DOE

O liberalismo é a melhor forma de reduzir a pobreza

É comum, até mesmo por falta de conhecimento, acreditar que os liberais não se preocupam com a questão da pobreza. Todavia, a grande verdade é que esse tema tem sido o centro do pensamento de muitos teóricos defensores do liberalismo. Em que pese muitos outros pensadores liberais terem tratado do assunto, aqui serão apontados três. A razão é que esses três focaram no assunto de forma específica e não de forma periférica como os demais. São eles Jesús Huerta de Soto, Walter Williams e, como não poderia ficar de fora, Ludwig von Mises.
Jesús Huerta de Soto é um economista da Escola Austríaca e catedrático de economia política da Universidade Rey Juan Carlos de Madri. Huerta de Soto é também doutor em Direito da Universidad Complutense de Madri desde 1979. É vencedor do prêmio Adam Smith, 2005. Walter Williams é estadunidense, professor de economia da Universidade George Mason. Willians é libertário. Ludwig von Mises nasceu em 1881 e morreu em 1973, sendo considerado um dos grandes ícones da escola austríaca. Mises era um liberal e um crítico ferrenho do socialismo.

A ECONOMIA COMO MEIO DE COMBATE A POBREZA

A pobreza é o Estado natural do homem, o homem é naturalmente miserável. Sem nenhum aparato tecnológico o homem sucumbe frente à natureza. O que aconteceu foi que a partir de algumas revoluções observadas a partir do século XII, um grupo que vai ser chamado de “burguesia”, conseguiu acumulação de riqueza. Como eles conseguiram isso? Por meio da acumulação de capital. Pode-se acumular capital a partir do momento que se produz mais do que se consome. Vende-se o excedente obtendo o que se chama comumente de “lucro”. É essa contínua acumulação do lucro que deu o suporte as duas grandes Revoluções industriais que proporcionaram ainda mais lucro que por sua vez, dá possibilidades de se avançar ainda mais tecnologicamente, obtendo-se mais lucro ainda, enfim, é um ciclo. Esse modelo, pautado no lucro, necessita da garantia da livre iniciativa. Ou seja, cada indivíduo que dispõe de um determinado bem de consumo necessita de total liberdade para fazer o uso que bem entender desse bem.

Uma alternativa a esse sistema anteriormente apresentado, seria o modelo que ficou conhecido como “comunista”. Nesse cenário os bens de consumo não seriam do indivíduo, mas de toda a comunidade, sendo o Estado o responsável por fazer a distribuição igualitária desses bens. O principal exemplo histórico que representa esse sistema foi a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, cuja economia entrou em colapso no fim dos anos 1970, ocasionado a vitória do bloco capitalista no que ficou conhecido como “guerra fria”. A razão pela qual a União Soviética sucumbiu, é que o modelo econômico por ela adotado, o comunismo, é inviável. Mises aponta algumas razões para essa inviabilidade, vou apontar duas de forma resumida:
1) O fim da iniciativa privada resulta em menos investimentos, o que diminui a produção.
2) Sem a livre concorrência, a qualidade dos serviços prestados diminui, arrastando consigo a qualidade de vida das pessoas.

Destarte, os liberais sustentam que o estado não deve atuar como um Pai, mas deve ser reduzido ao mínimo necessário. O adequado seria, portanto, o incentivo a livre iniciativa e ao empreendedorismo. No caso do Brasil, é evidente que precisamos abrir o nosso mercado para o empreendedorismo. O país tem a economia mais fechada do G20, e olha que já melhoramos muito. Nos governos de Fernando Henrique Cardoso e parte de Luís Inácio Lula da Silva praticamos uma economia um pouco mais livre e enfrentamos o período de maior crescimento da nossa história, chegando a ocupar a posição de 7° maior potência econômica do mundo. Todo esse crescimento econômico culminou, adivinhe só, na redução da pobreza. Tanto é que em 2014 o Brasil saiu do mapa da fome da ONU. Entretanto, laços econômicos infrutuosos têm impedido o Brasil de avanças mais. O MERCOSUL não avança e o Brasil fica parado junto com ele. Agora vem uma crise, que até natural, mas o governo, ao invés de atrair investimentos, os afasta, aumentando impostos. Será necessária uma maior liberalização da economia.
É verdade que é hoje seria muito difícil a adoção das ideias que aqui exponho no Brasil. A mentalidade da população, bem como da classe política é de sempre aumentar o poder da máquina estatal em detrimento da livre iniciativa. O adequado seria que a população se concretizasse de que ela é sim capaz de construir, por si mesma, um futuro melhor, livre da pobreza. O nosso povo é extremamente criativo e pode andar com as próprias pernas sem a necessidade das muletas do estado. Todavia, admito que esse é um pensamento que nada contra a correnteza. É necessário que aqueles que dispõem de mais conhecimento conscientizem os outros acerca disso, num trabalho de formiga. A chave está em converter a mentalidade das pessoas. Se nós conseguirmos fazer as pessoas entenderem que são capazes de cuidar da própria vida, teremos um Brasil cada vez melhor.

Está gostando do conteúdo? COMPARTILHE!

Mais Recentes

Liberdade para Trabalhar avança em Anápolis-GO com 297 atividades liberadas de alvará
Lançado no dia 29 de junho...
Ranking mundial da Forbes reconhece o ILISP como um dos think tanks com maior alcance nas redes sociais
Dois artigos publicados na Revista Forbes...
Liberdade para Trabalhar avança em Nova Friburgo-RJ com 289 atividades liberadas de alvará
Lançado no dia 29 de junho...
Projeto Liberdade para Trabalhar é lançado em Sergipe
Lançado nacionalmente no dia 29 de...
Liberdade para Trabalhar: Boa Vista-RR dispensa 297 atividades da necessidade de alvará
Lançado no dia 29 de junho,...
Em evento no Senado, ILISP lança o Mapa da Liberdade para Trabalhar
Um pequeno empreendedor que tirou a...

Leia Sempre Primeiro

Cadastre-se na nossa Newsletter e receba sempre em Primeira Mão!