Nova primeira-ministra conservadora do Reino Unido defende “benefícios” da Sharia islâmica

A nova primeira-ministra do Reino Unido, a conservadora Theresa May, defendeu recentemente que os “ensinamentos” da Sharia, a lei islâmica, estão sendo “mal utilizados” e “explorados” para discriminar mulheres islâmicas, enquanto defendeu que muitos britânicos se “beneficiam enormemente” dos ensinamentos da Sharia.

As afirmações aconteceram quando a Secretaria de Interior, comandada por May até recentemente, iniciou uma investigação no final de maio sobre as aplicações da Sharia em território britânico. Um estudo da think-tank Civitas estimou que havia – há sete anos – mais de 85 tribunais da Sharia no Reino Unido, um número que certamente aumentou nos últimos anos.

A deputada Caroline Cox, também do Partido Conservador, discordou da visão de May sobre a Sharia. De acordo com Cox, “há aspectos da Sharia que discriminam mulheres, como o direito de puni-las e a verdadeira cultura do estupro, e que não são distorções da Sharia, mas sim inerentes e inaceitáveis.”

Vaquinha O ILISP comprou o domínio "aborto.com.br" e lançará uma campanha pró-vida, mas isso exige recursos. Os interessados em ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

4 COMENTÁRIOS

  1. Os muçulmanos querem apenas legalizar o que as gangs já fazem. Mulher infiel para eles é carna destampada segundo um lider babaca na Australia. A culpa é de quem? Da carne destampada(mulheres) ou dos gatos(muçulmanos).

  2. Para a Xaria, lei religiosa do Islã, acertada com as normas do Alcorão, inclui um aglomerado de regras e obrigações religiosas, sociais e políticas a serem cumpridas pelos muçulmanos, é minha opinião que May acredita em uma modernização desta lei do Islã, de modo a que haja soluções admissíveis pela Constituição do Reino Unido, principalmente no que concerne aos direitos das mulheres.

  3. UK está repleto de bancos árabes, há mais mohameds sendo registrados diariamente do que Johns ou Pauls durante toda a história, obviamente ela ñ vai bater de frente com essa galera, mas ficou muito claro já que o Brexit tem muito mais a ver com a onda islâmica do que com mercado comum europeu ou acordos com o mercado americano. Eles vão implantar uma linha dura, os tribunais da sharia sao incontitucionais e não serão mais tolerados, e para tomarem certas atitudes não podem continuar lig ados às regras da comunidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here