10 erros de Gregório Duvivier em sua “crítica” ao liberalismo

Acredito que é um direito de cada indivíduo se manifestar sobre qualquer coisa. Acredito que artistas podem se manifestar sobre política, economia e filosofia, desde que honestamente; e a honestidade intelectual depende, necessariamente, de estudo.

Enquanto estudante de arquitetura numa universidade estatal e como artista plástico autodidata, já acreditei em muitas pautas da esquerda. Porém, quando comecei a enxergar muitas incoerências, resolvi estudar. Comprei e li muitos livros. E me curei do socialismo.

Diante disso, pergunto: se uma pessoa como Gregório Duvivier se interessa tanto por um assunto, por que ele não o estuda? Leia livros. Não precisa concordar com eles. Ele deveria ler para, pelo menos, saber o que cada campo da filosofia política defende e, a partir disso, ter sustentação teórica para rejeitar isso ou aquilo. No entanto, Gregório faz questão de se mostrar como um convicto e feliz ignorante ou pior: alguém que não tem pudor em distorcer fatos e ideias para tentar impor sua narrativa fantástica.

Dias atrás, Gregório Duvivier publicou mais um vídeo sobre um assunto que desconhece. Posando de “isentão”, fez elogios ao liberalismo clássico para, logo em seguida, dizer que os liberais do Brasil são falsos.

Vamos aos pontos:

1. O comediante cita elogiosamente John Locke, “esquecendo” de citar um dos três  princípios do filósofo inglês: o direito de propriedade. Um direito que ele, enquanto apoiador do MST e do PSOL, ignora.

Aliás, Gregório “esqueceu” de citar todos os autores liberais do Século XX como Bohm-Bawerk, Mises, Hayek e diversos outros. Parece que o conhecimento sobre liberalismo dos roteiristas do programa parou no Século XIX.

2. A interpretação feita sobre a “mão invisível” de Adam Smith demonstra que Gregório Duvivier nunca leu sequer uma página de um livro do autor ou simplesmente mentiu.

O comediante resumiu o fenômeno a um sistema da “ganância”.

Se Gregório Duvivier fosse minimamente honesto, pelo menos consigo mesmo, teria dito que a tal “mão invisível” é o conjunto de imensuráveis decisões humanas que direcionam a produção e dão preços as coisas, inclusive, ao trabalho dele como comediante. A “mão invisível” é, por si mesma, a refutação da ideia de que a ganância de alguém tem poder sobre todas as incontáveis relações comerciais. O homem mais ganancioso do mundo não pode simplesmente aumentar o preço de seu produto num ambiente de livre mercado – ou seja, sem regulação e proteção estatal a empresários -, porque quem determina o preço é a oferta, o interesse e as condições econômicas das pessoas. Isso é a “mão invisível”.

3. O apoiador do PSOL fez piada dizendo que se ele tivesse gravado um vídeo pedindo liberdade plena e “igualdade de oportunidades” para todos – como um membro do Livres fez em um vídeo divulgado por Gregório – seria alvejado por diversos comentários mandando-o “pra Cuba”.

Não, Gregório, não te mandariam para a ilha-prisão.

Primeiro: em Cuba não existe liberdade e nem “igualdade de oportunidades”. Não existe liberdade plena onde uma ditadura restringe completamente a liberdade econômica, política e intelectual, e até a liberdade de buscar a felicidade noutros países.

Segundo: não existe “igualdade de oportunidade”. As pessoas são naturalmente desiguais. As pessoas nascem com características, inclinações, desejos e talentos distintos umas das outras. A única forma de “igualar oportunidades” é por meio da coerção estatal, exatamente como defendem os socialistas, nivelando toda a sociedade por baixo, na miséria.

4. De má fé, Gregório resumiu o movimento liberal brasileiro a meia dúzia de candidatos políticos. Pior, atacou aqueles que ele chama de “falsos liberais” como se ele fosse um militante do verdadeiro liberalismo.

Se o comediante fosse minimamente honesto, teria comparado os políticos que se dizem liberais aos tantos pensadores liberais que publicam livros e artigos no Brasil hoje. Não fez isso porque não quis. Ou porque tem má fé.

