Por que a esquerda ama os bandidos

Como sabemos, qualquer pessoa não alinhada à extrema-esquerda que ingresse no governo tem, imediatamente, sua vida vasculhada pela imprensa. Qualquer mancha na biografia é motivo de condenação sumária. Qualquer ato politicamente incorreto é motivo para linchamento midiático. No entanto, tudo – tudo mesmo – é aceitável se a pessoa ilustrar alguma retórica socialista.

Por exemplo: a mesma esquerda que repudia quem elogia torturadores enaltece ditadores e ditaduras que torturaram e assassinaram milhares de vezes mais pessoas.

Não consigo lembrar de uma única reportagem na grande imprensa brasileira sobre a participação de pessoas como Dilma, José Dirceu, José Genoíno e Aloysio Nunes em grupos terroristas que assassinaram pessoas durante a ditadura militar e que planejavam implantar no Brasil uma ditadura muito mais violenta do que a que combatiam. Por outro lado, ainda é comum reportagens sobre os anos da ditadura.

As mesmas pessoas que pedem cadeia para Aécio e Temer pedem liberdade para Lula.

É pertinente esclarecer por que a esquerda se esforça tanto em defender bandidos comuns, ladrões, assaltantes e até pedófilos, como houve há dois dias com G1, O Globo e Quebrando Tabu enaltecendo um estuprador de crianças condenado a 50 anos de prisão porque ele foi aprovado em um vestibular da UFPA pelo sistema de cotas.

Para a esquerda marxista-leninista representada por partidos como PT, PSOL e PCdoB, não existe crime. Existe apenas “história”. A história de luta de classes, uma tese sem qualquer fundamento na realidade.

Por conta disso, os atos de indivíduos que representam a suposta classe dos “oprimidos” contra indivíduos que representam a suposta classe dos “privilegiados” são reparações, não crimes. Segundo a teoria socialista, um bandido que rouba alguém está tomando de volta o que deveria pertencer a ele. Um criminoso que assalta a estudante de uma universidade particular é um “agente da revolução do proletariado”. Não houve crime. Houve reparação. Se ele agredi-la ou matá-la, terá apenas dado vazão à revolta de sua classe contra “séculos de opressão burguesa”.

Dessa forma, tenta-se fazer a sociedade acreditar que a prisão de cada assaltante é um ataque a todos os pobres enquanto classe social.

É assim que os petistas de todos os partidos enxergam o mundo. De Lula à Márcia Tiburi, não há personalidade da esquerda que não tenha justificado o crime.

 

O que movimento socialista ganha em defender ladrões e assassinos?

Como já escreveram Marx, Marcuse e Gramsci, não há revolução sem desqualificação das instituições. Defender um ladrão significa atacar a justiça. Desqualificada da função de prender “ladrõezinhos”, a justiça também estará desqualificada da função de coibir ações fascistas de grupos como MTST e CUT e, claro, de prender um ex-presidente socialista condenado por corrupção.

Isto fica mais claro quando estamos sob um governo não alinhado à partidos de extrema-esquerda, mas a mesma estratégia é utilizada em governos de esquerda eleitos democraticamente como os de Lula e Dilma.

Um estado democrático é caracterizado pela independência dos três poderes, com cada um vigiando os outros para impedir abusos contra a população.

A desqualificação do Poder Judiciário é a tentativa de criar no imaginário popular a necessidade de uma reforma – “uma nova justiça” – que, liderada pela esquerda, seria facilmente manipulada para aumentar o poder do Executivo, subordinando a justiça ao Presidente da República. Foi o que Hugo Chávez e Nicolás Maduro fizeram na Venezuela.

O Estatuto do Desarmamento teve essa intenção.

Enquanto a militância socialista nas ruas, nas universidades e na imprensa estimulava a criminalidade, todos os partidos de esquerda – do PT ao PSDB – uniram-se para restringir o porte de armas sob a justificativa de diminuir a violência urbana. Conseguiram.

Defendem isso com tanto afinco porque sabem que uma população desarmada pede cada vez mais proteção ao estado, justificando a criação de mais e mais leis de controle da liberdade e da propriedade privada. Pior: uma sociedade desarmada não tem poder de reagir à tirania do governo, vide o drama dos venezuelanos.

A esquerda investe tanto nisso porque tem convicção de que, em algum momento, terá pleno poder no país. Se não foi com Lula e Dilma, será com outro.

Como conta a história – e devemos sempre considerá-la porque a própria esquerda faz questão de repetir seus procedimentos −, o movimento socialista atua em diversas frentes ao mesmo tempo. Na cultura, desqualificando os padrões estéticos construídos ao longo de séculos para impor “novos valores” criados por ela, financiando artistas e intelectuais alinhados às suas pautas enquanto isola os demais. Na religião, destruindo princípios cristãos para substituir a igreja pelo estado na vida das pessoas. Na economia, insistindo na ideia de que o estado deve controlar o mercado e promover uma ampla política de impostos para deixar pessoas e empresas dependentes do financiamento estatal. Na educação, criando uma massa de militantes. Na política, criando formas legais de obrigar cristãos a financiar anticristãos, empresários a financiar comunistas, trabalhadores a financiar vagabundos. Por fim, na justiça, criando leis que beneficiam criminosos para que a sociedade honesta esteja sempre acuada e dependente da proteção do governo.

