UFRJ gastou mais com salário de reitor do que com a manutenção do Museu Nacional

Mais antigo do país, o Museu Nacional – incendiado na madrugada do último domingo (02) – é subordinado à UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e vinha sofrendo com poucos recursos financeiros para manutenção e conservação pelo menos desde 2010. Informações obtidas pelo ILISP mostram que, além da universidade dar mais prioridade à captação de verba para criar uma rádio FM, a UFRJ gastou mais com o salário de seu reitor do que com a manutenção do museu.

Entre 2010 e 2018 (período em que os dados estão disponíveis), a UFRJ gastou menos, em valores nominais, com a manutenção e conservação anuais do Museu Nacional – um palácio com 11.417 m2 – do que com o salário do reitor. O pico foi em 2013, quando a universidade destinou R$ 284,1 mil para a manutenção do museu. Desde então, os valores anuais caíram para cerca de R$ 163 mil em 2014 e 2015, e despencaram para meros R$ 5,1 mil em 2016. A situação não melhorou substancialmente em 2017, quando apenas R$ 26,4 mil foram gastos com a conservação do imóvel (sendo R$ 5,5 mil até o mês de agosto). Este ano, o corte foi ainda mais drástico: a UFRJ não gastou 1 centavo sequer com a manutenção do palácio do Museu Nacional em 2018.

Valores nominais gastos pela UFRJ com a manutenção e conservação do palácio do Museu Imperial entre 2010 e 2018. Fonte: Siga Brasil, Senado Federal

No mesmo período, os gastos nominais do Ministério da Educação com a UFRJ cresceram de R$ 2,29 bilhões (2010) para R$ 3,95 bilhões em 2017. A destinação final dos recursos recebidos pela UFRJ é definida pela reitoria, dada a autonomia universitária prevista na Constituição, e não pelo governo federal.

Valores nominais gastos pelo Ministério da Educação com a UFRJ entre 2010 e 2018. Fonte: Siga Brasil, Senado Federal

Por outro lado, o salário do reitor da UFRJ foi superior à verba para manutenção do palácio do Museu Nacional em todo o período analisado. O atual reitor, Roberto Leher – um dos fundadores do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), apoiador declarado do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e eleito pelos professores e alunos da UFRJ em 2015 – possui remuneração bruta de R$ 27.988,71 mensais, ou seja, R$ 335,8 mil por ano. Ainda que sejam descontadas as deduções obrigatórias (imposto de renda e previdência) e ignoradas as verbas indenizatórias, o socialista Roberto Leher recebe um salário mensal líquido de R$ 19.546,05, totalizando R$ 234,5 mil por ano.

Remuneração mensal do atual reitor da UFRJ, o socialista Roberto Leher: valor é superior à verba destinada pela UFRJ ao palácio de mais de 11 mil metros quadrados do Museu Nacional. Fonte: Portal da Transparência.

Está gostando do conteúdo? COMPARTILHE!

Mais Recentes

Ranking mundial da Forbes reconhece o ILISP como um dos think tanks com maior alcance nas redes sociais
Dois artigos publicados na Revista Forbes...
Liberdade para Trabalhar avança em Nova Friburgo-RJ com 289 atividades liberadas de alvará
Lançado no dia 29 de junho...
Projeto Liberdade para Trabalhar é lançado em Sergipe
Lançado nacionalmente no dia 29 de...
Liberdade para Trabalhar: Boa Vista-RR dispensa 297 atividades da necessidade de alvará
Lançado no dia 29 de junho,...
Em evento no Senado, ILISP lança o Mapa da Liberdade para Trabalhar
Um pequeno empreendedor que tirou a...
ILISP processa governo federal contra plano de R$ 250 milhões para distribuir cloroquina
O Instituto Liberal de São Paulo...

Leia Sempre Primeiro

Cadastre-se na nossa Newsletter e receba sempre em Primeira Mão!