5. Gregório utilizou John Stuart Mill para defender a tributação sobre heranças. Sim, Mill defendia pesados impostos sobre heranças para combater os “rentistas”. Mas… e todos os autores liberais posteriores (Mill viveu no Século XIX) que foram contra o imposto sobre heranças? E os liberais atuais, tema central da “crítica” do vídeo, que também são contra imposto sobre heranças baseados no direito à propriedade? Mais fácil ignorar, Gregório?

Aliás, entre 2015 e 2016, a receita total do ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação, vulgo “imposto sobre heranças”) passou de R$ 6,54 bilhões para R$ 17,12 bilhões no Brasil. Sabe o que isto significou? Nada! Os 39 ministérios que existiam naquele período consumiam, apenas para se manterem funcionando, R$ 400 bilhões! Ou seja: o problema da falta de dinheiro não se resolve perseguindo os mais ricos, mas enxugando drasticamente o tamanho do estado, uma reivindicação liberal que a esquerda rejeita.

No mais, é importante salientar que boa parte da fortuna dos bilionários está em participações acionárias – em empresas no exterior – e não em dinheiro vivo. O que significa que o governo brasileiro não poderá cobrar impostos sobre a herança destas pessoas. Uma análise mais profunda sobre o tema pode ser encontrada aqui.

O comediante foi além: comparou impostos sobre herança do Brasil com os de países como Chile e EUA para sustentar sua crença. Ele só “esqueceu”, porém, de dizer que nesses países o estado permite a doação de quase toda a herança para instituições privadas – e é isso o que acontece. E “esqueceu” também de listar os países que não possuem impostos sobre heranças como Austrália, Canadá, China, Índia, México, Noruega, Rússia e Suécia.

Gregório Duvivier aproveita para fazer piada da afirmação liberal de que a taxação de heranças é o “imposto da inveja”. Sim, é inveja mesmo. Taxar uma pessoa apenas porque ela deixou bens para os seus descendentes é manifestação de inveja. E imoral.

6. Gregório mente muito ao dizer que os liberais americanos representam no país o liberalismo clássico inglês. Não representam! Os liberais americanos podem ser comparados aos social-democratas europeus ou aos tucanos no Brasil − esquerda! −, já que defendem regulações e programas assistencialistas estatais, coisas que os liberais repudiam pelas mais diversas razões que estão nos livros que o comediante nunca leu.

7. Gregório apela para a mentira mais uma vez ao dizer que os liberais não reclamam dos empréstimos que o BNDES concede a grandes empresas. Mentira! Os liberais brasileiros sempre defenderam o fim do BNDES! Foram os liberais que denunciaram que os empréstimos a grandes empresários feitos pelo BNDES durante o governo petista ajudariam a levar o Brasil à crise!

O comediante chega ao nível de citar os empréstimos que Temer concedeu aos empresários, “esquecendo” que Lula e Dilma (adorados por ele) foram os presidentes que mais deram dinheiro dos pagadores de impostos a grandes empresários por meio de subsídios de todos os tipos. Ao todo, nada menos do que R$ 1,2 trilhão.

O liberalismo defende que o governo não subsidie nada nem ninguém e não conceda qualquer tipo de privilégio ou benefício a qualquer pessoa que seja. A função do governo deve ser proteger a liberdade, a vida e a propriedade das pessoas enquanto indivíduos, punindo fraudadores e agressores.

8. O “humorista” afirma que os “falsos liberais” ignoram os problemas da concentração de renda como se os “verdadeiros liberais” propusessem soluções estatais para resolver o “problema”.

Os verdadeiros liberais explicam em centenas de livros e artigos que combater a desigualdade prejudica os mais pobres. Além disso, o maior gerador de desigualdade é o estado por meio de programas econômicos e da própria máquina, burocrática e política, que cria uma classes de privilegiados.

9. Gregório Duvivier chega a dizer que quem defende as “verdadeiras ideias liberais” é chamado de comunista no Brasil.

Mentira. Chamamos de comunistas apenas as pessoas que defendem grupos que invadem e depredam propriedades privadas, ostentam blusas e bandeiras com símbolos comunistas, reverenciam líderes comunistas genocidas e defendem ditaduras comunistas que acabaram com a liberdade econômica e civil da população. Ou seja: chamamos de comunista apenas pessoas como Gregório Duvivier.

10. O comediante afirma ainda que não devemos utilizar a palavra liberalismo “em vão”, entretanto, é o que Gregório mais fez em seu vídeo. Ele chega a dizer que a campanha “armas pela vida”, pelo direito ao porte de armas, é contraditória. Ora, a liberdade de autodefesa é um dos princípios sagrados do liberalismo, desde sempre.