Uma vez com o pleno controle, o estado socialista converte a tolerância ao crime em sistemática e massiva campanha contra todos os criminosos que, nesse momento, já são todos os cidadãos não alinhados ao partido do governo. Foi assim na URSS, na China, em Cuba, na Venezuela… e quase no Brasil.

Vaquinha O ILISP tem atuado contra a legalização do aborto e em defesa do direito à vida no STF. Para custear a causa, lançamos uma vaquinha. Os interessados em nos ajudar podem fazê-lo por meio do botão abaixo:

47 COMENTÁRIOS

  1. A legislação brasileira sempre foi “defensora” de bandidos. Sempre. Desde antes dos militares, durante o regime militar (não atoa mataram um número irrisório), na redemocratização, e depois do PT não teria como ser diferente.

    Apenas compare a legislação americana (que já sofreu muito do progressismo democrata) com a brasileira. Nos EUA, um policial pode atirar pra matar um bandido que se recusa a seguir suas ordens (mesmo estando desarmado) e uma pessoa reagir pra matar durante um assalto é garantido por lei. No Brasil, ambos os casos são estritamente proibidos, se fizer, será punido de forma severa pela “justiça”.

    A esquerda apenas conseguiu encontrar um terreno perfeito no Brasil. Ela pegou a faca e o queijo na mão, não precisou fazer quase nada. Países como Portugal e Espanha foram os grandes responsáveis por isso.

  2. Parabéns João César de Melo, se me autorizar eu passo pra frente em outros veículos essa excelente matéria que você produziu. O povo brasileiro precisa de esclarecimento e uma linguagem simples e objetiva como a sua desempenha um excelente papel na disseminação da verdade sobre a desgraça esquerdista.

  3. José Roberto, Fernando Henrique Cardoso, nos anos 50, era simpatizante do Partido Comunista Brasileiro e estudioso do Marxismo. Ele na verdade é um enrustido , faz de conta que é da direita, mas o seu partido é de Centro Esquerda. Como Aécio Neves é do mesmo partido, isso vale pra ele também. Meu amigo, nem tudo é o que parece. Nós brasileiros estamos sendo enganados por esses esquerdistas há várias décadas.

  4. kakakkk
    Hilário dizer que a esquerda gosta de bandidos se é a direita que vota em Aécio e no PSDB, que só não vão presos porque tem padrinhos lá em cima.
    Isso é querer subestimar a inteligência dos eleitores.

      • José Roberto, Fernando Henrique Cardoso, nos anos 50, era simpatizante do Partido Comunista Brasileiro e estudioso do Marxismo. Ele na verdade é um enrustido , faz de conta que é da direita, mas o seu partido é de Centro Esquerda. Como Aécio Neves é do mesmo partido, isso vale pra ele também. Meu amigo, nem tudo é o que parece. Nós brasileiros estamos sendo enganados por esses esquerdistas há várias décadas.

    • Cala a tua boca, pois ninguém fica defendendo bandido condenado igual a escória da esquerda não. Nós votamos sim no Aécio mas queremos a prisão dele, diferente de vocês que querem que um presidiário seja presidente do nosso país

  5. Excelente artigo. Na verdade, foi perfeito.
    O autor captou e exprimiu muito bem o verdadeiro sentido da palavra “subversão”.
    A Esquerda ama os bandidos porque eles desestabilizam o Estado Democrático de Direito, que por sua vez, é o grande inimigo a ser vencido.
    Irei um pouco mais além. A Esquerda tem no Socialismo todos os dogmas de sua religião, onde D’us não existe.

  6. Vi uma vez em um comentário, que nós só não seguimos o caminho da Venezuela graças a Dilma que quis se reeleger e não deixou o Lula concorrer.

    • Concordo. Vou mais além, acho que Dilma caiu mais porque o sistema financeiro ia quebrar e se quebra os bancos, Globo, Folha de SP, Estadão, em suma o país inteiro, todos os que ajudaram a levar LULA ao poder estariam falidos.

  7. A esquerda, sempre foi uma super máfia, que tenta dominar e controlar mundo, pela violência. Inimigos ferrenhos da liberdade, e por isso, odeiam os Estados Unidos, que é o País de maior liberdade que existe na face da terra. Por isso, é a potência que é, pois, só é possível existir progresso real e inovação, com liberdade, liberdade essa que amedronta a esquerda radical.

  8. Meu comentário como sempre é simples e sem frescuras: A ESQUERDA AMA BANDIDOS PORQUE É TODA ELA,SEM EXCEÇÃO,COMPOSTA POR …BANDIDOS! ENTENDERAM AGORA?

  9. OTIMO TEXTO…pelos comemtarios nos convencemos a cada dia q passa a dificuldade de.se.encontrar um petista (leia-se ZUMBI) que nao tenha MERDA no lugar do cerebro.

  10. Até hoje não vi um esquerdista querendo ir morar em Cuba. Para a maioria deles o sonho é morar nos EUA (país mais capitalista do mundo). Vá entender!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here