 224 mil reais para “desenvolvimento”, dos quais R$ 200 mil foram captados. Posteriormente, o longa teve um valor de R$ 7,5 milhões aprovados para captação do financiamento de sua produção, dos quais R$ 1,69 milhão foram efetivamente captados. Ambos os valores foram aprovados em 2011, no primeiro ano de mandato de Dilma Rousseff. Mas o financiamento feito com o dinheiro dos pagadores de impostos brasileiros à obra não parou por aí.

Créditos presentes no trailer do filme "A Comédia Divina": pagadores de impostos brasileiros financiaram o longa
Créditos presentes no trailer do filme “A Comédia Divina”: pagadores de impostos brasileiros financiaram o longa

De acordo com os créditos presentes ao final do trailer oficial da película, o filme tem codistribuição da SPCine (sim, a empresa municipal criada com o lobby do produtor da obra), copatrocínio do Programa Municipal de Fomento ao Cinema da Prefeitura de São Paulo (com recursos liberados durante a gestão de Fernando Haddad) e patrocínio da Sabesp (com controle majoritário do governo do Estado de São Paulo), Correios e Governo Federal. A gestora de recursos do Banco do Brasil, a BB DTVM, também realizou um “investimento” no longa, assim como o ProacSP (Programa de Ação Cultural do governo do Estado de São Paulo). Infelizmente não é possível determinar os valores  que cada envolvido na película destinou à obra.

A Lei do Audiovisual funciona por meio da “renúncia fiscal” de impostos que seriam pagos por empresas, mas que são destinados a projetos selecionados pela Ancine, num modelo similar à Lei Rouanet. Na medida em que tais impostos já foram pagos pelos consumidores nos produtos e serviços comprados destas empresas, se trata, na prática, de dinheiro dos pagadores de impostos destinado para projetos de amigos do governo.

Os liberais defendem tanto a extinção da Lei do Audiovisual quanto a extinção da Lei Rouanet e do Ministério da Cultura, com as artes sendo financiadas somente pela iniciativa privada, sem intervenção estatal, com consequente redução de impostos.

Vaquinha O ILISP tem atuado contra a legalização do aborto e em defesa do direito à vida no STF. Para custear a causa, lançamos uma vaquinha. Os interessados em nos ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

1 COMENTÁRIO

  1. A indústria audiovisual brasileira, totalmente dependente de regulação e dinheiro público para se manter em funcionamento, é uma máquina de desperdício que só continua existindo exatamente pelo fato de que, inviável do ponto de vista financeiro, continua contando com a concordância da classe política de todas as correntes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here