Para finalizar, o militante de extrema-esquerda chega ao ponto de dizer que “meia liberdade não é liberdade”. Afe!

Resta-nos crer que essa e tantas outras peças de Gregório Duvivier sejam apenas gracinhas, piadas que apelam para a mentira como tentativa de fazer as pessoas rirem ou ganhar alguma audiência para um programa fracassado.

45 COMMENTS

  1. O engraçado é que a mesma desonestidade cometida por Gregório, também é cometida por várias pessoas em relação a Marx pelo mesmo motivo que o autor relata no texto acima: falta de leitura. Atribuem a Marx frases que ele nunca escreveu ou co-responsabilizam por atos que os malucos como Stalin, Mao, etc, fizeram. Por isso vemos que a desonestidade intelectual é um mal espalhado pelo Brasil.

  2. Gregorio e os idiotas que o apoiam .
    São tão estúpidos ao ponto de confundir ESQUERDA com o termo LIBERAL ! ! Sao tao mal informados e ignorantes que conhecem nem os termos e conceitos mais básicos sobre o Tema ! Nao sabem oque é Liberalismo.Nunca devem ter folheado um livro sobre o assunto. Nao Fazem a menor ideia de quais sejam os pensadores do Liberalismo .
    Nunca ouviram falar de RAWLS e HAYEK ou de ISAIAH BERLIN e OAKESHOTT, ou mesmo, KIRK e JONH GRAY ! E de uma ignorância imensa para alguém que se diz intelectual !( Rss)

  3. Uma pena que o colunista não falou da única coisa que interessa. Afinal de contas os liberais são a favor ou contra o aborto ou ao casamento dos gays. Assuntos que dizem respeito diretamente ao direito do cidadão de se autodeterminar.

    • Liberais defendem o direito à vida, logo são contra o aborto, e não querem que o estado se intrometa nas relações pessoais de ninguém. Mas em um país pobre e cheio de problemas como o Brasil estes temas estão longe de ser “a única coisa que interessa”.

      • É vc quem diz isso ou tem estudo ou livro/artigo sobre?

        Pq liberal q é contra aborto pra mim é liberal conservador, pq pra dizer q “aborto é assassinato” é coisa de conserva, q sua concepção de vida se baseia na bíblia e/ou na sua religião, ou seja, é algo pessoal, então ñ devia ser uma regra onde todos deveriam seguir.
        Onde se viu a mulher ñ ter liberdade pelo próprio corpo e algo q nem vida tem ainda ter mais direito q uma mulher já desenvolvida?

        • Liberais defendem o direito à vida desde sempre. Não tem nada de “conservador” ou de religioso nisso.
          E o feto não faz parte do corpo da mulher. É um terceiro indivíduo.

        • Liberdade sobre o próprio corpo ? O bebê tem um DNA diferente do da mãe, portanto é outro corpo.

    • A questão do aborto divide-nos muito, alguns acreditam que deva ser liberado outros não é um empasse. Na questão LGBT, não vejo liberais sendo contra, pois todos temos o direito de ser quem somos.

      MEU ponto de vista: Aborto deveria ser legalizado, mas não por conta do feto, e sim pelo livre mercado, já que geraria empregos fazendo com que a economia flua mais livremente, e evitaria que mulheres morressem em clinicas clandestinas (não acredite em discurso conservador que diz que proteger a vida da mulher não faz sentido pois ela está matando outra vida, porque sabemos que se ela morrer serão duas vidas). E na questão LGBT dependerá de como ocorre. Se as igrejas continuarem não pagando impostos, então LGBTs terão total liberdade de se casar nelas. Se elas tornarem-se privas (o correto a ser feito), ficaria a critério de cada uma, pois o estado não pode se meter no que não diz respeito a ele.

      • Livre mercado não significa defesa de assassinatos. Liberais defendem os direitos à vida, liberdade e propriedade, e isso não tem nada de “conservador”.

  4. – Quem disse que se trata de “erros” do Gregório ? Eles sabem muito bem o que fazem. Esse humorista sem graça depende de subsídios, de preferência estatais, para ganhar dinheiro. Há pouco tempo atrás, durante o (des)governo da Dilma, ele tinha contrato com o Banco do Brasil.

