Porta dos Fundos obteve 3,5 milhões de reais via lei similar à Lei Rouanet para fazer filme

O Porta dos Fundos, formado por Antonio Tabet, Fábio Porchat, Gregório Duvivier, Ian SBF e João Vicente de Castro, obteve até o momento 3,5 milhões de reais dos pagadores de impostos, por meio da Lei do Audiovisual, para realizar seu primeiro filme, “Contrato Vitalício”.

A informação, que está disponível no site da Ancine, também mostra que o grupo ainda pode obter mais 3,8 milhões de reais por meio da mesma lei, dado que a Ancine aprovou até 7,3 milhões de reais para o projeto.

A Lei do Audiovisual funciona por meio da “renúncia fiscal” de impostos que seriam pagos por empresas mas que são destinados a projetos selecionados pela Ancine, num modelo similar à Lei Rouanet. Na medida em que tais impostos já foram pagos pelos consumidores nos produtos e serviços consumidos destas empresas, se trata, na prática, de dinheiro dos pagadores de impostos destinado para projetos de amigos do estado.

Está gostando do conteúdo? COMPARTILHE!

Mais Recentes

Liberdade para Trabalhar avança em Anápolis-GO com 297 atividades liberadas de alvará
Lançado no dia 29 de junho...
Ranking mundial da Forbes reconhece o ILISP como um dos think tanks com maior alcance nas redes sociais
Dois artigos publicados na Revista Forbes...
Liberdade para Trabalhar avança em Nova Friburgo-RJ com 289 atividades liberadas de alvará
Lançado no dia 29 de junho...
Projeto Liberdade para Trabalhar é lançado em Sergipe
Lançado nacionalmente no dia 29 de...
Liberdade para Trabalhar: Boa Vista-RR dispensa 297 atividades da necessidade de alvará
Lançado no dia 29 de junho,...
Em evento no Senado, ILISP lança o Mapa da Liberdade para Trabalhar
Um pequeno empreendedor que tirou a...

Leia Sempre Primeiro

Cadastre-se na nossa Newsletter e receba sempre em Primeira Mão!