Indicado por Bolsonaro ao STF defende “tolerância” com tribo que estupra crianças

Em artigo publicado na Revista do TRF-1 (e disponível online), o desembargador Kassio Nunes Marques – escolhido por Jair Bolsonaro para o Supremo Tribunal Federal (STF) – defende a “diversidade e a tolerância” em relação a uma tribo indígena que tem o costume de estuprar meninas que sequer menstruaram.

Segundo Kassio: “Países marcados pelo multiculturalismo, como o Brasil, passam a assumir compromissos com a diversidade e com a tolerância, construindo uma cultura de respeito às diferenças, abrindo espaço para que aquilo que era repudiado no passado seja celebrado no presente”.

O “repudiado no passado” que é “celebrado no presente” de Kassio Nunes Marques é o costume da tribo indígena Maxacali de ter relações sexuais com meninas que sequer menstruaram (ou seja, menores de 12 anos). Cabe lembrar que, segundo a legislação brasileira, “ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 (catorze) anos” é crime de estupro de vulnerável, passível de pena de prisão por 8 a 15 anos.

“A sociedade Maxacali acredita que a menstruação de uma jovem índia se incia somente após a sua iniciação sexual: é o ato sexual que chama o sangue, provocando a menstruação. As relações sexuais são iniciadas antes mesmo da primeira menstruação. A primeira relação sexual, aquela que chamará o sangue e posteriores menstruações, coincidirá com o período da lua crescente. No período de sangramento, que dura cerca de três dias, a índia Maxacali deve observar o resguardo sangue. Após este período vê-se uma fase de intensa atividade sexual que dará, segundo sua cultura, formação ao bebê“, afirma Kassio em seu texto.

O indicado ao STF por Jair Bolsonaro prossegue com as “diferenças” que devem ser “respeitadas”: “Para esta sociedade, a concepção exige um longo período de intensa atividade sexual que permita o acúmulo de sêmen necessário à construção do corpo
da criança na barriga da mãe, o que demanda uma elevada frequência de relações sexuais com vários índios, o que eleva a possibilidade de uma gestação ainda na adolescência. São frequentes as concepções ainda na puberdade, quando as índias Maxacali ainda têm idade entre 13 e 16 anos“.

Kassio aproveita também para incluir o casamento infantil na lista de coisas que ele “celebra no presente”. “Os Maxacali não possuem a mesma ideia cronológica ocidental, avaliando o momento apropriado do casamento para suas índias de acordo com o desenvolvimento físico da mulher. Este é o sinal preponderante que indicará a fase
apropriada para o casamento. Isto também propicia que, mesmo com 13 ou 14 anos na nossa cronologia, se a jovem índia já dispuser de porte físico de uma jovem mulher, ela já estará apta ao casamento“.

Este é o indicado ao STF “100% alinhado” com Jair Bolsonaro.

5 COMENTÁRIOS

  1. Se um Ministro apoia e aplaude injustiças é Filho do Diabo.
    Será julgado e condenado ao Lago de Fogo!

  2. Lamentável essa indicação. Nossa chance de ter uma pequena influência no STF de valores conservadores foi desperdiçada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here