  5. Perfeita análise. Vossa abordagem vai de encontro com o que me interessei para poder ter embasamento em minha formação de opinião. Lamento que, aqueles por desconhecimento ou ma fé continuam a apoiar opiniões desinformadas e tendenciosas como esse “comediante” infame.

  6. Achei o texto um tanto hipócritav pois propaga fake news sobre o comediante (como ser filiado ao psol e etc), e assim como dito acima parece os jornais antigos brasileiros, ou seja doutrinário e muito mais opinativo do que factual

  7. João César de Melo: Excelente defesa do liberalismo, feita ainda em texto curto.
    É muito comum achar má fé, ignorância e desonestidade no tratamento da posição liberal feita pelos seus inimigos.
    Isto é; quando falam dela: porque habitualmente a posição liberal é ignorada, representada de forma enganosa, tratada de forma depreciativa, ou como se não existisse.
    Ainda acredito que muitos inimigo da liberdade o fazem de boa fé: não sabem o que significa a verdadeira liberdade, e/ou tem medo dela (não sei o que melhor se aplica ao comediante citado).
    Digo isto porque no meu estudo do islamismo, aprendi que participantes da chamada Jihad (terroristas e outros), acreditam que lutam a favor da “liberdade”, em contra da “opressão” de qualquer lugar não islâmico (ou não suficientemente islâmico).
    A causa básica (como Ayn Rand bem explicou), está na ética na qual as pessoas se apoiam.

  8. O Greg entende do assunto o suficiente para fazer o que lhe interessa: piadas usando a ridicularidade de quem diz ser uma coisa sem saber direito do que se trata. Esses sim, precisariam estudar se é que querem mesmo ser coerentes.
    No mais, se vocês que se dizem estudados dizem tanta besteira, parece que estudar essas coisas faz o sujeito ser cada vez mais idiota.😂 O caso de insinuaram que todo o Território pertence ao Estado só indica demência por não aceitarem que as relações de poder é o que define, inclusive o domínio de fenômenos como milícias, jagunçagem, cangaço, onde o Estado não chega ou não tem eficiência.

  9. “Além disso, o maior gerador de desigualdade é o estado por meio de programas econômicos e da própria máquina, burocrática e política, que cria uma classes de privilegiados.” Eu gostaria de saber em que livro ou pesquisa esses dados estão. O autor poderia responder? É necessário pensar também uma análise disso aqui no Brasil… o autor saberia indicar uma pesquisa de um liberal sério que afirme isso, na dada conjuntura brasileira? Obrigada

  10. Considero-me centrista. Assisti ao vídeo de Gregório e, apesar de não ter lido tantos livros sobre o tema, senti um incômodo em relação a alguns pontos. Concordo com o artigo deste site e, apesar de não ser muito favorável aos presidenciáveis que ele mencionou, não achei certo esse esquecimento de alguns e direcionamento a outros. De fato, alguns deles, no desespero por votos, veste a camisa da direita e da esquerda ignorando a história de cada lado. E acreditem, são todos os atuais candidatos quem fazem isto, até os mais extremistas que acabam soltando algo do outro lado pra tentar ganhar estima e enganar o eleitor. Realmente faltou mais autores liberais, pois todas as vertentes de pensamento possuem dezenas de autores (e se considerarmos as vertentes das vertentes que surgem tentando mesclar ideias e uma maior “tolerância”).
    Epistemologicamente, o programa se define a esquerda e, como tal, seria mais inteligente não tentar tendenciar uma vertente de pensamento a esquerda ou a direita com base em interpretação incorreta ou proveniente de uma baixa pesquisa. No fim, o programa serviu para atacar algumas pessoas sem oportunizar o contraditório, portanto deve ser ignorado.

  11. Parei de ler no socialismo nivela por baixo, na miseria… Queria mto terminar mas fica difícil quando vc tenta refutar opinião com mais opinião… A sua critica à opinião de uma pessoa, na minha OPINIÃO, seria válida se vc trouxesse argumentos e não mais opinião

    • Não é opinião alguma, é um fato: todos regimes (ditaduras) socialistas só geram fome, miséria e mortes. Não há, na história da humanidade, um exemplo de sistema socialista que tenha dado certo.

