Temer imita Venezuela e edita medida para importar dinheiro impresso no exterior

Em uma medida que significará aumento da inflação, o presidente Michel Temer editou a Medida Provisória 745/2016 hoje (16) para permitir que o Banco Central importe papel moeda e moeda metálica, ou seja, notas e moedas de real, fabricados fora do Brasil por fornecedores estrangeiros. De acordo com a medida, a intenção é “abastecer o meio circulante nacional”, na medida em que haveria “inviabilidade ou fundada incerteza quanto ao atendimento, pela Casa da Moeda do Brasil, da demanda por meio circulante ou do cronograma para seu abastecimento”, o que caracterizaria uma “situação de emergência”.

A medida é a mesma que o ditador socialista da Venezuela, Nicolás Maduro, adotou após a Casa da Moeda local não conseguir imprimir dinheiro suficiente para alimentar a ditadura venezuelana. No caso da Venezuela, a inflação causada pela impressão desenfreada de dinheiro feita pelo estado levou o governo a ficar sem dinheiro para pagar a impressão do próprio dinheiro no exterior.

A medida de Temer ainda precisa ser aprovada pela Câmara e pelo Senado, mas já possui força de lei.

12 COMENTÁRIOS

  1. Quanta bobagem… A impressão de cédulas é constante, para repor as notas desgastadas e acompanhar o crescimento do PIB. Só causa inflação (como na Venezuela) se for impresso mais dinheiro do que a riqueza do país permite. O Brasil já imprimiu cédulas no exterior antes, é só uma questão de preço de mercado. Espanta-me que pessoas que se dizem “liberais” queiram uma reserva de mercado nacional para a impressão de documentos oficiais (cédulas).

    • Na verdade liberais defendem que o governo não tenha poder de controlar a oferta monetária por meio do Banco Central.

  2. Em Hong Kong o dinheiro impresso sai até com o logo do HSBC. Muito melhor terceiro fazer do que a casa da Moeda que é muito caro. Tempos de economia. Faria igual se fosse uma empresa minha.

  3. Só uma dúvida: o que impede esses fornecedores estrangeiros de fabricar secretamente reais em quantidade superior à encomenda em benefício próprio?

  4. “Segundo a MP, as aquisições obedecerão a cronograma fixado pelo Banco Central do Brasil para cada exercício financeiro, observadas as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional.”

    A quantidade de dinheiro que será impressa não será diferente da que já estaria prevista para ser aqui mesmo no Brasil, a diferença é que o Brasil está sem matéria prima para conseguir fazer essas impressões.

    • Nada garante que a compra de moeda impressa seja maior, a MP não limita a importação por qualquer critério.

        • Possui força imediata de lei no momento em que é publicada no diário oficial. É provisória porque tem validade de 60 dias, prorrogáveis por igual período, quando deve ser aprovada ou rejeitada pelo Congresso.

    • Podemos supor que se não tem matéria prima agora, não vai ter por um tempo? Está faltando árvores pra derrubar ou será caro demais pro governo pagar? Se esse for o caso, a quantidade eventualmente vai superar a previsão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here