DOE

Policial morto no Rio estava desarmado porque polícia não tinha papel para registrar arma

O policial militar Evaldo César Silva de Moraes Filho, morto com um tiro na cabeça na noite do último domingo quando chegava para trabalhar no Complexo do Alemão, estava desarmado. O motivo? O policial ainda não tinha o registro da arma de fogo particular por falta de papel para emitir o “Certificado de registro de arma de fogo” (Craf).

De acordo com o Secretário de “Segurança” Pública do Estado do Rio de Janeiro, o desarmamentista José Mariano Beltrame, o papel do Craf “não é um papel comum, é um papel selo, é um papel tipo papel de passaporte, ele é todo estilizado, com marca d’água” e já foi licitado, comprado e pago. O secretário não explicou como a secretaria pagou pelo papel se ele sequer foi entregue.

Está gostando do conteúdo? COMPARTILHE!

Mais Recentes

Liberdade para Trabalhar avança em Anápolis-GO com 297 atividades liberadas de alvará
Lançado no dia 29 de junho...
Ranking mundial da Forbes reconhece o ILISP como um dos think tanks com maior alcance nas redes sociais
Dois artigos publicados na Revista Forbes...
Liberdade para Trabalhar avança em Nova Friburgo-RJ com 289 atividades liberadas de alvará
Lançado no dia 29 de junho...
Projeto Liberdade para Trabalhar é lançado em Sergipe
Lançado nacionalmente no dia 29 de...
Liberdade para Trabalhar: Boa Vista-RR dispensa 297 atividades da necessidade de alvará
Lançado no dia 29 de junho,...
Em evento no Senado, ILISP lança o Mapa da Liberdade para Trabalhar
Um pequeno empreendedor que tirou a...

Leia Sempre Primeiro

Cadastre-se na nossa Newsletter e receba sempre em Primeira Mão!