      • Na verdade vc acabou de descrever como o socialismo deu certo. Pois a idéia dele é justamente essa: fome, miséria e mortes enqto quem está no poder, tem do bom e do melhor. Mas só quem está no poder

      • No caso em questão é preciso esclarecer pelo menos dois pressupostos: em primeiro lugar, o que significa “dar certo”? E em segundo lugar, um sistema econômico ou político tem que “dar certo” para quem?

        É evidente que o capitalismo “dá certo” para uma restrita camada da população mundial, enquanto fracassa miseravelmente para aqueles 815 milhões de pessoas que passam fome hoje no planeta. Um sistema com mais de quatro séculos de existência e que não foi capaz até hoje de solucionar problemas básicos como o da fome, do saneamento básico e da moradia deveria ser visto com muito ceticismo

    • Se alguém disser a um esquerdista que Pitágoras era de direita, ele logo passará a dizer que o teorema de Pitágoras é uma falácia, que nunca foi provado, que quem o defende é “tendencioso” e “precisa estudar mais”, que é apenas uma opinião, etc.

      E se mostrarem a ele a demonstração matemática do teorema, ele dirá que é um “texto parcial”, que já foi refutado por alguém, e que falha em não considerar os aspectos dialéticos da relação de opressão entre os catetos e a hipotenusa.

      Nunca deixo de me surpreender com o quanto os esquerdistas brasileiros não apenas repetem sempre as mesmas idéias, mas o fazem com exatamente o mesmo (limitado) vocabulário, as mesmas expressões idiomáticas e as mesmas frases feitas. Parecem robôs.

    • Não é opinião. É impossível nivelar para cima, é matemática básica, lei da oferta e demanda. Nivelação é a operação de equiparar, isto é; coerção, coibição. Imagine que uma criança rica comprou duas balas e tem dois amigos pobres. Três crianças, duas balas, uma criança com duas balas. Se esta criança dividir suas balas voluntariamente, não fere a liberdade individual. Se vendo esta situação desigual você tomar as duas balas e dividir igualmente, cada criança vai receber %0,66, menos de uma bala, isto é nivelar para baixo. O que os liberais defendem não é equiparação ou nivelamento, e sim o distanciamento da base(pobreza). Quanto mais balas existirem, menos raras elas serão e consequentemente mais baratas. Os garoto rico poderá comprar mais que duas balas e os pobres terão acesso as balas a um valor acessível.

  12. Eu entendi vários pontos que você destacou, mas alguns detalhes achei um pouco exagerado. Por exemplo ao destacar como ele descreveu a mão invisível ou como ele ironizou dizendo que o mandariam pra Cuba caso ele falasse de liberdade e igualdade. Por mais que ele não tenha falado de todos os autores mais importantes, ou se aprofundado bastante no tema, eu entendo que ele faz um programa de humor, e várias piadas sem sentido podem surgir. Mas novamente, eu entendo seu ponto. Só acho que algumas críticas não eram necessárias.

  13. Eu pergunto se o Estado não serve para os liberais por que injetam milhões para ajudar bancos privados nas épocas de crise? Deveria deixar o laissez faire fazer isso, não?

    • Sim, deveria deixar que os bancos quebrassem. Liberais não defendem que o estado salve bancos por aí.

        • Flavio Rocha não é liberal, é conservador. E sim, ele pegou empréstimos do BNDES e nós o criticamos por isso.

    • Em nenhum momento o texto fala sobre imposto sobre grandes fortunas. Você precisa aprender a ler.

    • Só uma pergunta Maria. Obviamente o imposto sobre as grandes fortunas fere o direito a propriedade. Mas supondo que aconteça, o imposto sobre grandes fortunas vai ser distribuído direto na conta das pessoas mais pobres para eles manterem o fluxo desse dinheiro ou vai ser investido em programas sociais gratuitos que não criam valor e só aumentam a burocracia e corrupção na maquina publica.

  14. Comediante comentando política é piada… aqui e em qualquer lugar do mundo, rsrsrsrsrs… pior que na maior parte das vezes é sem graça…

      • Verdade, ele tentando fazer piada, só com aqueles efeitos sonoros altos de risadas que passavam no chaves ou em seriados norte americanos. rs

  15. Esse monólogo do Gregório foi a síntese da falta de caráter dele (e da esquerda em geral). Ele tenta tomar o termo liberal para a esquerda (como é nos EUA). Não duvido nada que isso seja pauta do PSOL… Imaginem o Boulos, Freixo e Maria do Rosário dizendo que são liberais; dá até ânsia.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here