DOE

Sim, existem brinquedos de meninos ou de meninas

O povão mostrou esta semana conhecer mais a natureza humana que intelectuais ou editores do “Fantástico”.

A última edição do programa exibiu uma escola sem distinção entre brinquedos para meninos ou meninas (não tenho notícia de escolas que fazem essa distinção, mas ok). Uma das entrevistadas, diretora de um documentário, considerou nefasto elogiar meninas com o termo “princesa”, pois ele reforçaria a ideia de que boas mulheres são delicadas, loiras e de olhos azuis.

Outra, uma estudiosa de relações de gênero, acredita que brinquedos diferentes para meninos e meninas são prejudiciais porque criam adultas incapazes de conquistar cargos mais altos no trabalho. No Facebook e no Twitter, o público duvidou dessas afirmações.

Na mesma linha, o sabão em pó Omo lançou esta semana um “comunicado urgente” convocando pais e mães “a fazerem recall de todas as brincadeiras que reforcem clichês sobre gênero”. Teve, até o momento, 208 mil reações negativas e 27 mil positivas.

Há nisso tudo uma obviedade e uma maluquice. É claro que o sujeito não será o melhor pai do mundo se surrar o filho depois de vê-lo brincar com bonecas ou censurar a garota que se diverte com carrinhos. Mas é loucura acreditar que crianças são uma tabula rasa, uma massa totalmente moldável por palavras, imagens e brinquedos, enfim, pela cultura.

O ser humano nasce como um livro cujos capítulos foram parcialmente escritos. A natureza escreveu uma parte, o ambiente se encarrega do resto. Alguns capítulos vieram mais preenchidos que outros. Não há educação ou patrulha ideológica que consiga mudar certas inscrições da natureza.

Qualquer avó sabe que existem brincadeiras de meninos e brincadeiras de meninas. Eles, em geral, preferem armas; elas, bonecas. Meninos têm fascínio por competições e jogos que envolvem violência; meninas preferem simular a maternidade. Como acontece com outros primatas e diversas espécies de mamíferos, filhotes machos brincam de brigar com mais frequência que as fêmeas.

É engraçado ver pais cegados pela fantasia de gênero perceberem essa obviedade. Mês passado foi a vez da atriz Taís Araújo cair na real.

“Tenho uma filha de 2 anos e oito meses que ama rosa, enlouquece com princesas, brinca de mãe e filho o dia todo e chora quando entra numa loja de brinquedos querendo ferro e tábua de passar! Socorro!”, disse ela no Instagram.

Há histórias ainda mais contundentes. Em “Tabula Rasa”, Steven Pinker cita o caso de 21 meninos que, por um defeito congênito, nasceram sem o pênis. Foram tratados e vestidos como meninas – alguns até receberam uma vagina artificial. Apesar dessa influência do ambiente, todos eles se consideraram homens anos depois.

Isso não significa que é errado contrariar tendências naturais. Significa apenas que a influência dos pais e do ambiente é limitada. A natureza não define o que é certo ou errado, mas explica um bocado de comportamentos.

Enquanto intelectuais e editores do “Fantástico” se iludem com a ideia de que é possível moldar os filhos conforme a ideologia da moda, o povão prefere se apegar à realidade. Funciona, assim, como uma âncora de sensatez diante de tantas esquisitices intelectuais.

Compartilhe nas redes sociais:

Mais Recentes

ILISP se reúne com a secretária de Videira/SC para avançar o projeto Liberdade para Trabalhar.
O ILISP se reuniu hoje (01/junho)...
Liberdade para Trabalhar avança em Indiaroba/SE
A cidade de Indiaroba, no estado...
ILISP vence prêmio de melhor projeto liberal da América Latina
O Instituto Liberal de São Paulo...
Boa Vista/RR se torna a capital mais livre para trabalhar do Brasil
A cidade de Boa Vista, capital...
Liberdade para Trabalhar avança em Anápolis-GO com 297 atividades liberadas de alvará
Lançado no dia 29 de junho...
Ranking mundial da Forbes reconhece o ILISP como um dos think tanks com maior alcance nas redes sociais
Dois artigos publicados na Revista Forbes...