DOE

Carta aberta aos que utilizaram a morte de Marielle para fazer militância política

Cristiano Castilho, jornalista freelancer do jornal Folha de São Paulo, publicou em seu Facebook uma carta aberta onde culpa tudo e todos – menos os assassinos – pelo homicídio de Marielle (o motorista, igualmente morto no crime, foi esquecido). Esta é a minha resposta a ele e a outros que utilizaram a morte da vereadora para fazer militância política:

Carta aberta a você, Cristiano Castilho, e a outros que usaram um assassinato para fazer politicagem barata.

Não, não sou responsável pela morte da Marielle. Somente os criminosos que a mataram são responsáveis pelo crime.

Não, quem bateu panela não é responsável pela morte dela. E muito menos tinha “medo de gente”, mas sim de mais desemprego, inflação e caos no país.

Quem acha que bandido bom é bandido morto também não é responsável pela morte dela, mesmo que se discorde desse ponto de vista. Os responsáveis, de novo, são os assassinos. E apenas eles.

Isto também serve para quem estereotipa seu contraponto político, para quem é incoerente, para quem tatua deus no corpo ou não, para quem é humanista ou não, para quem elegeu o prefeito a, b ou c.

Nenhum deles é responsável pela morte de Marielle. Os assassinos e apenas eles são os responsáveis.

Quem defende o uso de armas deseja que pessoas como Marielle e seu motorista possam ao menos ter a chance de, talvez, continuarem vivos. Como você pode perceber pelo próprio crime, quem deseja matar alguém não está preocupado com a lei de desarmamento.

Quem usa filtro no vidro do carro também não matou Marielle, quer apenas tentar reduzir um pouco a chance de ser alvo do próximo crime. O carro onde ela estava, aliás, também tinha filtro no vidro. A realidade é bem diferente da caixinha quadrada de militância.

Quem assiste Datena com a família também não matou Marielle. Pelo contrário, geralmente estas pessoas vibram quando bandidos homicidas como aqueles que tiraram a vida da vereadora (e de seu motorista, sempre bom lembrar) são mortos. Gente de bem não quer a morte de gente inocente.

Eu poderia dizer que gente que glamoriza bandidos, tira a culpa dos criminosos para colocá-la na “sociedade” ou em alvos pré-estabelecidos e defende direitos humanos apenas para criminosos, como a esquerda brasileira faz constantemente, é quem matou Marielle. Mas isto seria falso: apesar de vocês adorarem um bandido, vocês também não mataram Marielle, foram aqueles que vocês tanto defendem que o fizeram.

Todos aqueles que você diz que “mataram” Marielle gritam e clamam por justiça e segurança há anos, Cristiano. Ao contrário de pessoas como você, eles sabem que se mata e se morre como em uma guerra diariamente neste país. Eles não descobriram que existe criminalidade apenas quando uma vereadora com a qual se identificam politicamente foi assassinada, eles a vivenciam diariamente.

Na próxima, Cristiano, talvez seja melhor você adotar o silêncio ao invés de falar sobre o que sequer conhece e utilizar um cadáver para a sua militância barata. Seria esplêndido.

Protesto em Fortaleza após o assassinato de Marielle: homicídio usado como pauta política

Está gostando do conteúdo? COMPARTILHE!

Mais Recentes

Liberdade para Trabalhar avança em Anápolis-GO com 297 atividades liberadas de alvará
Lançado no dia 29 de junho...
Ranking mundial da Forbes reconhece o ILISP como um dos think tanks com maior alcance nas redes sociais
Dois artigos publicados na Revista Forbes...
Liberdade para Trabalhar avança em Nova Friburgo-RJ com 289 atividades liberadas de alvará
Lançado no dia 29 de junho...
Projeto Liberdade para Trabalhar é lançado em Sergipe
Lançado nacionalmente no dia 29 de...
Liberdade para Trabalhar: Boa Vista-RR dispensa 297 atividades da necessidade de alvará
Lançado no dia 29 de junho,...
Em evento no Senado, ILISP lança o Mapa da Liberdade para Trabalhar
Um pequeno empreendedor que tirou a...

Leia Sempre Primeiro

Cadastre-se na nossa Newsletter e receba sempre em Primeira Mão!