DOE

Filme com Monica Iozzi teve R$ 7,7 milhões aprovados no governo Dilma via Lei do Audiovisual

Em um alto orçamento para o cinema nacional, altamente dependente dos recursos aprovados pelo governo, o filme A Comédia Divina teve R$ 7,76 milhões aprovados por meio da Lei do Audivisual, durante o governo Dilma, para ser realizado. O longa tem as atrizes petistas Monica Iozzi e Zezé Motta nos papéis principais e é produzido por Antonio Venturi Neto, o petista “Toni Venturi”, que iniciou no cinema com um filme sobre o comunista Luiz Carlos Prestes, é ex-presidente da Associação Paulista de Cineastas e principal apoiador da SPCine, a confraria de petistas criada por Fernando Haddad durante sua gestão como prefeito de São Paulo.

De acordo com o site oficial da Ancine, o filme teve inicialmente um orçamento aprovado de R$ 224 mil reais para “desenvolvimento”, dos quais R$ 200 mil foram captados. Posteriormente, o longa teve um valor de R$ 7,5 milhões aprovados para captação do financiamento de sua produção, dos quais R$ 1,69 milhão foram efetivamente captados. Ambos os valores foram aprovados em 2011, no primeiro ano de mandato de Dilma Rousseff. Mas o financiamento feito com o dinheiro dos pagadores de impostos brasileiros à obra não parou por aí.

Créditos presentes no trailer do filme "A Comédia Divina": pagadores de impostos brasileiros financiaram o longa
Créditos presentes no trailer do filme “A Comédia Divina”: pagadores de impostos brasileiros financiaram o longa

De acordo com os créditos presentes ao final do trailer oficial da película, o filme tem codistribuição da SPCine (sim, a empresa municipal criada com o lobby do produtor da obra), copatrocínio do Programa Municipal de Fomento ao Cinema da Prefeitura de São Paulo (com recursos liberados durante a gestão de Fernando Haddad) e patrocínio da Sabesp (com controle majoritário do governo do Estado de São Paulo), Correios e Governo Federal. A gestora de recursos do Banco do Brasil, a BB DTVM, também realizou um “investimento” no longa, assim como o ProacSP (Programa de Ação Cultural do governo do Estado de São Paulo). Infelizmente não é possível determinar os valores  que cada envolvido na película destinou à obra.

A Lei do Audiovisual funciona por meio da “renúncia fiscal” de impostos que seriam pagos por empresas, mas que são destinados a projetos selecionados pela Ancine, num modelo similar à Lei Rouanet. Na medida em que tais impostos já foram pagos pelos consumidores nos produtos e serviços comprados destas empresas, se trata, na prática, de dinheiro dos pagadores de impostos destinado para projetos de amigos do governo.

Os liberais defendem tanto a extinção da Lei do Audiovisual quanto a extinção da Lei Rouanet e do Ministério da Cultura, com as artes sendo financiadas somente pela iniciativa privada, sem intervenção estatal, com consequente redução de impostos.

Está gostando do conteúdo? COMPARTILHE!

Mais Recentes

Liberdade para Trabalhar avança em Anápolis-GO com 297 atividades liberadas de alvará
Lançado no dia 29 de junho...
Ranking mundial da Forbes reconhece o ILISP como um dos think tanks com maior alcance nas redes sociais
Dois artigos publicados na Revista Forbes...
Liberdade para Trabalhar avança em Nova Friburgo-RJ com 289 atividades liberadas de alvará
Lançado no dia 29 de junho...
Projeto Liberdade para Trabalhar é lançado em Sergipe
Lançado nacionalmente no dia 29 de...
Liberdade para Trabalhar: Boa Vista-RR dispensa 297 atividades da necessidade de alvará
Lançado no dia 29 de junho,...
Em evento no Senado, ILISP lança o Mapa da Liberdade para Trabalhar
Um pequeno empreendedor que tirou a...

Leia Sempre Primeiro

Cadastre-se na nossa Newsletter e receba sempre em Primeira Mão!