Governo gasta 17 milhões em aeroporto sem passageiros e com pista pequena demais

Em mais um exemplo da “eficiência” estatal, o governo do Piauí gastou 17 milhões de reais em um aeroporto… que ninguém usa. O Aeroporto Internacional Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato, demorou uma década para ser construído, mas não tem demanda por passageiros e nem por vôos: apesar do nome “internacional”, a pista do aeroporto é pequena demais para receber vôos comerciais com aviões de maior parte.

A única empresa que voa para o aeroporto, a regional Piquiatuba, oferece somente dois vôos de pequeno porte para ida e dois para volta por semana, praticamente vazios, bem como recebe subsídios do governo piauiense para funcionar. O aeroporto possui um custo de manutenção de 4 milhões de reais por ano, integralmente financiados pelos pagadores de impostos piauienses. O Piauí é o estado brasileiro com proporcionalmente a maior quantidade de pessoas na extrema miséria do país.

O aeroporto foi construído para atender a demanda de 25 mil turistas por ano que vão ao Parque Nacional Serra da Capivara, considerado patrimônio da humanidade, mas a cidade de São Raimundo Nonato, que possui 32 mil habitantes, mal possui estrutura hoteleira: há somente dois hotéis da cidade listados no Booking.com, o principal site de reservas hoteleiras do mundo. O único momento em que o aeroporto ficou lotado foi em sua inauguração, que contou com a presença do governador Wellington Dias (PT).

Aeroporto elefante branco erguido pelo governo do Piauí não tem demanda nem possibilidade de ter vôos comerciais de maior porte

8 COMENTÁRIOS

  1. Óbvio que nunca vai receber voo internacional, se nem hotel a cidade tem direito, não tem restaurantes descentes, mal tem asfalto nas ruas. Deram o nome de internacional e o povão acreditou, sua pista tem uma resistência fraca que impossibilita a ação de aviões A319 e B737-700 que são os menores de 3 das 4 principais empresas aéreas do país. Isolado, não tem sinal de celular e para chamar um táxi é uma complicação sem fim. E para fechar a cereja do bolo, o estado paga um táxi aéreo 250 mil reais por mês para adesivar o avião com propaganda turística (nem tem um site de turismo o governo) e esta vende passagens “mais baratas” e mesmo assim os voos andam batendo lata com ocupação de 40%, voando as vezes com 1, 2 passageiros. Um verdadeiro elefante branco.

  2. Nao conheço os dados, mas ja vi ocorrer em outros países a criação de estrutura turística para o turismo acontecer. Aeroporto pode ser interessante como parte dessa estrutura, que também envolve divulgação no brasil e fora, estrutura, mao de obra, etc. É uma forma inteligente de promover fluxo turistico e receitas para uma região.
    Como o brasil nao pensa estrategicamente, acho mais facil o aeroporto ter sido construido pra atender fazendeiros da região e para os políticos envolvidos conseguirem suas gorjetas milionarias.

  3. É totalmente ridículo construir um aeroporto novo com pista de 1.650 metros de comprimento a uma elevação de 1.362 pés. Para reduzir a pista para o nível do mar, tira-se 100 mts de pista para cada 1.000 pés de elevação. 1.650 m menos 136,2 = 1.513,80 m. Se bobear, ainda construiram com baixo PCN (resistência do pavimento). E num lugar de temperaturas elevadíssimas, o que torna a pista limitada tanto para vôos comerciais quanto para jatos executivos. Na China, “pista curta” = 3.000 mts, no mínimo. Esse pessoal de governo não aprende nada, quando vai às reuniões do tal BRICS???

      • As cartas de performance de todos os aviões são feitas levando em consideração a situação de temperatura ambiente de 15ºCentigrados e nível do mar (com pressão atmosférica de 1013.2 Hctopascais).
        A partir daí, cada grau de temperatura a mais, altitude e diminuição da pressão atmosférica e aumento da umidade impõem penalidades na capacidade do avião voar: Os motores a reação produzem menos potência ESTÁTICA, a velocidade com que o avião decola deve ser maior (daí a necessidade de maior comprimento de pista) e/ou o peso máximo de decolagem diminuído (para poder decolar com menos pista).
        Questão de ciência: – Física. Não tem “jeitinho” possível.

  4. Acredito que foi um grande erro de planejamento e avaliação de mercado. Aeroporto internacional tem pista mínima de 3.000m. Mas as características técnicas do aeroporto Nonato (pista) deveriam ser replicadas nos futuros aeroportos regionais do estado. Essas características são fundamentais a moderna aviação regional, pista de 1.650m de comprimento por 45m de largura e resistência do piso em torno de 40 toneladas. Cidades com grande atividade agrícola e cultura de soja também deveriam ser contempladas com pistas de 1.650 x 45m, tais como, Bom Jesus, Floriano, Picos, Corrente, Paulistana, Canto do Buriti e Porto alegre do Piauí. Com 1.650m e resistência do piso para 40t, o aeroporto terá plenas condições de receber os turboélices de 70 lugares e também a nova geração de turboélices de 90 passageiros que começaram a chegar ao mercado em 2016.
    Aeroporto Regional = 1.650 x 45m + 40t = Fantástico
    Saudações,

  5. Por isso que a infraestrutura da aviação civil precisa ser integrealmente transferida para o setor privado. Aquelas rotas que não são lucrativas ou viáveis deixam de existir e pronto. Se não há demanda, não há como oferecer o serviço – não sem pedir subsídio estatal.
    Outra coisa que não deveria ser financiada pelo Estado é o carnaval.
    https://bordinburke.wordpress.com/2017/01/31/carnaval-gera-riqueza-entao-nao-deveria-haver-controversia-ou-deveria/

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here